Desmatamento em junho na Amazônia cresce quase 60% em relação ao mesmo mês em 2018

A preocupação internacional em torno do desmatamento na Amazônia, que resultou em forte pressão política sobre o presidente Jair Bolsonaro no encontro do G20, em Osaka, no Japão, deve ganhar corpo com os números atualizados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Segundo O Globo, em junho a Amazônia perdeu 762,3 km² de floresta, o equivalente a duas vezes a área de Belo Horizonte. É o pior registro do mês desde 2016. No acumulado dos últimos 180 dias, o quadro também inspira preocupações. 

No mesmo período, em junho de 2018, o desmatamento havia sido de 488,4 km².

Na prática, a floresta perdeu duas cidades do porte de Paris a mais em comparação ao ano passado. No acumulado de 2019, o Brasil  viu uma redução de aproximadamente 1,5 vez o território da cidade de São Paulo: 2.273,6 km².

 

O Inpe trabalha com satélites que calculam o desmatamento com base em diferentes filtros. O sistema é criticado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que defendeu em diferentes ocasiões a contratação de uma empresa privada estrangeira para o monitoramento da Amazônia. O instituto, por sua vez, defende a precisão dos dados.  

Os números desta reportagem levam em conta desmatamentos com solo exposto, com vegetação e derrubadas resultantes de atividades ligadas à mineração, metodologia adotada pela ONG Observatório do Clima.

Na série histórica da plataforma Terra Brasilis, disponibilizada pelo instituto e iniciada em 2015, os números deste ano só são superados pelos de 2016, que registrou, até junho daquele ano, 3.183 km² de áreas desmatadas. Naquela ocasião, os índices foram os piores desde 2008.

LEIA também: PSL define empresário como pré-candidato a prefeito da direita em Itaituba

O cenário coloca em xeque as metas do Brasil para o Acordo de Paris, assinado em 2015. No documento, o país se comprometeu a zerar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030 e a compensar os gases poluentes emitidos pela ação de derrubada da floresta até o fim da próxima década.

Há, ainda, a Lei 12.187, assinada em 2009 para firmar o compromisso do Brasil junto às Nações Unidas de reduzir o desmatamento da Amazônia Legal para 3.907 km² até 2020. 

Para Carlos Ritti, secretário-executivo do Observatório do Clima, o quadro confirma a agenda “antiambiental” defendida pelo governo federal. 

“A variação tem uma digital para trás, que é a do governo Jair Bolsonaro. O discurso na campanha se reflete na redução no combate ao desmatamento. O número de operações foi 70% maior de janeiro a abril. Não é uma variação, digamos, esperada de um início de governo. Se no discurso você estimula e diz que vai tirar o governo das costas de quem quer produzir, estamos, na verdade, tirando o governo das costas de quem está cometendo crimes ambientais”, avalia Ritti.

LEIA também: Ficha corrida dos sócios da Alecrim foi que os levou à prisão por crime ambiental

Sobre as críticas de Salles ao monitoramento do Inpe, o ambientalista é taxativo:  

“O sistema do Inpe visa alertar os órgãos ambientais para que vão a campo para acabar com o desmatamento. Ele não detecta o desmatamento em sua totalidade. Esses números mostram uma tendência muito forte, mas não permite dizer que foi só isso que foi desmatado”, explica o secretário-executivo.

“Os dados não importam ao governo assim como os do IBGE, os da Fiocruz. A metodologia é reconhecida mundialmente como muito robusta. O ministério e o Ibama estão recebendo informações sobre o desmatamento ilegal dentro e fora de propriedade privada e têm todos os instrumentos para agir. Cabe ao ministro a responsabilidade de colocar equipes em campo, até porque recursos não faltam”.

O Ministério do Meio Ambiente ainda não nomeou chefes para as superintendências dos estados que compõem a Amazônia Legal. Segundo estimativa do Observatório do Clima, quase 99% do desmatamento ocorrido em 2019 tem origem ilegal.   

Procurando pela reportagem do Globo, o Ministério do Meio Ambiente não respondeu aos questionamentos ainda.

Neste link, a íntegra da reportagem.

Com informações de O Globo

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Desmatamento em junho na Amazônia cresce quase 60% em relação ao mesmo mês em 2018

  • Falta pouco para o assoreamento dos rios.

  • Na Flota Parú em Almeirim parece que tá feia a coisa por lá desde o desgoverno passado do Játreme. Em muitas áreas paraenses, eles metem as máquinas e vão arrepiando por baixo das copas das árvores, despistando os satélites que fazem o sensoriamento remoto. Alô órgãos fiscalizadores 📢📣 BORA! TRABALHAR!📢📣

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *