11 barragens da MRN são reclassificadas com potencial de dano igual de Brumadinho
Barragem da MRN em Oriximiná. Foto: Jeso Carneiro

A Mineração Rio do Norte (MRN) decidiu que irá contestar os autos de infração lavrado contra a empresa pela ANM (Agência Nacional de Mineração) por não ter apresentado o Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração (PAEBM).

A mineradora S/A, cuja maior acionista é a Vale, explora bauxita em Porto Trombetas, em Oriximiná, oeste do Pará.

No mês passado, 11 barragens da MRN foram reclassificadas pela AMN “como de maior dano potencial associado” — o mais elevado grau na escala que tem ainda o “baixo” e o “médio” dano.

 

O dano potencial refere-se ao que pode acontecer em caso de rompimento ou mau funcionamento de uma barragem. Ele leva em conta as perdas de vidas humanas e impactos sociais, econômicos e ambientais.

O alto dano era a classificação da barragem 1 da mineradora Vale no Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), que se rompeu em janeiro deste ano.

Ainda no final do junho, a Mineração Rio do Norte foi autuada em cerca de R$ 50,5 mil por não ter apresentado os PAEBMs de cada uma das 11 barragens.

MAIOR PRAZO

“Tendo em vista os prazos técnicos requeridos para a elaboração de tais planos, a MRN irá contestar os Autos de Infração, solicitando um maior prazo para a conclusão dos trabalhos, os quais se encontram em andamento”, justificou em nota.

Na área da MRN em Porto Trombetas há um total de 25 barragens, segundo a ANM.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: 11 barragens da MRN são reclassificadas com potencial de dano igual de Brumadinho

  • E se vaza no Sapucá, nem Santo Antônio perdoará. Quem finge de cego sempre cai no buraco, nosso povo Abrolhos.

  • Esse impacto ambiental vem existindo desde a década de 70 quando essa mineradora começou operar na exploração mineral no Trombetas – Oriximiná-PA. O que fica na verdade para os nativos, povo daquela região, são as migalhas em troca da riqueza extraída da terra fértil oriximinaense.
    Lago do Batata (Reserva Biológica no Rio Trombeta) já sofreu grande impacto ambiental, atingiu a flora e fauna. É difícil imaginar uma reconstrução daquilo que a natureza criou, para reparar a destruição perversa causada pela exploração mineral.

    Canto Seixas
    Advogado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *