Rede de supermercados CR faz pedido de recuperação judicial; empresa tem 65 anos, supermercado CR
Uma das unidades do CR em Santarém

A rede de supermercados CR, de Santarém, oeste do Pará, uma das maiores do estado, entrou com pedido de recuperação judicial nesta semana em decorrência de sobrecarga de endividamento bancário.

O grupo, dirigido pelo empresário César Ramalheiro, listou no pedido os seus débitos e credores, mas não quis revelar ao Blog do Jeso o montante exato da dívida.

O advogado Diego Montenegro garantiu ao blog que não haverá demissões e nem fechamento de lojas do grupo.

O pedido de recuperação judicial foi protocolado na segunda-feira (21), junto a 4ª Vara Cível e Empresarial de Santarém. Anexo ao pedido, consta o plano de pagamento da dívida bancária proposto pela empresa.

Fundado há 65 anos, o Grupo CR tem 9 lojas e cerca de 700 funcionários.

CRISE

O decisão do CR de pedir recuperação judicial deve-se ao cenário econômico nacional de crise em quase todos os segmentos. “A empresa decidiu por esse caminho para se reestruturar financeiramente e se manter com as portas abertas”, justificou Diego Montenegro.

O QUE É RECUPERAÇÃO JUDICIAL

A recuperação judicial é uma medida  para evitar a falência de uma empresa. É pedida quando a empresa perde a capacidade de pagar suas dívidas. “É um meio para que a empresa em dificuldades reorganize seus negócios, redesenhe o passivo e se recupere de momentânea dificuldade financeira”, explica o advogado especialista no tema, Artur Lopes.

De acordo com a Lei de Falências e Recuperação de Empresas, a medida tem como objetivo viabilizar a empresa para que ela supere a situação de crise econômico-financeira, buscando evitar a falência.

Com isso, ela mantém suas atividades, o emprego dos trabalhadores e o interesses dos credores (que querem ser pagos), “promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica”, diz a lei.

TRÂMITES NA JUSTIÇA

O pedido de recuperação é feito na Justiça. A partir deste pedido, a empresa tem 6 meses para tentar um acordo com credores sobre um plano de recuperação que definirá como sairá da crise financeira.

Assim que entra com o pedido de recuperação judicial, a empresa precisa apresentar um processo para o juiz. O juiz analisa esse processo e se a documentação estiver completa, dá o despacho que autoriza a recuperação.

Após o despacho, a empresa tem 60 dias para apresentar o plano de recuperação à Justiça, caso contrário, o juiz decreta a falência. Apresentando o plano, o juiz vai divulgá-lo, para que os credores se manifestem.

Os credores tem 180 dias (contados a partir do despacho) para aprovar ou não o plano. Se aprovado, a empresa entra em processo de recuperação. Se não for aprovado, o juiz decreta a falência da empresa. A negociação entre as partes é intermediada por um administrador judicial nomeado pela Justiça.

O PLANO DE RECUPERAÇÃO

O CR, segundo o advogado Diego Montenegro, já apresentou à Justiça o plano de como a empresa pagará os seus credores. Nele está toda a parte contábil, de estoque e fluxo de caixa da empresa.

Consta ainda uma a projeção de como a empresa fará para organizar as contas. Apresenta também aos credores bancários como é que as dívidas serão pagas, em qual prazo e como fará isso.

FIM DA RECUPERAÇÃO JUDICIAL

A recuperação é encerrada quando a empresa cumprir tudo o que estava previsto no plano de recuperação.

Se a empresa cumprir tudo o que está previsto, depois de tudo pago, o juiz finaliza o processo de recuperação.

A falência da empresa é decretada, por outro lado, se o plano não for cumprido. Nesta caso, o devedor é afastado suas atividades com o objetivo de preservar e otimizar a utilização produtiva dos bens, ativos e recursos produtivos (inclusive os intangíveis) da empresa.

Segundo a lei, “a decretação da falência determina o vencimento antecipado das dívidas do devedor e dos sócios”, e as partes responsáveis “serão representadas na falência por seus administradores ou liquidantes, os quais terão os mesmos direitos e, sob as mesmas penas, ficarão sujeitos às obrigações que cabem ao falido”.

Leia também:
Gastos com Saúde em Óbidos atinge a pior marca em 5 anos; Santarém, a melhor

  • 451
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

6 Comentários em: Rede de supermercados CR faz pedido de recuperação judicial; empresa tem 65 anos

  • Mesmo ausente por razões de trabalho, presto minha total solidariedade a essa empresa genuinamente local com raízes numa família tradicional de comerciantes empreendedores e geradores de empregos.
    Nesse momento de dificuldades passageiras conclamo a solidariedade da sociedade local fazendo jus a referência ao “orgulho de ser santarena”.

  • CR sempre foi para os Santarenos, sinônimo de trabalho, empregos e excelente qualidade de seus produtos.. Espero sinceramente que consigam superar essa crise.

  • dar um salto maior que as pernas : subestimar a contabilidade : emprestar dinheiro à banco….. sinônimo de bancarrota … :

    • Devia estar com um grande supermercado em vez de vários,aí não dá conta de administrar e acaba sobrecarregando seus encargos.

  • Parabéns! Excelente artigo. Lembrando que comprar um bom veículo é o sonho de muitos brasileiros, o problema é quando o sonho se transforma em pesadelo, triste realidade que muitos enfrentam quando procuram o banco para financiar o veículo, e no decorrer do cumprimento do contrato, perdem o emprego, ou ocorre algum fato que compromete a renda familiar, o resultado de forma inevitável, é a inadimplência e em alguns casos busca e apreensão o veículo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *