Juíza assume comarca de Rurópolis, onde tramita a ação sobre o crime de Leila Ximendes, Romulo-Nunes-entregou-a-portaria-a-juiza-Caroline-Bartolomeu-Silva
Caroline Dias no seu ato de posse na magistratura realizado ano passado, em Belém

Por 15 dias, a comarca de Rurópolis, oeste do Pará comandada pela juíza Caroline Bartolomeu Silva, designada para ocupar o cargo pelo Tribunal de Justiça paraense desde a semana passada (dia 17).

A magistrada vai cobrir as férias de Odinandro Garcia Cunha, juiz substituto do município, até o próximo dia 31.

A comarca virou o centro das atenções das cidades no entorno de Rurópolis desde que o Ministério Público do Pará ajuizou ação penal, no início do mês, contra os supostos responsáveis pelo assassinato da sindicalista Leila Ximendes.

O crime aconteceu em outubro de 2016, e causou grande repercussão na região da Transamazônica (BR-230) e Santarém-Cuiabá (BR-163). Leila foi morta quando dirigia a sua moto a caminho de casa.

A ação penal tramita em segredo de justiça.

Os dois acusados pelo MP de serem os mandantes do crime foram citados, e, conforme o blog apurou, entregaram a defesa prévia escrita à Justiça. O homem que aplicou as facadas na sindicalista do STTR (Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadores Rurais) de Rurópolis ainda não foi citado.

A juíza Caroline Silva deve dar andamento à tramitação do processo. Ela fez concurso público para magistratura paraense em 2014, e estreou na carreira em maio do ano passado.

Não deve ser a magistrada que vai decidir se os acusados vão (ou não) ser julgados pelo tribunal do júri. Essa sentença provavelmente será proferida pelo juiz Odinandro Cunha.

Sobre o assassinato, leia também:
Segredo sobre acusados de matar sindicalista encerra na sentença de pronúncia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *