Alcoa mostra instalações da mina em Juruti a acadêmicos do Iespes, de Santarém, Alcoa - Juruti - Visitantes conheceram a área de lavra
Visita dos universitários à área de lavra da Alcoa

Em visita às instalações da Alcoa em Juruti, realizada neste mês, 14 alunos e 2 professores dos cursos de Administração e de Logística do Iespes (Instituto Esperança de Ensino Superior) tiveram a oportunidade de conhecer, na prática, o que vem sendo ensinado durante as aulas teóricas na instituição.

O acesso da turma à mineradora fez parte do Programa Visita da Comunidade, criado em 2014 como forma de estreitar o relacionamento com a comunidade. Desde que foi implantado, o programa já recebeu mais de 900 visitantes de diversos setores.

Recepcionados para um momento de bate-papo com o gerente de Aquisição e Logística da Alcoa, Naum Pinheiro, os estudantes puderam discutir os desafios de operar na Amazônia de forma sustentável e o trabalho minucioso em busca da excelência nas operações da mineradora.

Para o professor do curso de Administração e Logística do Iespes, Wilson Gonçalves Júnior, a visita teve muitos pontos positivos.

“Viemos com o objetivo de fazer uma atividade pedagógica em que colocamos a vivência dos alunos na prática junto à teoria discutida em sala de aula. Foi muito positivo conhecer o que a atividade mineradora faz em prol da população. Imagine essa região se não fosse a Alcoa? Se não tivesse a Alcoa aqui trabalhando nas áreas social e econômica neste contexto”, disse.

A aluna do curso de Administração e Logística do Iespes, Ana Suelen Galúcio destacou que foi um momento muito importante e ampliou o entendimento sobre o trabalho da mineradora e o que é feito em benefício do município de Juruti.

Alcoa - Juruti - Alunos e professores do Iespes com funcionários da Alcoa
Os visitantes do Iespes

“Temos uma visão fechada sobre isso, não só na mineração, mas na comunidade em si. Ter acesso a isso foi bem interessante e muito bom pra todos nós”.

MERCADO

Já o gerente de Aquisição e Logística da Alcoa, Naum Pinheiro, analisou a interação entre a mineradora e o Iespes como um ponto estratégico para se firmar futuras parcerias no sentido de os profissionais, após formados, tornarem-se eventuais fornecedores de projetos que criem facilidades para a região.

“É um mercado pra daqui a 5 anos e a gente vai aproveitar também”.

Com informações da Alcoa/Juruti

Leia também:
Geólogo pede que o Pará, diferente de MT e MG, ‘acorde’ para mineração

  • 167
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *