Contrabando via boiadeiro 3No “ventre” dos boiadeiros, as mercadorias contrabandeadas do Amazonas são escondidas

Um modus operandi de contrabando de mercadorias de Manaus para municípios do Pará localizados no entorno da fronteira entre os dois estados não para de crescer.

Produtos alimentícios e, principalmente, bebidas alcoólicas e refrigerantes são embarcadas no Amazonas no porão de barcos do tipo boiadeiros, em meio a fezes e urina, com destino a cidades como Juruti, Oriximiná, Óbidos, Terra Santa, entre outras.

Sem impostos recolhidos no Pará, a mercadoria é despachada com nota fiscal em nome de “laranjas”, com CPF dos mais variados possíveis.

Neste final de semana, o blog conseguiu um flagrante robusto em Oriximiná, conforme as fotos deste post.

Contrabando via boiadeiro 1O desembargue do contrabando em Oriximiná neste final de semana

Os boiadeiros são os mesmos que levam gado para Manaus.

Na volta ao Pará, descem o rio Amazonas com o porão abarrotado de contrabando.

O crime tributário é potencializado pela ausência completa de fiscalização por parte da Sefa (Secretaria de Estado Fazenda).

Leia também:
Acidente mata operário na Arena Amazônia.

  • 1
    Share

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

15 Comentários em: Contrabando entra no Pará no porão de boiadeiros

  • Jeso, o pessoal da SEFA, que vem de Belém, e faz fiscalização em Óbidos compactua com essa sacanagem, inclusive os pilotos das lanchas da sefa , avisam aos donos de balsas qdo estás vão cheia de bois pra Manaus, eles passam do outro lado com as luzes apagadas e não pagam os impostos devidos. O pessoal da Sefa de Belém é bem remunerados pelos donos das Balsas.

  • Em santarem se toma livremente coca cola em garrafa de vidro, que não é mais produzida na cidade e não vem de Belém.

    Vem do Amazonas e desembarcam livremente nas Docas. Vendem sem nota fiscal para os comerciantes de santarém e estes compram a de vidro e outras embalagens prejudicando quem trabalha gerando imposto.

    Todas aquelas pequenas lanchonetes da Cuiabá na CDP são laranjas e também abastecem a cidade. E a Receita?

    Vá na padaria em frente ao colégio Batista e nos lanches da presidente vargas ao lado do sagrada familia, vendem abertamente coca cola em vidro.

    Se o municipio quiser basta acompanhar todos os barcos que vem do Amazonas, é descarado e escancarado. São barcos abarrotados de produtos vindos do Amazonas. Perdem na economia local e ninguem faz nada.

    Receita?

  • O abandono da BASE CANDIRU por parte da SEFA e RECEITA FEDERAL acelerou tais fatos.
    Jeso em Santarem entra de montão tais produtos, vindos de Manaus e Macapa; pois a SEFA sumiu neste governo… Os ‘FISCAIS’, não fazem parte do grupo de fiscalização, são piratas…

  • Perguntar não ofende!!!!! Existe vigilância sanitária em Oriximiná??

  • Porque o estado do amazonas cresce?
    Por que o estado do Pará se lasca!

    E os sócios do estados estão cegos $$$$$$$$$$$$$ ?

    Todo mundo conhece essa pratica, só não enxerga os piratas de colarinho…

  • Pobre Pará… POBRE MESMO!!!! Viva o Amazonas!!!!!!

  • Jeso,
    Moro em Castelo dos Sonhos, aqui o contrabando vem pela BR-163 através de caminhões que sobem para Santarém com soja e milho, porém no meio trazem produtos de toda ordem, especialmente bebidas.
    Também tem caminhoneiros que vem descaradamente vender produtos sem nota fiscal ao longo de toda BR, de Castelo dos Sonhos a Santarém, infelizmente quem quer trabalhar de forma honesta não tem como sobreviver.
    Não há Receita Federal, Sefa, ou qualquer órgão de fiscalização, onde os poucos que existem lucram muuuuuuito com esta bagunça.
    Quanto a barreira implantada na fronteira com o Mato Grosso é uma grande piada.
    Infelizmente o Estado do Tapajós não saiu, onde acreditávamos que poderíamos ter uma presença do Estado mais efetiva.

  • Jeso a informação do George também é séria. Por isso Santarém não alavanca, todos os comerciantes de bebidas reclamam uma queda muito alta. Entram caminhões com soja, bebidas e outros produtos.
    A cidade vai quebrar se ninguem agir urgente.

  • A vigilancia sanitaria pegou em santarém muitos produtos vencidos no comercio em Santarem, dizem que vem de manaus, compram na promoçäo e o barco vem parando.

  • Jeso esse assunto vai ficar por isso mesmo?

    A prefeitura, Receita e a Sefa não vão se manifestar

    O Blog não tem nenhum contato?

    Fiscaliza Jeso! A economia agradece.

    • Amanhã, o blog acionará a Sefin e a Sefa sobre os boiadeiros. Assim como publicará novos flagrantes sobre a prática ilegal.

  • Não esqueça dos barcos em Santarem, não são boiadeiros, são de passageiros abarrotados de produtos vindos do Amazonas, até os que ancoram na CDP.

  • Essa prática é muito antiga e não terá solução a médio prazo, foi nela que o empresário Antonio Rocha começou seu patrimônio, quando viajava no seu barco ‘Antonio Junior’ levando farinha para Manaus e voltava recheado de mercadorias. Mas eis uma questão! Pra quê cobrar tanta fiscalização de impostos nessa sofrida região Oeste do Pará. Se esses valores não são devolvidos para nossa região, ficam todos investidos na região metropolitana de Belém!!!?
    Estarei publicando uma reportagem dia 18 de janeiro/2014 sobre a real situação do município de Faro, totalmente esquecido pelo Estado e pela federação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *