Blog do Jeso


Helvecio Santos

É advogado e economista santareno, residente no Rio de Janeiro. Ex-jogador e torcedor do São Francisco.

Em tempos de machão

por Helvecio Santos

Em tempos de machãoNestes tempos em que se busca cada vez mais a igualdade de gênero, o machão caiu em desgraça e está fora de moda. Copiando o bordão do saudoso humorista, “há controvérsia”.

Antes que me incinerem, leiam as razões porque os defendo e como os entendo conceitualmente.

Leia também do autor – Vamos à verdadeira suruba

Antes quero contar um fato!

Esta semana liguei para o consultório do meu médico e, como a secretária estava atendendo outro paciente, fiquei na linha esperando. Ela atendia um senhor que marcava consulta para sua mulher, buscando o dia e o horário que fossem bons para o casal.

Consulta marcada, a secretária me atendeu e eu pedi licença para fazer uma observação: disse-lhe que, como homem, minha porção machista se sentia imensamente orgulhosa quando via um marido marcando consulta para sua mulher.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Vamos à verdadeira suruba

por Helvecio Santos

Vamos à verdadeira surubaPassado o Carnaval, vamos à verdadeira suruba, a Suruba do Planalto!

A do Planalto é de fazer corar os mais libidinosos participantes da carnavalesca, se é que esta pode ser considerada suruba, tal a angelicalidade comparada à do Planalto Central.

Importado de Portugal, devemos a popularização do carnaval a Dom Pedro II, que no intuito de europeizar seu império tropical, incentivou a criação das associações carnavalescas, sendo no início uma “festa das elites, que dançavam ao som de marchinhas e fandangos”, nos salões e teatros.

A quadra momesca ganhou as ruas e nobreza pelas mãos de Chiquinha Gonzaga com seu “Ô Abre Alas que eu quero passar, eu sou da Lira, não posso negar, Rosas de Ouro é quem vai ganhar” e ganhando as ruas subiu o morro e somou qualidade.

Morro e asfalto deram sustância ao samba e se Estácio e Vila Isabel foram o berço, Noel Rosa, Ismael Silva e outros mais alimentaram e foram alimentados pelos grupos que se formavam e depois se constituíram nas atuais escolas.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Vários coelhos com uma cajadada só

por Helvecio Santos (*)

Vários coelhos com uma cajadada só, Blog do Jeso | Helvécio Santos

Helvecio Santos

Se não me falha a memória, foi o prefeito Lira Maia que limpou a frente da cidade, livrando-a dos barcos que dela faziam morada, do consequente despejo de esgoto sanitário, óleo queimado e o que mais couber.

Depois o governo da prefeita Maria do Carmo, que o sucedeu, permitiu novamente e hoje temos esse circo de horror que é a frente da cidade.

Há dois anos, numa das minhas férias, andando pelo cais, dali do “Bosta” Vera Paz até a altura da Travessa Padre João, contei mais de duzentos barcos encostados no cais. Alguns passam dias e dias ali e, juntamente com os eventuais, sem dó nem piedade, despejam lixo orgânico e inorgânico, ora no rio, ora no pedaço de areia que resite.

Se fizermos uma conta simples, esses barcos constituem um bairro flutuante, sem nenhuma providência que proteja o rio e a faixa de areia restante. São aproximadamente 10.000 pessoas emporcalhando o rio e a frente da cidade.

Como novos tempos estão chegando, espero que para melhor, atrevo-me a fazer este pedido ao prefeito eleito que nos governará a partir do próximo ano.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Velhos tempos, belos dias

Velhos tempos, belos dias, foto do olimpia cine

por Helvecio Santos

Blog do Jeso | Helvécio SantosPara quem viveu a época da Jovem Guarda, escutar “Jovens Tardes de Domingo”, letra de Roberto e Erasmo Carlos, dá um nó na garganta e o peito se estreita.

Agora, para quem viveu a época da Jovem Guarda na Santarém de antanho, escutar “Jovens Tardes de Domingo” e lembrar o que fizeram com pontos referenciais de nossa cidade, é um teste para o coração.

Leia também do autor – Onde as ruas não têm nome.

O ser humano tem essa veia diabólica de destruir tudo o que lhe dá prazer. Na lógica humana prazer e conservação não combinam. Por “quê?
E não venham dizer que sou catastrófico.

Não! Não sou catastrófico! Sou realista e não adianta tapar o sol com a peneira. Exemplos? São muitos: Padaria Lucy, Coreto da Matriz, Escadaria do Frei Ambrósio, Cristo Rei, Vera Paz, Coroa de Areia, Estádio Elinaldo Barbosa, mangueiras da São Sebastião, lago do Maicá, campo do Veterano etc etc etc.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Onde as ruas não têm nome

Onde as ruas não têm nome, Vista áerea Santarém

por Helvecio Santos (*)

Blog do Jeso | Helvécio Santos

“Ruas sem nome”

É como num deserto!

Elas existem, estão ali compondo o cenário, mas você anda, anda e, duna após duna, não há placa indicativa do nome.

Leia também do autor – Pajuçara sitiada.

Assim também é Santarém!

As ruas existem, estão ali compondo o cenário, mas você anda, anda e, rua após rua, não há placa indicativa do nome. Os nomes só existem na memória do povo.

Em 1970, quando sai de Santarém, Aldeia, Centro e Prainha eram os bairros que compunham o núcleo urbano. A sede dos Correios ainda é no mesmo local, ali no canto da Praça Rodrigues dos Santos.

O carteiro era o Portilho, meu amigo Manoel Portilho Bentes Neto, carinhosamente chamado Carteirinho.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Pajuçara sitiada

Lixo na praia de PajuçaraPraia de Pajuçara, lixo, lixo e mais lixo

por Helvecio Santos (*)

Blog do Jeso | Helvécio SantosAproveitei parte das Olimpíadas e curti Santarém. Do dia 22 de julho a 13 de agosto fiz meu sacerdócio anual e visitei a Terrinha.

Visito para rever familiares e os inúmeros amigos, além do que, andando pelas ruas da hoje, ex-Pérola do Tapajós, com muita imaginação, volto a meus tempos de adolescência e juventude e isto, por si só, já vale a pena.

Leia também do autor – Por que só no andar de baixo, ministro?.

Por natureza, sou um cara alegre, mas este meu tom lamurioso é por constatar que das belezas naturais santarenas quase mais nada resta e a cada ano, mais e mais desaparece. Sou um santareno do século passado e, de cadeira, posso fazer tal afirmação.

A lista é extensa!

Além de toda a praia em frente à cidade que outrora era nosso parque de diversões, também perdemos Irurá, Coroa de Areia, Laguinho, Vera Paz, Mapiri, Juá, Ponta Negra, Igarapé do Padre, Maicá etc etc etc.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Por que só no andar de baixo, ministro?

Por que só no andar de baixo, ministro?, Henrique MeirellesAtual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles

por Helvecio Santos

Blog do Jeso | Helvécio SantosRecentemente escutei na televisão uma notícia que a Suíça trabalha para aprovar projeto garantindo uma renda mínima a seus cidadãos no valor correspondente a aproximadamente R$ 9 mil reais, medida que faz parte de uma política que visa o bem estar da população.

Leia também do autor – Folclórico e nocivo.

O Brasil, na contramão da história, no bojo de um amplo esforço para equilibrar as contas públicas, sabidamente deficitárias, como primeiro grande esforço, anuncia uma profunda reforma na Previdência Social, com notáveis prejuízos à parcela da população do andar de baixo.

Em suma, os governantes alegam que os velhos teimam em não morrer; que a mão de obra ativa (15 a 60 anos) está em declínio; que o déficit previdenciário é crescente; que para cobrir a Previdência fica sem dinheiro para investir em educação e saúde e que tem dificuldades em cortar gastos.

Inicialmente o ministro da Fazenda anunciou que em 30 dias mandaria as reformas para o Congresso e que esperava aprová-las até o final do ano. À vista do clamor das centrais sindicais, o governo voltou atrás e anunciou que tal maldade será tocada depois das eleições municipais.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Folclórico e nocivo

Folclórico e nocivo, Eduardo Paes 27.07.2013Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro

por Helvecio Santos

Blog do Jeso | Helvécio SantosJustificando o gasto com as obras ditas necessárias para sediá-los, ainda lembro do prefeito Cesar Maia desfiando um longo rosário de benefícios que os Jogos Pan Americanos de 2007 trariam ao Rio de Janeiro.

Hoje, nove anos depois, amargamos a dívida das ditas obras.

De péssima qualidade, como de resto toda obra pública no Brasil, são emblemáticos o Estádio Engenhão que pouco tempo depois da inauguração foi condenado por não oferecer segurança necessária à utilidade proposta, e a decantada Vila Olímpica, prédios que à míngua de fundações adequadas, afundam e perdem o prumo, num enorme prejuízo aos que compraram os imóveis acreditando nas palavras do prefeito.

Na verdade, das obras de urbanização no entorno do Engenhão que seriam a grande herança para a população, nada se viu. Como antes, lá estão as ruas apertadas, mal iluminadas e mal pavimentadas.

Logo depois do Pan, outro engodo bateu à nossa porta.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma história de amor sem ponto final

por Helvecio Santos

Uma história de amor sem ponto final, por Helvécio SantosÉ uma história anciã, do século passado!

Sessenta anos é um bom tempo, e haja tempo. Na verdade, é uma vida!

Não sei precisar o mês, mas foi no ano de 1956 que mamãe e papai, em busca de estudos para nosso irmão mais velho, hoje médico em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, colocaram sete filhos e mais cinco agregados a bordo do nosso valente barco Miragem, movido por um Archimedes 12hp, de popa e, Rio Amazonas abaixo, descobrimos Santarém e batemos com o costado ali no bairro da Aldeia, precisamente 24 de Outubro, a duas casas da esquina da 2 de Junho.

Novidades? Muitas!

Água pegada das 15:00 às 17:00h na bica da rua; luz elétrica entre 19:00 e 21:00h; picolezeiro e rala rala atrapalhando a sesta dos mais velhos; arraial da padroeira, Senhora da Conceição e do padroeiro do bairro, São Raimundo; banho de rio sem medo de piranha; praia que era uma imensidão só, e o barrento do Amazonas dera vez ao cristalino do Tapajós, entre outras novidades.

A Aldeia era reduto dos jogadores do São Raimundo e não era preciso sorte para espiar de passagem o Goitinho, o Cacete, o Chico Bóia, o Flexa, o Tiago tantos outros.

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Cidade dos anjos caídos

por Helvecio Santos

Blog do Jeso | Helvécio SantosÉ fato que o governo não tem dinheiro para construir mais presídios no Brasil ou mesmo reformá-los, como de resto, para mais nada, o que a presidente repete à exaustão.

No entanto, isso não é verdade absoluta. Há exceção!

Nesta nossa “Pasárgada”, há exceção para quem é amigo do rei, claro, e para quem é membro da corte. Em atendimento à “governabilidade”, a velha história do toma lá dá cá, para esses, há dinheiro.

Bom, a ser confiável a fala da presidente, não há dinheiro para construir presídios e os existentes estão superlotados, como ouvimos nos alarmantes noticiários.

É fato também que na “Lava Jato”, semanalmente são feitas prisões de “pesos pesados”.

Cidade dos anjos caídosPablo Escolar

Como não são ladrões de galinha para serem trancafiados numa pocilga qualquer, uma pergunta não quer calar: sentença transitada em julgado, onde esses gatunos de “alta plumagem” vão ser “hospedados”?

Ler mais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Página 1 de 3123
Videos
Canal direto
Canal Diteto
Twitter


Colunistas
Sites e blogs
Publicidade