Ficha corrida de sócios da Alecrim foi o que os levou à prisão por crime ambiental
André Filo-Creão, juiz da sentença condenatória de 1º grau

Condenados a 9 meses e 15 dias de prisão, em regime semiaberto, os empresários Aldir Schmitt e Milton Schnorr só não conseguiram a substituição da pena por prestação de serviços à comunidade devido a ficha corrida deles.

Aldir, por exemplo, possui 3 condenações transitadas em julgado, isto é, definitivas, além de outra em tramitação no Juizado Especial Criminal de Meio Ambiente em Santarém.

Milton coleciona, por sua vez, mais condenações que seu sócio na Alecrim Indústria de Madeiras: 4, sendo duas sentenciadas em 2014 e outras duas em 2015. Esse levantamento é de 2016, feito pela própria Justiça.

 

O juiz André Filo-Creão Fonseca também não pode de aplicar a suspensão da pena (sursis) por conta desse passivo condenatório dos 2 empresários.

“Fixo o regime inicial semiaberto para cumprimento da pena, além do que as circunstâncias do art. 59 do CPB [Código Penal Brasileiro], aliadas às reiterações de condutas delitivas [dos réus], indicam a necessidade de imposição de regime mais gravoso”, sentenciou o magistrado.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Ficha corrida dos sócios da Alecrim foi que os levou à prisão por crime ambiental

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *