Empresária da Perfuga chega a Santarém, e é levada direto para o presídio de Cucurunã
Câmara de Santarém, alvo da Perfuga

Desembarcou nesta quinta-feira (27) em Santarém (PA) e foi levada direto para o presídio de Cucurunã (Sílvio Hall de Moura) a sócia proprietária da Inaz do Pará Serviços de Concursos Públicos Ltda.

Maria de Nasare Martins da Silva foi presa há 10 dias em Belém na 13° fase da operação Perfuga, denominada Pandora, por equipes da Polícia Civil e do Ministério Público.

 

Ela é acusada de repassar R$ 50 mil, em 2015, ao então presidente da Câmara de Vereadores, Reginaldo Campos, para que sua empresa fosse favorecida na contratação para realizar o concurso público da Casa.

O ex-vereador, que cumpre prisão domiciliar, delatou a empresária.

Nasaré Martins também responde processo na comarca de Óbidos, em razão de irregularidades constatadas na licitação para o concurso público da Câmara de Vereadores daquele município — sendo uma denúncia criminal e duas ações civis públicas.


Síndrome de down

P.S.: A matéria foi atualizada às 15h50, para acréscimo de novas informações. Leia abaixo:

O juiz Rômulo Nogueira de Brito, de Santarém, transformou a prisão preventiva da empresária Nasaré Silva em medidas cautelares diversas de prisão, como a de não se ausentar da comarca onde reside. A decisão foi proferida na quarta-feira (25).

O que pesou nessa decisão foi, principalmente, ao fato da acusada ter um filho com síndrome de down.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Empresária da Perfuga chega a Santarém, e é levada direto para o presídio de Cucurunã

  • NAO VEJO CRIME NO ATO DELA,É SIM MO DELE QUE ACEITOU E ERA O GESTOR DOS RECURSOS. O CERTO ERA ELE TER DENUNCIADO NO ATO DELA TER TENTADO LHE COMPRAR. ELA SO FEZ O JOGO SUJO QUE ACONTECE ATE NAS OBRAS DOS TRIBUNAIS …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *