Sargento e cabo da PM são reintegrados à corporação por erro da Justiça

Com base no artigo 8º da Lei Complementar Estadual, o comandante geral da Polícia Militar do Pará, coronel José Dilson Melo de Souza Júnior, restabeleceu a sanção de perda do cargo público imposta pela Justiça a 2 policiais militares (cabo e sargento) lotados no Comando de Polícia Regional do município de Pacajá, no sudoeste do estado.

O cabo Anderson Helano Borges de Oliveira e o sargento Marivan Costa são acusados de prática de furto qualificado.

 

A portaria de reintegração dos militares aos seus respectivos cargos foi publicada na edição do último dia 23 no DOE (Diário Oficial do Estado).

Anderson Helano e Marivan Costa foram condenados por furto qualificado e, na época, o juiz determinou a imediata exclusão deles das fileiras da PM.

Os efeitos extrapenais, porém, como a perda do cargo e da função pública, só podem valer somente após o trânsito em julgado da sentença condenatória, o que ainda não ocorreu.

Fase de recurso

O advogado Joaquim Freitas Neto, de Altamira, entrou com uma ação para tornar sem efeito a perda de cargo, uma vez que não há procedimento administrativo. O processo agora está em fase de recurso.

O juiz reconsiderou sua decisão e determinou a reintegração deles aos seus respectivos cargos. De posse dessa decisão, os militares se apresentaram no batalhão, mas o pedido de reintegração estava parado.

Joaquim Neto, advogado
Joaquim Freitas Neto, advogado do caso

Novamente, o advogado agiu e provocou o Comando Geral da Polícia Militar do Pará e o comandante, coronel José Dilson Melo de Souza Júnior, deu cumprimento à decisão do juiz para reincorporar os policiais ao efetivo da PM de Pacajá.

 

Na portaria de número 0176/2020, há, porém, uma ressalva: de que se houver exclusão por força de processo administrativo militar deverá prevalecer esta última em razão da independência das esferas administrativas e penal. Com isto, o cabo Anderson Helano e o sargento Marivan Costa devem ser reintegrados aos seus respectivos cargos imediatamente.

— LEIA também: Recurso contra show cancelado de Geraldo Azevedo chega no TJ do Pará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *