MP confirma ação contra matadores de sindicalista em Rurópolis; 3 são acusados
Leila Ximendes, em destaque, foi assassinada em outubro de 2016

O Ministério Público do Pará confirmou hoje (9) a notícia veiculada em primeira mão pelo Blog do Jeso, na segunda-feira (7), que ajuizou ação penal contra os supostos responsáveis pelo assassinato da sindicalista Leila Ximendes de Sousa, em outubro de 2016 na cidade de Rurópolis, oeste do Pará.

A confirmação surge com uma matéria publicada há pouco no site do MP sobre o caso. Veja a íntegra abaixo.

São 3 os acusados na ação penal pela morte, a facadas, da também militante do PT: 1 executor e 2 mandantes, enquadrados em homicídio qualificado pela promotora de justiça Mariana Macêdo Dantas.

O processo tramita em segredo de justiça.

Os acusados podem ser condenados de 12 a 30 anos de prisão.

Eis a íntegra da publicação do MP:


“A Promotoria de Justiça de Rurópolis, por meio da promotora de justiça Mariana Sousa Cavaleiro de Macêdo Dantas, apresentou na segunda-feira (7), denúncia contra o executor e dois mandantes do assassinato da sindicalista e militante do Partido dos Trabalhadores (PT), Leila Cleopatra Ximendes de Sousa, ocorrido em outubro de 2016.

Com o recebimento da denúncia começa a ação penal e os investigados passam a ser réus do processo, que corre em segredo de justiça. 

Leila Ximendes foi assassinada no dia 1º de outubro de 2016, por volta das 20h30, na BR 230, ladeira do bairro do Leitoso, na cidade de Rurópolis, pelo executor denunciado, em razão de paga ou promessa de recompensa garantida pelos mandantes.

 O assassino desferiu duas facadas na vítima, que teve uma parada cardiorrespiratória em decorrência de hemorragia, causada por esfaqueamento múltiplo, conforme os laudos periciais.

Inicialmente as investigações apontavam para um suposto crime político. Contudo, fatos novos apresentados ao MPPA descartaram essa possibilidade.

A promotoria denunciou os envolvidos por homicídio qualificado, sendo o executor incluso na qualificadora, em razão de paga ou promessa de recompensa e mediante emboscada, sem chances de defesa para vítima. A pena é de reclusão de 12 a 30 anos.

Os mandantes também estão denunciados por homicídio qualificado, em função de paga ou promessa de recompensa, com a mesma previsão de pena, de 12 a 30 anos.

“Os crimes dolosos contra a vida, conforme dispõe o texto constitucional, são de competência do Tribunal do Júri. O Ministério Público deu o primeiro passo ao iniciar a ação penal com a denúncia e espera-se que os denunciados sejam pronunciados pelo juízo da comarca e encaminhados para que a sociedade os julgue no Júri Popular e os condene nos termos da denúncia”, esclareceu Mariana Dantas.

A promotoria requereu o recebimento da denúncia em todos os termos, com a citação dos denunciados para acompanhar a ação penal até a pronúncia, nas sanções punitivas do art. 121, § 2º, I e IV do Código Penal Brasileiro (executor), e os dois mandantes nas sanções descritas no delito do art. 121, § 2º, I, do Código Penal Brasileiro.

Leia também sobre o caso:
—  Segredo sobre acusados de matar sindicalista encerra na sentença de pronúncia

  • 192
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Ministério Público confirma ação penal contra matadores de sindicalista; 3 são acusados

  • Parabéns pra nossa justiça demorou mas está chegando nos covardes que fizeram isso tirar a vida de uma jovem pra prejudicar e confundir a cabeça dos eleitores por tanto teve muitos políticos que afirmaram que o mandante do crime seria candidatos do PSDB.e agora vamos pegar as filmagens também das calúnia e defamação contra meu partido e minha pessoa como candidata na época.
    Esse fato levou com que nos fomos derrotados na eleição de 2016.
    Deus é pai e nossa justiça está de parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *