Empurrador e navio se chocam no rio Amazonas, próximo a Óbidos

O navio Mercosul Santos colidiu com o comboio de balsas próximo em Óbidos. Foto – Marcos Cantuário

Um empurrador de balsas graneleiras, da empresa Bertolini, se chocou na manhã de hoje, 2, com um navio mercante, próximo a cidade de Óbidos, rio Amazonas, no oeste do Pará.

As primeiras informações são de que, com o choque, pelo menos 9 pessoas desapareceram – entre tripulantes e passageiros do comboio de balsas carregadas de grãos que fazia o trajeto Porto Velho (RO) – Santarém (PA).

dick farney, no comando do empurrador da Bertolini

Dicky Farney estava no comando do Tbl 120

O empurrador é o Tbl 120 que se chocou, por volta das 5 horas da manhã, com um navio de contaneires que subia o rio Amazonas.

O choque entre os dois aconteceu em frente da comunidade de Paru, município de Óbidos, a 20 minutos de lancha do centro urbano.

Uma equipe da Sentinela TV/Band, de Óbidos, esteve local colhendo  informações sobre o acidente.

11 pessoas, segundo o site Jeso Carneiro apurou, estavam a bordo do empurrador TBl 120, sob o comando do Dick Farney, que se encontra desaparecido.

Outro tripulante desaparecido é o cozinheiro Juraci Brito. No total, são 9 os desaparecidos.

Empurrador e navio se chocam no rio Amazonas, próximo a Óbidos, acidente. Balsas e navio

Uma das balsas do comboio ficou engatada no navio; várias delas foram ao fundo

COMBOIO

O empurrador Tbl 120 deixou a cidade de Porto Velho, capital de Rondônia, com destino a Santarém com 9 balsas abarrotadas de grãos (soja e milho) no último dia 27.

11 pessoas estavam a bordo, sendo 9 tripulantes e 2 passageiros.

Esse percurso, rios Madeira e Amazonas abaixo, é feito em no máximo 7 dias. O comboio chegaria hoje, 2, em Santarém, onde a carga seria descarregada no porto graneleiro da Cargill.

Cada balsa carrega até 800 toneladas de grãos, carga avaliada em cerca de 2,5 milhões de reais.

O choque entre as duas embarcações ocorreu a cerca de 120 km de Santarém.

choque de embarcações no rio Amazonas

As duas embarcações em pleno rio Amazonas, após o choque. Foto – Marcos Cantuário

Segundo a Bertolini, os tripulantes que estavam no comboio são:

1. Carlos Eduardo Bueno de Souza
César Lemos da Silva
Cleber Rodrigues Azevedo
Dárcio Vânio Rego

5.Dick Farney de Oliveira
Euclinger da Silva Costa
Ivan Furtado da Gama
Juraci dos Santos Brito
Wandel Ferreira de Lima

Apenas César Lemos da Silva e Euclinger Costa sobreviveram.

navio que provocou o choque

Mercosul Santos subia o rio Amazonas. É da empresa Mercosul Line

HOSPITAL

Os dois únicos sobreviventes já estão em Santarém. Eles foram resgatados do local do acidente pela Bertolini em uma lancha. Desembarcaram no porto da empresa, no início da tarde, e foram levados para um hospital privado da cidade.

Passam bem.

As águas do rio Amazonas correm a uma velocidade média de 2,5 Km por hora. Mas aumenta até 7 a 8 Km/hora, em Óbidos, onde está localizada a parte mais estreita no Brasil, com cerca de 1.900 metros de largura.

Por conta disso, não se descarta a possibilidade dos corpos dos desaparecidos, se não estiverem presos nas ferragens das balsas e rebocador, sejam encontrados – se forem – a quilômetros de distância da Costa do Paru.

mapa. onde foi o acidente

No ponto preto, o local onde ocorreu o acidente, a cerca de 120 km de Santarém

Neste link, assista ao vídeo/reportagem da Sentinela TV/Band, de Óbidos, que esteve no local do acidente.

Leia também
Advogado foragido da Justiça será transferido hoje para Santarém

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Empurrador e navio se chocam no rio Amazonas, próximo a Óbidos

  • Muito boa informacao

  • Muito boa reportagem!! Minhas mais sinceras condolências pras família desses guerreiros. Tive o prazer de trabalhar ao lado de um dos tripulantes desaparecidos chamado Darcio Vânio.

  • Muito bem redigida a matéria mas creio que há um erro no que se refere a localização do acidente tendo em vista que a informação textual contradiz a sinalização no mapa (onde se vê o lago do Paru – região do acidente) enquanto a sinalização é praticamente na frente da cidade de Óbidos. Fica a dica!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *