Que venham as árvores!, de Helvecio Santos, Plantio de árvoras na orla de Santarém. Foto: Tamara Saré

Plantio de árvores na orla de Santarém. Foto: Tamara Saré/Facebook

por Helvecio Santos (*)

Tenho um amigo no Rio de Janeiro que diz que estamos “vivendo de ilusão”.

Na sua ótica, isso explica pularmos que nem malucos no Carnaval; torcermos que nem alucinados nos estádios, seja por times ou pela Seleção; lotarmos as praias nos ditos “pontos facultativos” e “buzuns” sucateados levam passageiros apertados como sardinha em lata; morre-se nas filas dos hospitais públicos caindo aos pedaços; mora-se atrás de grades, prisioneiros que somos da violência; estica-se o reles salário mínimo até o final do mês e assiste-se impassível ao saque que os políticos fazem na riqueza do país.

Como todo brasileiro que batalha diuturnamente pelo pão de cada dia, estou na roda viva dessa “ilusão” e, pior, criei para mim uma ilusão particular que fica a quilômetros de distância.

Explico: saí de Santarém, mas Santarém não saiu de dentro de mim.

Assim, por amor, sonho com uma Santarém melhor e em busca deste sonho faço cobranças. Ocorre que algumas pessoas não entendem essa demonstração de amor e creditam minhas cobranças ao Poder Público a um desejo febril de desmerecer o Berço Querido.

Minha lista é extensa e, eu por ser um sujeito do século passado, algumas cobranças já beiram décadas, mas eu não desisto.

Já cobrei a retirada dos barcos da frente cidade; já cobrei ciclovia em toda a extensão do cais, acompanhando a parte interior que dá para o asfalto; já cobrei poste em toda a extensão do cais e a transformação da faixa de areia em campos de futebol, futevôlei, vôlei e outros esportes; já cobrei esgotamento sanitário; já cobrei arruamento que permita à população alcançar a Praia Pajuçara.

Também já cobrei que a verba dada aos clubes de futebol seja usada numa parceria com os clubes para livrar a cidade das indesejáveis pets; já cobrei que o carnaval seja resumido ao carnaval de clubes; já cobrei que no “Bosque” (?) Vera Paz sejam construídas trilhas e instalado um orquidário sob a orientação da Sociedade dos Orquidófilos Santarenos; já cobrei que fosse criada a Secretaria de Sustentabilidade; já cobrei acessibilidade; já cobrei nivelamento das calçadas; já cobrei; já cobrei; já cobrei.

Para oferecer mais utilidade e conforto, cobrei ainda que toda a extensão do cais fosse brindado com o plantio de árvores. Sugeri que fossem plantadas mangueiras em baias avançando sobre a praia e ao redor do tronco fossem colocados bancos.

Alvíssaras! Será que o Prefeito leu?

Há dias uma matéria na mídia santarena noticiava que seria iniciado um programa de arborização na orla. Trinta e duas mudas das espécies ipê e sapupira seriam plantadas a partir da Praça do Pescador sob a batuta da Secretaria de Agricultura e Pesca.

Dentro da minha porção “vivendo de ilusão”, quando alguma coisa acontece dentro do que sonho para Santarém, me descubro pensando: fui atendido! Então, daqui de longe, sinto-me no dever de dizer: obrigado, Prefeito!

Não importa a espécie, que venham as árvores e com elas os pássaros, as flores e o frescor de sua acolhedora sombra. É preciso dar um basta nesse calor insuportável.

Como sonhar não custa nada, sonho um dia ver toda a extensão do cais coberta de mangueiras ou, quem sabe, ipês ou, quem sabe, sapupiras.

Na definição do “Aurélio”, cais é o “Lugar lajeado para desembarque de passageiros e carga, na margem dos rios ou do mar;”.

Por esta definição, é uma ilusão chamarmos de orla o que na verdade é cais. Mas se o Prefeito tiver coragem e tirar o bairro flutuante que fica em frente à cidade e arborizar toda a extensão do cais, aí sim, teremos bons motivos para nos orgulharmos da orla da nossa Santa Santa Santarém.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – –

* Santareno, reside no Rio. É advogado e economista. Escreve regularmente neste portal.

Leia também dele:
Trocando de roupa
Toró, o maior hair stylist que conheci

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

6 Comentários em: Que venham as árvores!, de Helvecio Santos

  • Bravo!

  • Tomare que essa cobrança (arborização) Helvécio Santos não seja em vão.

  • E por falar em cobrança, eu também já cobrei. Cobrei – e fico me perguntando por que ninguém cobra – a continuação da urbanização da orla para o outro lado da cidade, em direção à Prainha, à Vila Arigó, ao Uruará (este último, aliás, parece – se a obra já foi concluída -, já foi urbanizado em 1000 mts). Na minha opinião, tal obra iria valorizar ‘por demais’ a cidade, completando todo o litoral urbano da cidade devidamente urbanizado, “orleado”, por assim dizer. Acho que essa extensão da orla também seria importante para o turismo da cidade. Por que não cobram?

  • E por falar em cobrança, eu também já cobrei. Cobrei – e fico me perguntando por que ninguém cobra – a continuação da urbanização da orla para o outro lado da cidade, em direção à Prainha, à Vila Arigó, ao Uruará (este último, aliás, parece – se a obra já foi concluída -, já foi urbanizado em 1000 mts). Na minha opinião, tal obra iria valorizar ‘por demais’ a cidade, completando todo o litoral urbano da cidade devidamente urbanizado, “orleado”, por assim dizer. Acho que essa extensão da orla também seria importante para o turismo da cidade. Por que não cobram?

  • Dr. Helvécio…a arborização com 32 árvores que estava prevista para a orla de Santarém no trecho TFT-Praça da Matriz, apesar de fundamental apoio da Prefeitura através da Secretaria Municipal de Pesca e Agricultura, foi uma iniciativa voluntária de uma cidadã arquiteta que mora na cidade há 19 anos. Infelizmente, por pressões da iniciativa privada que advogaram erroneamente em favor do zelo pelo asfalto e do não comprometimento de alguns centímetros de algumas vagas de carro, acabaram forçando que a ação finalizasse apenas com 17 poucas árvores. Vamos torcer para que haja o entendimento da necessidade de se completar a ação e se privilegiar a qualidade de vida da população. Essa seria uma ação inicial dentre outras que visavam agir em pontos críticos da cidade, onde com pequenas intervenções se conseguiriam significativos resultados. Perdi a alegria inicial, mas mesmo assim não perdi a esperança que a sociedade entenda que podemos ser generosos e, acima de tudo, responsáveis pelo bem estar coletivo.

  • Caro Helvécio,
    Vamos usar o verbo Acreditar, não pare de dizer até acreditarem.. Desde quando saímos de Santarém na década de 70, até agora Santarém continua na gente. Acreditando no plantio, essas árvores, bem colocadas em espaços que não venham danificar o que já fora feito. Todos nós sabemos, que logo mais teremos sombreamento na bela orla. Nós Lembramos da Avenida São Sebastião, quando íamos para o colégio Dom Amando, tínhamos sombra e até manga pra saborear.
    Parabenizo, por acreditar no sucesso do plantio.
    Até breve,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *