STF mantém condenação de desembargadoras do Pará por caso de golpe bilionário, desembargadoras do PA: Merabet e Verea Souza
As desembargadoras Vera Souza e Marneide Merabet, do Pará

Em decisão unânime, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal confirmou a condenação administrativa à pena de aposentadoria compulsória imposta pelo Conselho Nacional de Justiça, em dezembro de 2017, às desembargadoras Marneide Merabet e Vera Araújo de Souza, do Tribunal de Justiça do Pará.

As punições, segundo o site jurídico Jota, tinham ocorrido em virtude de condutas consideradas negligentes das magistradas em face de tentativa de golpe bilionário visando o Banco do Brasil, por parte de uma quadrilha de estelionatários, ocorrida em 2010.

No julgamento conjunto de mandados de segurança impetrados pelas desembargadoras compulsoriamente aposentadas, o ministro-relator Gilmar Mendes votou na linha do parecer da Procuradoria-Geral da República no sentido de que o CNJ tinha atuado no âmbito de suas atribuições constitucionais, por ter “competência correicional originária e autônoma que, na hipótese vertente, iniciou-se em 16.12.2010 – antes, portanto, da instauração do procedimento administrativo disciplinar no TJ/PA, em 22.2.2011”.

O relator considerou também razoável e proporcional a pena aplicada, por encontrar-se amparada na prova dos autos e em elementos sólidos descritos na decisão, e foi acompanhado pelos ministros Edson Fachin, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski.

A quinta integrante da 2ª Turma, Cármen Lúcia, deu-se por impedida, e não votou.

CASO BILIONÁRIO

Em 2010, um advogado ajuizou, em Belém do Pará, ação na qual pedia que o Banco do Brasil bloqueasse suposto saldo (no valor aproximado de R$ 2,3 bilhões), que havia sido depositado nas contas de uma pessoa que era, na verdade, membro de uma quadrilha. Para provar a fortuna, o procurador do grupo apresentou cópias de extratos falsos.

Em razão disso, a desembargadora Vera Araújo – que à época ocupava o cargo de juíza da 5ª vara Cível de Belém – concedeu liminar aos integrantes da quadrilha, e fixou multa diária, no valor de R$ 2 mil, para que o banco não movimentasse o montante bilionário.

O BB chegou a alertar a magistrada e os advogados do banco afirmaram que o mesmo golpe já havia sido tentado antes contra a instituição.

Entretanto, a juíza não se manifestou formalmente sobre o caso. E, meses depois, em 2011, após os advogados da quadrilha desistirem do processo, Vera homologou a desistência.

LAUDOS

Enquanto aguardava a manifestação da juíza, o banco recorreu à segunda instância. A defesa do BB apresentou, no recurso, provas da condenação do grupo, em razão de golpe idêntico, proferida pela Justiça do Distrito Federal.

No entanto, a desembargadora Marneide Merabet, do TJPA, negou o pedido. Ela teria ignorado os laudos da perícia que atestavam a falsidade do documento usado como prova na defesa da quadrilha.

Com informações do Jota

  • 111
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *