Carlos André Costa é da PRF e trabalha em Brasília

Carlos André Costa, 33 anos, da Polícia Rodoviária Federal, já se encontra preso em Brasília, para onde viajou na tarde de segunda-feira (24), em voo da TAM, horas depois de matar com 2 tiros o vigilante David Martins, em Santarém.

A prisão do policial foi decretada ontem à tarde pelo juiz Salviano Costa, a pedido da promotora Ione Missae Nakamura, do MP (Ministério Público) do Pará.

O secretário de Segurança Pública do Pará, Luiz Fernandes Rocha, já foi informado da prisão. O deputado estadual Nélio Aguiar (PMN), que acompanha o caso, também.

Carlos Costa se encontra sob custódia da Polícia Rodoviária Federal.

Ainda não se decidiu quando ele será recambiado a Santarém.

A prisão do rodoviário, conforme o blog apurou, ocorreu ontem à noite, horas depois de ser decretada a prisão provisória dele.

  • 2
    Shares

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

29 Comentários em: Caso Mirante: policial já está preso em Brasília

  • Que sirva de lição aqueles que por terem porte de arma de fogo frequentam festas, restaurantes e outros, fora de serviço, algumas vezes consumindo bebidas alcoólicas e se portando não como representantes do povo em manter a lei, mas os donos da lei.

  • Jeso, é verdade que chegou hoje em Santarém por volta das 13h, uma equipe de policiais da divisão de homicídios da capital do parazinho, para investigar o caso?

  • Total absurdo!! Aff, que merda de justiça humana!! Só Deus mesmo é justo e fiel…

  • Quem irá fazer esse recambiamento, SUSIPE, PC OU PM? Se for a PM, não esquecer a farda para o PRF!

  • Será que esses políticos vão receber os votos que tanto querem ao fazerem todo esse cenário? Depois de todo esse expetáculo vem os pedidos de indenizações para os diversos setores. Inclusive para quem expõe as imagens nao autorizadas dos envolvidos.

  • Até que em fim a policia de Brasilia, fez o que a policia de Santarém, se negou a fazer. Parabéns Dra. Missae, por atender o apelo do povo de Santarém, que pedia apenas que a justiça fizesse o correto. Prender o Criminoso, investigar o crime, concluir o inquerito e encaminhar à justiça.

    Manoel Nascimento

    Salvador – Ba

  • DEVERIAM TAMBÉM PEDIR A PRISÃO DOS RESPONSÁVEIS LOCAIS,”AUTORIDADES”,NO CASO DA PREFEITURA DE SANTARÉM E DA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS POR PERMITIR QUE O SEGURANÇA EM SERVIÇO SEM IDENTIFICAÇÃO E ARMADO.

  • Esses políticos interesseiros deveriam agir sempre assim e não somente nas vésperas de eleições!!!!

  • Jeso, você acha mesmo que haverá esse “recambiamento”?

    Do meu ponto de vista de observadora, consigo formar a imagem de um bando de selvagens em círculo, batendo o pé, cantando e gritando enquanto aguardam a “presa” ser cozida no caldeirão posto no centro da tribo, num macabro ritual canibal.

    A fama de linchadores de que gozam certos paraenses e a cena de confusão que se instalou aí certamente contribuirão para que PRF ou o Judicário impeçam esse “recambiamento”, como garantia de vida do policial.

    • Francisca, preliminarmente, na sede do Município de Santarém não existe registro de linchamento. Inexite também essa suposta fama. Se consultares registros históricos linchamentos existes em todos os lugares. O autor do fato também não está sendo recambiado, pois nunca fora preso antes; está sendo preso agora temporariamente pelo prazo de trinta dias, tal como determina a lei dos crimes hediondos e por ordem do proprio judiciário.
      Já a PRF não possui poder algum para impedir que ele cumpra a prisão no Estado do Pará, falta amparo legal para isso. Ordem judicial se cumpre ou dela se recorre, porém a PRF não é parte para recorrer da decisão, que é válida e foi regularmente comunicada e já está sendo cumprida.
      Quanto o suposto ritual macabro: ele inexiste. Deve existir somente na cabeça tortuosa e preconceituosa de quem é ignorante quanto a tradição pacífica dos Santarenos, desconhece os preceitos do devido processo legal, ou/e carrega em consigo todos os preconceitos etnocentrístas clássicos vigentes nesse país.
      Se o judiciário entendesse não haver motivos para sua segurança não teria determinado que ele fosse preso e trazido para o distrito da culpa tal como, aliás, determina a lei.
      Jonivaldo Sanches
      Sociólogo e Analista Judiciário

      • Jonivaldo, como todo respeito aos teus conhecimentos, mas vc deve ter esquecido alguns recentes epsódios de linchamentos ocorridos em áreas adjacentes à Santarém,, a justiça deve ser cumprida e não necessariamente ele tem que ficar preso nesta cidade.. o fato dele estar em outro local poderá evitar um mal maior… não seja bairrista.

        • Os episódios não ocorreram na sedo do município. O único ocorrido em Santarém, ocorreu no Lago Grande e há suspeitas de que os PMs tenham colaborado. Inclusive o caso está sendo investigado. Além do que no caso do Lago Grande havia um efetivo de PMs de apenas seis. Muito diferende de Santarém em havia na delegacia o Tático, PMs, Policiais Civis e possibilidade de reforço imediato.

        • Meu caro, não se trata de ser bairrista; se trata de ser fiel a história da cidade que conheço. Em Santarém houve nos últimos anos somente um caso de linchamento, e, como disse acima, não foi na sede do município. Foi na Região do Lago Grande e aconteceu não por falta de segurança, segundo o que está sendo investigado e imagens mostraram, pois teria havido conivência de parte do pelotão da Vila do Curuai, formada somente por seis homens ad PM.
          No caso do PRF foi diferente. Na delegacia, havia presença de homens da PM, seu policiamente ostensivo, da Polícia Civil, homens do Grupamento Tático da PM, treinado para esse tipo de situação, e ainda homens da Polícia Rodoviáia Federal, todo fortemente armados.
          Ainda, assim com a liberação do delegado, ele, o autor do fato, saiu sem problemas da delegacia, pela porta dos fundos, que no caso fica do lado, lado da Av. Borges Leal. Escoltado por vários carros.
          Quanto a ter de ficar preso em Santarém. Deve mesmo, pois a regra é que o autor do fato, se preso, deve cumprir prisão no distrito da culpa. Essa regra não se deve a bairrismos do legislador, ela serve para facilitar as investigações. Não vejo motivo para sre diferente. Se tiveres apresente seus argumentos.
          Em Santarém há gente preparada para garantir e intridade física desse policial, autor do fato. Tanto que conseguirma escoltá-lo mesmo para fora da cidade.
          Linchamentos existiram em toda a parte do Brasil, mas são exeção e não regra. Não escou me imiscuindo sobre sobre em que circunstâncias ele cometeu o crime e não é pelo fato de ser santarena a vítima que as coisas devem ser conduzidas da forma como defendo, e sim, porque entendo que essa a interpretação que está de acordo com finalidade das normas processuais.

          • Meu caro, você parece ser ao menos estudante de direito, e tem argumentos interessantes. Entretanto, neste caso, não há qualquer justificativa legal para se decretar a prisão cautelar do investigado. Contudo, aí na sua província, juiz e promotor “encontraram” motivos para manter o policial preso, e sabe-se lá o que os levou a isso … Felizmente o poder judiciário tem mais instâncias do que as Paraenses e um HC virá em breve. Que o CNJ e o CNMP avaliem o promotor que pediu e o juiz que decretou essa prisão …

      • Caro Jonivaldo, sociólogo e analista judiciário

        Dá uma lidazinha no comentário acima…

        A fama de que no Pará há linchamentos corre o País. E pelo que eu saiba, Santarem ainda fica no Pará. Se eu fosse esse policial, temeria pela minha segurança. Isto é fato.

        Para evitar que mentes tortuosas pensem assim, aconselho pararem de divulgar falsas notícias
        de pessoas sendo mortas em praça pública por populares insanos, inclusive com fotos, como ocorreu no Lago Grande.

        Sugiro ainda que não divulgem notícias falsas de indígenas invadindo e destruindo delegacias para matar detidos. Coisas assim…

        Quanto ao “ritual” achei que tu conseguisse identificar uma metáfora…

        Quanto ao etnocentrismo… poupe-me desse discurso acadêmico caduco…

        Acerca da estada do policial aí… resta-me torcer que em vez de um morto não sejam dois.

        Francisca Nunes de Barros.
        Só uma leitora bem comunzinha…

    • Como é que muda-se o foco, o ASSASSINO agora é vítima dos canibais.

      KKKK – Você é uma pandega Sra. Francisca Barros.

      • Gritos de “ASSASSINO” são típicos da barbárie…

        Alem do que, não haverá “assassino” antes de sentença transitada em julgado. Menos ainda antes do processo, sob pena de… barbárie…

        • Francisca vc era melhor ministrando aulas (apesar de muita gente não gostar) pq como advogada vc não ganharia uma causa.

        • Não minha cara, gritos de “assassino”. Não foram gritos da sociedade. Foram gritos dos parentes da vítima. Gritos de gente indignada. É assim em toda parte do mundo.

      • Então junte-se você e os demais ao PT, e faça um abaixo assinado endereçado ao Papa Bento XVI, pedindo não, exigindo a canonização do vigilante…. É só o que tá faltando porque pra Lucineide ele já virou Mártir, toda vez que ela aparece usando a memória do coitado eu tenho vontade de chorar de tão emocionado com as palavras dela, quem sabe ao menos se ela sabe o sobre-nome do rapaz.

  • Tem que ficar preso é no cucurunã…será q sairia vivo de lá?

  • Que pena que, no dia 08/10/2012, Lucineide, Von e Cia, não estarão nem aí para a família do morto…

  • Até que fim!!! A Justica tarda mais nao falha!!! Parabens para a promotora que agiu com coerencia!! colocando a policia pra fazer direito o seu trabalho!!!

  • Quem porta arma de fogo e não está em serviço como PC , PM … ou está devidamente identificado e autorizado para isso está procurando confusão , eu é que não vou passear por ai armado , se estou de fe´rias estou de férias , quem anda armado acaba se metendo em confusão e a coisa acaba mal.

    • Do meu ponto de vista, ele estava usando indevidamente a arma, que pelo Brasão é arma da corporação para uso exclusivo em serviço.

      • Uso indevido? veja o que diz em parte do depoimento do escrivão.
        Ele tem porte de arma de fogo. Ele foi treinado para portar arma de fogo e usá-la em sua defesa ou de terceiros. Ele tem o dever de agir contra o crime ou quem esteja cometendo (ao contrário do povo, que pode agir).
        O PRF, como todo policial, deve portar arma de fogo, porque ele tem o DEVER de agir a qualquer hora ou em qualquer lugar contra alguém que esteja praticando um crime.

  • Isso é o q dá vestir uma farda e pensar que é herói. Ele tem que ficar preso é em Santarém, onde cometeu o crime bárbaro. Policial ou não, ele tem que ir pro presídio do Cucurunã, se até ladrão de galinha apodrece lá dentro lavando privada por que um assassino barbeiro com pinta de super herói não pode ir também?

  • Vcs merecem que os bandidos tomem conta de sua cidade tamanha a ignorância demonstrada! O policial agiu no estrito cumprimento do dever legal ao abordar um desconhecido (vigilante) armado ilegalmente e abordando e revistando sem autoridade pessoas na praça. E se fossem vcs abordados e revistados sob a mira de uma arma por um vigia? Não gostariam que um policial intervisse? Ou qualquer um pode abordar os outros na rua com uma arma e fazer o que quiser só porque está armado ilegalmente? Reflitam sobre as besteiras que falam e observem que o policial agiu de forma correta. Não se omitiu e tentou proteger outros cidadãos que estavam sendo constrangidos por um vigia. Bando de ingratos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *