OAB rebate nota da associação dos promotores do Ministério Público do PA

Em nota enviada ao Blog do Jeso, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) faz contraponto ao posicionamento da Associação dos Membros do Ministério Público do Pará (AMPEP) em relação ao caso da suspensão de 120 dias de suas funções, decidida pela Justiça, da delegada de polícia civil Fabíola Rebelo.

O documento é assinado pelos presidentes da OAB, subseção Santarém, Ubirajara Bentes Filho, e Alberto Antônio Campos, da seção Pará.

Eis a íntegra:

Leia também sobre esse caso:

Delegada suspensa do cargo por 120 dias critica MP por condução “midiática” do caso

Justiça proíbe delegada de exercer o cargo no Pará por 120 dias; pedido é do MP

Delegada ameaça blog por notícia ‘falsa’, e diz que PAD tramita ‘em segredo de justiça’

Corregedoria da Polícia Civil afasta e abre PAD contra delegada de Monte Alegre

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: OAB rebate nota da associação dos promotores do Ministério Público do PA

  • A OAB defendendo uma dupla de advogados habituados em jogar cortina de fumaça para a plateia sob a ridícula desculpa de defender os clientes, quando em verdade os comprometem ainda mais. Dupla habituada a ofender colegas que atuam em antítese aos interesses de seus constituídos, autoridades e órgãos de investigação em petições e notas desnecessárias, em nome próprio (a título da defesa do cliente, mas com claro fim de publicidade) em clara violação ao próprio estatuto da v. Ordem… É mesmo o fim dos tempos.

  • A Associação dos promotores de justiça defendeu os seus membros e a OAB defendeu seus . O breu de quem acha que em pleno Séc. XXI , e em um Estado Democrático, tem hierarquia entre advogados e autoridade . As pessoas tem que entender que o que deve ter é respeito e urbanidade; se “os santos cruzarem” , pode até gerar amizade sadia bacana ; mas o resto (todo tipo de arbitrariedade, abuso e crime ) ficou enterrado no obsoleto tempo do coronelismo, onde, pasmem, era normal o fazendeiro rico(antigos coronéis) amigo do governador , escolher o delegado, promotor e juiz da sua cidade . Hoje ,não! Todos se esforçam, estudam, investem para obter mais conhecimento,se realizar, conseguir seu lugarzinho ao sol , ser feliz .O debate faz parte;porém, infelizmente,as vezes ocorre de haver excessos, vez ou outra ter barraco. Quem nunca assistiu um tremendo barraco protagonizado por membros no STF , cume do Poder Judiciário brasileiro? Nem cito o Congresso Nacional que as vzs se equipara a um puteiro de quinta (desculpe a expressão mas é isso mesmo) pelo nível do debate dos parlamentares . Pra finalizar: Cada instituição defende seu membro. A Constituição Federal, Lei Maior, diz expressamente que o mesmo é ESSENCIAL para administração da justiça. Um processo judicial ou administrativo no Brasil ,sem a presença de advogado, é nulo! Tem que ter advogado para poder existir o processo legal e/ou administrativo! Os advogados Capual e o Carlos Mota (este é delegado da civil, aposentado) , conheço-os bem , não são criminosos nem bandidos camuflados , são inclusive pais de família honrados , tem esposas, são cidadãos ! Excelentes profissionais e ao meu ver, ambos são gente boa . O Birinha e o Alberto Campos não estão defendendo nenhum bandido, aliás eles estão defendendo a democracia , assim como o presidente da Associação dos promotores de justiça do Pará. Sobral Pinto disse :” A advicacia não é profissão de covardes ” . Brilhante ! Eu acrescento : não é profissão de covardes nem de mentirosos ! Respeito é bom e todo mundo gosta , ou deveria gostar! O debate é normal , faz parte do sistema. Não existe hierarquia entre advogado e autoridade. Deve haver respeito,urbanidade!Cada um no seu quadrado; e, VIVA A DEMOCRACIA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *