Nossos rios, estradas permanentes e seculares, por Mário Guerreiro, porto de santarém

Porto improvisado da praça Tiradentes, em Santarém

por Mário Guerreiro (*)

A ocupação da Amazônia, seus grandes dilemas, suas histórias e o aparecimento de povoados e vilas encontraram nas estradas fluviais o acesso ideal para suas conquistas, demarcando territórios e edificando imponentes fortalezas na época.

Os mesmos caudalosos rios amazônicos, Amazonas, Tapajos, entre outros, continuam ao longo do tempo servindo aos ribeirinhos e as empresas de navegação, diga-se, sem precisar de vultosos recursos “empregados” nas estradas que atendem aos planaltos pelos governos estadual e federal.

Precisando apenas da consciência ambiental como fonte de investimento.

A evolução no sistema de transporte via fluvial é notória. Empresas estão investindo na segurança e conforto de seus passageiros, diminuindo as distâncias entre as cidades, com embarcações velozes e climatizadas.

A migração das tábuas de itaúba às chapas de aço das grandes embarcações modernas, não só a segurança dos passageiros agradecem, mas também o meio ambiente.

As melhorias nesse sistema de transporte, integrando a Amazônia ribeirinha com segurança, rapidez e conforto, deve-se exclusivamente aos bravos empresários com visão regional, que vêem nas vias fluviais o caminho para a integração de nossa gente.

Não podemos deixar de citar a Capitania dos Portos, pelas exigências de adequação das embarcações, assim como as fiscalizações necessárias.

Mas o conflito existente entre os avanços das empresas de navegação e nosso sistema de terminais hidroviários de embarque e desembarque de passageiros é gritante.

Na maioria das cidades ribeirinhas, não existe ou quando existe é de forma improvisada, sem as mínimas condições de utilização.

Condições de higiene péssimas, ao relento, sujeito às intempéries do tempo, sem adequação para pessoas com necessidades especiais ou enfermas, desrespeito total aos idosos, além da mistura generalizadas no embarque de cargas e passageiros, acompanhada pela presença de veículos de todos os portes, trazendo risco eminente aos passageiros.

Se os investimentos nessas estradas fluviais são na ordem do ZERO, dádivas da natureza, seria de bom alvitre que uma visão regional, aí destaco o oeste do Pará, fosse pensada como políticas de governo, tentando oferecer ao povo ribeirinho melhores condições de comodidades ao esperar seu transporte.

Modernizar os portos, aumentar suas capacidades de fluxo de passageiros traria mais cidadania a quem utiliza essas vias fluviais, já que as estradas terrestres não oferecem condições de trafegabilidade.

Nossos rios carregam nossas riquezas e nossa gente.

– – – – – – – – – – – – – – – –

* É professor e geólogo. Escreve regularmente neste portal.

Leia também de Mário Guerreiro:
Oligarquias democráticas

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

8 Comentários em: Nossos rios, estradas permanentes e seculares, por Mário Guerreiro

  • Meus aplausos pela matéria.
    Já passa da hora desse olhar virar realidade e sair do papel.
    Gostei da matéria.

  • Que sua voz ecoe sobre aqueles parlamentares seculares, que parecem não ter voz pelo povo. Também, só andam de avião.
    Parabéns. Gostei da contextualização. Olhar regional.

  • Realmente é uma situação vexatória. Quer ver quando no período da chuva. Bem lembrado.
    Precisamos desse olhar regional. Acabou o tempo de só puxar brasa pra baixo de sua sardinha.
    Onde estão os nossos deputados?
    Alguns só enganando o povo com aniversário.
    Acorda Oeste do Pará.

  • Jeso.
    Parabéns pelo artigo. Seu blog tem sido nosdo porta voz de muitos problemas de nossa região.
    Feliz e real matéria.
    Parabéns.

  • Não diria que o Oeste do Pará seja esquecido, ele deixa de ser lembrado por falta de representatividade politica. Não podemos servir de bucha de canhão pra continuar elegendo deputados que não tenham compromisso com nossa gente. A maioria deles tem projetos pessoais e não com a região. Observem, analisem, são sempre os mesmos e nada avança na região.
    Vai chegar a hora. Precisamos renovar a turma que só balança a cabeça pro Temer. Fantoches.

  • Como comandante de navegação quero parabenizar a matéria.
    Realmente isto é um transtorno pra nós. E principalmente aos passageiros. É comum passageiros caindo na hora de embarcar.
    Valeu, até que enfim um grito por nós. Aplausos.

  • Muito bom relato !
    Pois “esse Rio é nossa Rua” ..
    Nos leva e nos traz para perto e longe das nossas famílias!
    Merecemos que junto com a modernização das embarcações, nos seja digno ter portos mais adequados também.

  • Realmente é uma contradição, embarcações modernas e confortáveis e terminais hidroviários inexistentes. Passageiros não são cargas.
    Vamos olhar com mas carinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *