TJ do Pará rejeita embargos de médico condenado por estupro e pedofilia, Álvaro Magalhães, médico acusado de pedofilia
Álvaro Magalhães está em presídio na Região Metropolitana de Belém

A 3ª Turma de Direito Penal do TJ (Tribunal de Justiça) do Pará publicou o acórdão (resumo da decisão do colegiado) pela rejeição à unanimidade do recurso (embargos de declaração) apresentados pela defesa de Álvaro Magalhães contra a condenação do médico santareno a 41 anos e 3 meses de prisão pelos crimes de estupro e pedofilia.

O acórdão foi publicado ontem (25).

As intimações eletrônicas para dar ciência da decisão para as partes do processo devem ser enviadas nesta sexta-feira. É possível ainda que a defesa possa apresentar os embargos dos embargos.

Esse tipo de recurso, no entanto, não é previsto no Código de Processo Penal, mas é uma prática judicial utilizada pelas defesas. Ele pode ser aceitos ou não pelo TJ.

Tribunais no país não tem admitido esse tipo de recurso por considerá-lo meramente protelatório.

TESE DA DEFESA

No recurso, os advogados do Álvaro Magalhães questionaram, sem sucesso, que a condenação imposta ao médico pelo TJ teria sido omissa, “uma vez que houve violação ao artigo 59 do Código Penal Brasileiro”.

A 3ª Turma do TJ não acatou os argumentos, rejeitando por unaminidade os embargos de declaração, “pois não estão presentes quaisquer dos vícios elencados pelo artigo 619 do CPP”.

Com a confirmação da sentença, a expectativa é que, após esgotados todos os recursos perante o TJ, a defesa de Álvaro Magalhães apresente recurso especial perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ), para tentar rever a condenação.

Leia também:
TJ eleva para 41 anos a prisão do médico condenado por estupro e pedofilia em Santarém

  • 135
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: TJ do Pará rejeita embargos de médico condenado por estupro e pedofilia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *