Inquérito da operação Contraste, deflagrada em Óbidos, continua sob sigilo
Agentes federais em Óbidos na operação Contraste

Passados 90 dias desde que foi deflagrada em Óbidos, oeste do Pará, a operação Contraste, que apura um suposto esquema criminoso de desvio de verbas públicas federais no município, continua sob sigilo.

Nem a PF (Polícia Federal) e nem o MPF (Ministério Público Federal) dão informações sobre o andamento do caso. Nesta terça-feira (11), o Blog do Jeso tentou mais uma vez obter mais detalhes, mas esbarrou no muro do segredo.

 

“Informamos que o inquérito do caso está sob sigilo e, portanto, não é possível a divulgação de detalhes sobre seu andamento”, justificou o MPF.

O que se sabe é a linha de investigação: um suposto desvio de verbas do SUS (Sistema Único de Saúde), através de compras de medicamentos, sem a sua efetiva entrega por parte das empresas vencedoras das licitações.

O crime teria contado com a participação de servidores públicos e empresários.

Identificação na PF

Uma das participantes do conluio criminoso seria “uma empresa de Goiás”, de acordo com release distribuído pelo MPF sobre a operação à imprensa quando ela foi deflagrada — no dia 5 de novembro do ano passado. Posteriormente, o blog apurou se tratar da Allegrens Hospitalar.

Na PF, o inquérito do caso ganhou a seguinte identificação: DPF/SNM/PA-00098/2018-INQ.

Sobre o caso, leia:

Servidores da Secretaria de Saúde de Óbidos irão prestar depoimento à PF

‘Odebrecht’ de Chico Alfaia, Allgreens sumiu de Óbidos após ser denunciada ao MPF

Semsa de Óbidos pagou R$ 800 mil por remédios a 5 empresas em 2017, ano alvo da PF

Ex-secretária de Óbidos acusa prefeito de calúnia, e diz que não cometeu ato ilegal

Contraste 2 | Vereador que denunciou “quadrilha” da Saúde em Óbidos se aliou ao prefeito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *