Juiz da Perfuga aceita denúncia, e Mano Dadai e ex-esposa viram réus, Juiz Rômulo Nogueira de Brito

Rômulo Brito, juiz responsável pela Perfuga em primeira instância

O juiz Rômulo Nogueira de Brito, da 1ª Vara Criminal de Santarém, aceitou a ação penal ajuizada pelo Ministério Público do Pará contra o vereador Mano Dadai (PRTB) por envolvimento na Perfuga.

Com a decisão, lavrada no último dia 11 e publicada hoje, 14, o parlamentar e sua ex-esposa Patrícia Gonçalves passaram à condição de réus.

Dadai estava preso há 27 dias, e hoje foi solto por decisão do Tribunal de Justiça do Pará.

Os dois são acusado de peculato, associação criminosa, entre outros crimes cometidos quando trabalharam como assessores da Câmara de Vereadores de Santarém, na época em que o vereador Reginaldo Campos foi presidente da Casa – 2015 e 2016.

“Recebo a denúncia [contra Mano Dadai e Patrícia Gonçalves] oferecida pelo Representante do Ministério Público, por preencher os requisitos exigidos pelo artigo 41 do Código de Processo Penal, e não incidir qualquer das hipóteses de rejeição previstas no artigo 395 e 516, do mesmo diploma legal”, justificou o magistrado.

Os réus, após serem notificados, terão prazo de 10 dias para fazer defesa por escrito.

Dadai e Patrícia foram incriminados pelo próprio Reginaldo Campos, em delação premiada ao MP e homologada pelo juiz Rômulo Brito, conforme o vídeo abaixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *