Altas
Presídio em Altamira, o palco da chacina que vitimou 62 detentos

Altamira, no sudoeste do Pará, é a 2ª cidade mais violenta do país, com taxa de 133,7 mortes a cada 100 mil habitantes. As informações são do Atlas da Violência – Retratos dos Municípios, apresentado nesta segunda-feira. Os dados são de 2017, os mais recentes.

Foi em Altamira que, semana passada, 62 detentos foram assassinados durante e após rebelião no presídio da cidade.

Segundo a Folha de S. Paulo, a cidade mais violenta do Brasil foi Maracanaú (CE) com 145,7 homicídios por 100 mil habitantes. No ano do estudo, 308 pessoas foram assassinadas na cidade da região metropolitana de Fortaleza.

 

“O Brasil é recordista mundial em violência letal”, revela o jornal paulista em edição desta terça-feira.

Abaixo, parte da reportagem:

“O Brasil é recordista mundial em violência letal. Ainda que os dados de homicídio sejam desafiantes, parecem menos intransponíveis à luz das informações apresentadas nesta segunda-feira (5) pelo Atlas da Violência 2019 – Retratos dos Municípios.

Apenas 2,1% dos municípios brasileiros concentraram 50% dos 65.602 homicídios ocorridos no país em 2017, segundo o estudo realizado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 

Isso quer dizer que 32.801 mortes ocorridas naquele ano se aglomeraram em 120 cidades do país. O Brasil tem, ao todo, 5.570 municípios.

“O Brasil concentra 14% dos homicídios do planeta, e acabar com a nossa violência pode parecer algo inviável”, avalia o economista Daniel Cerqueira, coordenador do Atlas.

Atlas

Leia a íntegra da matéria neste link (assinantes).

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Atlas da Violência aponta Altamira como a 2ª mais violenta cidade do país

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *