5 perguntas. O blogueiro que virou vereador fala sobre a pré-candidatura de JK à Câmara
Dayan Serique, vereador e ex-blogueiro

Antes de ingressar na vida política, Dayan Serique, 45 anos, era blogueiro — editor do Farol do Tapajós. Em 2012, disputou o pleito para vereador em Santarém, oeste do Pará, e foi eleito. Em 2016, emplacou a reeleição.

O vereador, aos poucos, foi asfixiando o blogueiro, até deixá-lo sem oxigênio. “A tribuna da Câmara tem sido o meu blog”, contemporiza, no momento que um outro blogueiro santareno, JK, planeja também ocupar vaga na Casa.

O Blog do Jeso procurou Dayan Serique para que ele pudesse fazer uma análise da decisão de JK de entrar na disputa eleitoral do próximo ano. O vereador, sem pestanejar, topou.

Confira o que o vereador pensa.

— 1. O teu lado blogueiro ajudou na tua eleição para vereador?

— Dayan Serique: Com certeza ajudou, pois quando você é blogueiro, de certa forma, também é porta-voz da população, que é uma das atribuições da vereança, além de fiscalizar o Executivo e legislar.

— 2. Qual a avaliação que fazes da candidatura do blogueiro JK a vereador?

— Dayan Serique: JK tem todo direito de ser candidato a vereador, como todo cidadão em dias com suas obrigações eleitorais. JK conquistou ao longo destes anos uma grande legião de seguidores virtuais, com suas publicações e com suas campanha de ajuda a pessoas carentes. Isso o credencia a ter uma boa chance de conquistar uma vaga na Câmara de vereadores.

— 3. Essa legião de seguidores — mais de 100 mil só no Facebook — é suficiente para elegê-lo? Ou JK terá que fazer algo mais?

— DayanSerique: Ter muitos seguidores nas redes sociais não é suficiente, pois a eleição é real, é um ato pessoal e não de massa. Mas JK no mundo real é uma pessoa bem articulada e conhecida e sabe ter a mesma desenvoltura das redes sociais e isso, sim, o credencia a uma vaga na Câmara de Vereadores em 2020.

— 4. Não dá para conciliar o desempenho de blogueiro com o de vereador? Você abandonou o excelente blog Farol do Tapajós.

— Dayan Serique: Pra mim não deu, pois junto com a vereança acabei acumulando, por concurso público, cargo na Ufopa até 2011, que declinei, e de 2012 até o hoje o de especialista em Educação pelo Estado, e na condição de vereador, que recebe demandas todo dia, fica impossível também ter tempo para ser blogueiro, pois todas essas atividades requerem tempo e dedicação. A tribuna da Câmara tem sido meu blog.

https://4.bp.blogspot.com/-l1lRHRkTrqM/XP_yKbGLo-I/AAAAAAAAbPg/evtIEUb67U8LflqBUjgBxpVngSm-0IHpQCLcBGAs/s1600/JK.jpg
JK, de boné, anunciou a sua pré-candidatura a vereador

— Caetano Veloso diz que “de perto ninguém é normal”. A Câmara, de perto, é diferente? É possível fazer um trabalho difeenciado que JK diz que quer fazer no exercício do cargo de vereador?

— Dayan Serique: Acredito na boa vontade do JK, mas a boa vontade às vezes esbarra em questões legais e articulação política. Dizer que vai doar salário à instituição [de caridade] pode até já ser crime eleitoral, e o homem é digno do seu salário. Se ele chegar a ser vereador, trabalhar e se dedicar pelo povo, deve ser sim remunerado. Quanto a só ter em seu gabinete servidor concursado é outro erro, pois o servidor concursado não é obrigado a trabalhar em nenhum gabinete e sim na estrutura da Câmara, e isso não irá reduzir o custo aos cofres públicos, pois a Câmara Municipal recebe o “duodécimo” estabelecido pela Constituição Federal. E não usar a verba para montar sua equipe esse recurso ficará nas mãos do presidente e não redução de custo.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: 5 perguntas. O blogueiro que virou vereador fala sobre a pré-candidatura de JK à Câmara

  • Como assim, se não usar dinheiro público para montar gabinete ficará o “recurso na mão do presidente”? Senhor vereador , a prática deveria ser republicana, economizar dinheiro público e devolver ao município , que transfere dinheiro público à Câmara , logo, dinheiro esse que é para serviços públicos . Mas, se a ideia concebida é usar em gabinete para que não fique “dinheiro na mão do presidente “, lamentável para nós brasileiros , carentes de serviços públicos básicos . Os senhores vereadores poderiam listar quais foram os serviços relevantes que fizeram para Santarém no ano de 2019? Caro Jeso, qual foi o valor que a Câmara de Santarém usou já utilizou no ano de 2019 ?

    • Antônio, não sei exatamente. Mas é uma soma considerável. No Portal da Transpárência da Prefeitura e da Câmara de Santarém vc encontra os números exatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *