Ministério Público pede cancelamento do registro de áreas sobrepostas em Alenquer , mpf santarém

Sede do MPF em Santarém, autor da recomendação

O Ministério Público Federal (MPF) encaminhou notificação à Semas (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade) e à superintendência regional do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em que recomenda providências para impedir o registro ilegal de áreas sobrepostas ao Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Paraíso, criado em 2005 em Alenquer, na região do Baixo Amazonas.

A recomendação foi encaminhada no último dia 4.

Assim que receberem os documentos, Semas e Incra terão 15 dias úteis para responderem ao MPF.

Se as respostas não forem apresentadas ou forem consideradas insatisfatórias, o MPF pode tomar outras providências que considerar necessárias, e inclusive encaminhar o caso à Justiça.

Apesar de a legislação prever que apenas os Cadastros Ambientais Rurais (CARs) outorgados antes da criação de um projeto de assentamento é que devem ser excluídos da área – desde que essas outorgas tenham obedecido as leis e que fiquem provados a posse e o uso das terras –, dados encaminhados ao MPF pelo Ministério Público do Pará em Santarém, por meio da promotoria de Justiça Agrária, apontam que foram outorgados diversos CARs para sítios e fazendas com áreas teoricamente sobrepostas ao PDS Paraíso.

FERRAMENTA DE GRILAGEM

“Apesar de seu potencial para a gestão de informações ambientais, o Cadastro Ambiental Rural, instrumento de política agrária e ambiental, tem sido frequentemente utilizado como ferramenta de grilagem de terras e causa de acirramento de conflitos no campo”, alerta na recomendação a procuradora da República Luisa Astarita Sangoi.

À Semas foi recomendado que, dentro de 15 dias, cancele os CARs individuais outorgados após a criação do PDS Paraíso e em sobreposição ao assentamento, e também cancele os CARs outorgados anteriormente que não consigam comprovar a propriedade e o uso social da terra.

O MPF também recomendou que a secretaria instaure procedimentos administrativos para averiguar as condutas dos servidores que efetuaram as outorgas ilegais.

À superintendência do Incra em Santarém, o MPF recomendou que a instituição atue junto à Semas e façam os cadastros das áreas de assentamento em suas diversas modalidades. O objetivo é evitar que sejam outorgados CARs individuais em sobreposição a essas áreas de assentamento.

Com informações do MPF

Leia também:
Juiz manda soltar 10 presos na operação do Detran; 5 vão continuar no Cucurunã

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Ministério Público pede cancelamento do registro de áreas sobrepostas em Alenquer

  • PARABÉNS MPF, AGORA TEM QUE PRENDER A MÁFIA DO INCRA QUE ROUBOU 20 MILHÕES DA CONSTRUÇÃO DE 2000 CASAS DO ASSENTAMENTO JURUTI VELHO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *