Instituto Maestro Wilson Fonseca é alvo da 10ª fase da operação Perfuga, instituo MWF
Membros da banda do IMWF

Deflagrada na manhã desta quinta-feira mais uma fase da operação Perfuga, a 10ª.

Denominada “Primeira Arte”, tem como alvo o Instituto Maestro Wilson Fonseca, investigado por indício de desvio de recurso público do município de Santarém.

O Ministério Público do Pará, com atuação em Santarém, e Polícia Civil, cumpriram mandados de busca e apreensão, autorizados judicialmente pela 2ª Vara Criminal de Santarém.

O IMWF é beneficiado com recurso público municipal, decorrente da lei 15.939, de março de 1997.

A lei estabeleceu o limite máximo de 50 bolsas e tem como destinatário somente integrantes da banda sinfônica.

BOLSA CULTURAL

Pelas investigações, pessoas ligadas ao instituto estariam, em tese, apropriando-se ilegalmente de parte da bolsa cultural, além de contemplar, indevidamente, pessoas estranhas aos integrantes da banda sinfônica com esse recurso público.

O nome da operação, “Primeira Arte”, é uma referência à música, como a primeira das manifestações artísticas culturais mais conhecidas, a exemplo do cinema, classificado como a “sétima arte”.

A investigação apura fatos ilícitos praticados, em tese, pelos gestores do Instituto Maestro Wilson Fonseca, dirigido pelo maestro Agostinho Fonseca.

Pela decisão judicial, a gerência do instituto foi afastada pelo prazo de 180 dias, inclusive com proibição de manter contato com os integrantes da banda sinfônica e proibição de acesso às dependências do instituto, até ulterior deliberação.

O juiz determinou, também, ao diretor, a entrega do cartão e senha que movimenta a conta do instituto, e deferiu o prazo de 15 dias para que seja eleita nova diretoria, provisoriamente, se os integrantes assim entenderem.

HISTÓRICO E DIREÇÃO

O Instituto Maestro Wilson Fonseca (IMWF) completou 25 anos de existência neste ano.

É dirigido pelo maestro Agostinho Fonseca, o Tinho, um dos filhos de Wilson Fonseca, maestro santareno de fama internacional falecido em março de 2002 aos 89 anos.

Outro integrante da diretoria do IMWF é José Cândido Corrêa, diretor Cultural.

O IMWF atende cerca de 1 mil alunos, entre crianças, adolescentes e jovens, para quem são ofertados cursos de música, dança e teatro. Pela sua importância cultural, ganhou o prêmio “Mário Andrade”, concedido pelo Ministério da Cultura.

Com informações do Ministério Público do Pará e da redação

Leia também:
Justiça homologa a 5ª delação da Perfuga, a de Pedro Gilson Oliveira

  • 224
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

7 Comentários em: Instituto Maestro Wilson Fonseca é alvo da 10ª fase da operação Perfuga

  • Espero que a investigação possa no final das apurações divulgar as reais condições que passa o instituto, com pouco reconhecimento, sem a devida valorização, incentivo e financiamento a exemplo do qual passa a Cultura em Santarém.
    O Instituto sobrevive de doações voluntárias e está prestes a iniciar um reforma no prédio com recursos que ganhou em concorrência em edital da Rede Celpa.

  • e mais a questao e o dinheiro que e desviado gente que nem ta na banda recebe enquanto existe alunos que se doam e nao recebem pra tal fim pois os “bonitoes”estao recebendo por eles e ainda falam que e uma doacão ao instituto

  • Não era esse Tinho Fonseca que dizia que o Lula era ladrão?

  • Filantropia ou Pilantropia ?

  • Esse episódio já acontece há muitos anos, Tinho, sempre pagava um valor x para os integrantes da banda sinfônica, que nunca chegou a ser um salário mínimo, os monitores ganhavam um pouco mais… Que seja punido, e que com certeza que vá pra cadeia corrupto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *