Por pressão de ruralistas, Bolsonaro exonera presidente e diretores do Incra
General João Corrêa: exoneração a pedido de ruralistas

Por pressão de ruralistas, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) decidiu substituir a presidência e a diretoria do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), informa a Folha de S. Paulo.

A saída do general João Carlos Jesus Corrêa da presidência e dos demais diretores do órgão foi definida numa reunião, na tarde desta segunda-feira (30), no Palácio do Planalto com Bolsonaro, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o secretário especial de Assuntos Fundiários da pasta, Nabhan Garcia.

 

A saída de Jesus Corrêa foi confirmada pela assessoria da secretaria especial do ministério. Ele e Nabhan vinham protagonizando uma longa disputa sobre a entrega de títulos de propriedade de terras para assentados, sobretudo na Amazônia.

O secretário de Assuntos Fundiários argumenta que esse processo de regularização fundiária garantirá ao assentado acesso a crédito e financiamento, mas críticos alegam que essa política configura um estímulo à grilagem de terras.

Entrega de títulos

O general —no comando do Incra desde fevereiro deste ano— era visto por Nabhan como um obstáculo para a política de entrega de títulos para assentados, razão que motivou sua demissão.

Internamente Jesus Corrêa vinha se defendendo das críticas de Nabhan com o argumento de que o Incra sofreu severos cortes orçamentários, o que inviabiliza a política de regularização fundiária defendida pelo secretário especial.

Outro ponto de atrito entre Nabhan e a atual gestão do Incra se refere às desistências de áreas para assentamentos.

 

O secretário especial tem pressionado para que o instituto desista de desapropriar terras para a reforma agrária no país, prática que já foi alvo de uma advertência pelo Ministério Público Federal.

A diretoria do Incra agora demitida era indicada por Jesus Corrêa, sendo que a maioria dos cargos era ocupada por militares. Segundo relatos feitos à Folha, a ideia é entregar as funções para indicados de partidos políticos.

É o segundo general do Exército que deixa o comando de um órgão público no governo Bolsonaro após uma disputa política com Nabhan Garcia.

Ódio aos indígenas

Em junho, o presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), o general Franklimberg Freitas, foi destituído do cargo após se opor a pressões de Nabhan.

Na ocasião o general disse que o líder ruralista “saliva ódio aos indígenas”.

A assessoria de comunicação do Incra informou, às 19h40, que o órgão não havia sido comunicado oficialmente sobre a troca da presidência e dos diretores e que, por isso, não iria se manifestar.

Procurado pela Folha por meio de seu telefone celular nesta segunda-feira, o general Jesus Corrêa não foi localizado para comentar sua saída do Incra.

LEIA também: Com Bolsonaro, invasões a terras indígenas disparam, afirma conselho da CNBB

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Por pressão de ruralistas, Bolsonaro exonera presidente e diretores do Incra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *