Hospital fará blitz na orla neste domingo, Dia Mundial de Combate ao AVC, avc

O ciclo de palestras sobre AVC foi realizado na Uepa

O Dia Mundial de Combate ao AVC, 29 de outubro, foi criado para despertar a atenção da população para as formas de prevenção e tratamento da doença. Em alusão à data, o Hospital Regional do Baixo Amazonas Dr. Waldemar Penna (HRBA), com sede em Santarém, no oeste do Pará, realizou o “Ciclo de Palestras para Conscientização do Acidente Vascular Cerebral: uma visão multidisciplinar”.

O evento, promovido em parceria com acadêmicos de Medicina da Liga de Neurologia e Neurocirurgia do Tapajós, ocorreu na quinta (26) e sexta-feira (27), no auditório do campus da Universidade do Estado do Pará (Uepa). Neste domingo (29), será realizada a blitz informativa na orla de Santarém, a partir das 18 h.

Foram realizadas 9 palestras e uma mesa-redonda, abordando diagnóstico, prevenção, tratamento e reabilitação.

“A conscientização da importância do tema já é o primeiro passo para começarmos a mudar as estatísticas e a abordagem do AVC, que sabemos que é muito precária de uma maneira geral. No Norte, a realidade ainda é muito distante das possibilidades de tratamento que existem”, informou a coordenadora do evento, neurologista Diane da Costa Miranda.

Os temas foram direcionados a profissionais e estudantes da área da saúde.

“O tratamento do AVC é multidisciplinar. Queremos tirar a imagem de que AVC é neurologista que cuida. Não é. Temos outras especialidades médicas e outros profissionais, como fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais. É preciso entender que atuar de maneira correta nesses casos é fundamental”, afirmou a médica.

OS TIPOS DE AVC

O Acidente Vascular Cerebral é uma das maiores causas de morte e incapacidade adquirida em todo o mundo.

Estatísticas do Ministério da Saúde indicam que o AVC é a causa mais frequente de morte na população adulta brasileira (10% dos óbitos), e consiste no diagnóstico de 10% das internações hospitalares públicas no Brasil.

“É fundamental a atuação dos profissionais na prevenção das doenças, agindo de forma integrada. E, durante o tratamento, cada vez mais os hospitais que buscam a excelência no atendimento, quando são avaliados e cobrados quanto à participação da equipe multiprofissional na recuperação do paciente, para que ele receba tudo aquilo que precisa, não só fisicamente”, ressaltou o diretor de Ensino e Pesquisa do HRBA, Luiz Fernando Gouvêa.

O AVC, que pode ser de dois tipos (hemorrágico ou isquêmico), é responsável não somente por altas taxas de mortalidade, mas também por sequelas, que podem ser graves.

Hospital fará blitz na orla neste domingo, Dia Mundial de Combate ao AVC

Participantes no auditório da Uepa, palco do ciclo de palestras sobre AVC

“Não existe apenas um fator que causa o AVC; existem vários fatores. Enquanto fisioterapeuta, eu posso afirmar como é ruim para o paciente sofrer um AVC, como é difícil a reabilitação. Precisamos realmente ter a percepção do acompanhamento multiprofissional desse paciente e, de preferência, evitar. Sempre é melhor trabalhar ações preventivas”, assegurou a coordenadora do campus da Uepa em Santarém, Silvânia Takanashi.

Com informações da Agência Pará

Leia também:
Casas em Juruti Velho: ex-nº 1 do Incra diz não ter dinheiro para pagar defesa

  • 2
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *