Advogados pedirão ainda nesta 6ª soltura imediata do ex-presidente Lula
Militantes do PT comemoram o fim da prisão em 2ª instância

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pedirão à Justiça, nesta 6ª feira (8, a soltura imediata do petista.

O pedido, a ser encaminhado à juíza Carolina Lebbos (12ª Vara Federal de Curitiba) tem como base a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que, nesta 5ª feira, definiu que é inconstitucional a prisão de réus que ainda têm recursos pendentes de análise nas Instâncias superiores.

Em nota divulgada imediatamente após o julgamento do STF, que terminou com placar 6 a 5, os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska T. Martins disseram que irão conversar com o ex-presidente antes de pedirem liberdade a ele.

 

A defesa promete ainda reiterar pedido ao Supremo para que sejam julgados habeas corpus que pedem a declaração da nulidade do processo que levou Lula à prisão –o caso tríplex da Lava Jato– em razão da suspeição do juiz responsável pela sentença, o hoje ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública).

Os advogados comentam que o resultado do julgamento que proibiu sentenças após condenação em 2ª Instância “reforça que o ex-presidente Lula está preso há 579 dias injustamente e de forma incompatível com a lei (CPP, art. 283) e com a Constituição da República”.

Lavagem de dinheiro

“Lula não praticou qualquer ato ilícito e é vítima de ‘lawfare’, que, no caso do ex-presidente, consiste no uso estratégico do Direito para fins de perseguição política”, dizem os advogados.

Condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso tríplex a 8 anos e 10 meses de prisão, Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde abril do ano passado – justamente após ter a sentença confirmada pelo tribunal de 2ª Instância, o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

A íntegra da nota da defesa de Lula

O julgamento das ADCs concluído hoje (07/11/19) pelo STF reforça que o ex-presidente Lula está preso há 579 dias injustamente e de forma incompatível com a lei (CPP, art. 283) e com a Constituição da República (CF/88, art. 5º, LVII), como sempre dissemos.

Após conversa com Lula nesta sexta-feira levaremos ao juízo da execução um pedido para que haja sua imediata soltura com base no resultado desse julgamento do STF, além de reiterarmos o pedido para que a Suprema Corte julgue os habeas corpus que objetivam a declaração da nulidade de todo o processo que o levou à prisão em virtude da suspeição do ex-juiz Sergio Moro e dos procuradores da Lava Jato, dentre inúmeras outras ilegalidades.

Lula não praticou qualquer ato ilícito e é vítima de “lawfare”, que, no caso do ex-presidente, consiste no uso estratégico do Direito para fins de perseguição política.

Cristiano Zanin Martins/Valeska T. Martins

Com informações do site Poder 360

— LEIA também: TCU publica acórdão sobre contas irregulares de ex-prefeito junto à Funasa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *