Circula pela primeira vez o jornal “O Mariano”

por Sidney Augusto Canto e redação do blog

Dia 28 de julho

Em Santarém
1935 – Sai o primeiro número do jornal O Mariano
Circula o primeiro numero do jornal “O Mariano”, órgão informativo da Congregação Mariana dos Moços de Santarém, fundado por frei Ambrósio Philipsenburg e que teve como redatores Wilson Dias da Fonseca e Osman Bentes de Sousa. No vídeo abaixo, uma matéria da TV Blog do Jeso sobre o jornal.

No Brasil
1993 – Itamar Franco cria uma nova moeda: o cruzeiro real
O presidente da República, Itamar Franco, determina o corte de três zeros da moeda, que passa a chamar-se cruzeiro real, e restabelece o gatilho salarial.

Leia também:
Governador Alacid Nunes cria “embrião” do 3º BPM.
Há 24 anos, morria o cantor Cazuza.

Frase do dia

Elio Gaspari, jornalista

“Torraram R$ 13,9 milhões em Cláudio, mas há um aeroporto equipado a 36 km dali, em Divinópolis”

Élio Gaspari, jornalista, a propósito das explicações do presidencial tucano Aécio Neves sobre o aeroporto no município de Cláudio (MG) que o candidato do PSDB, então governador de Minas Gerais, mandou construir em terreno de sua família.

Frase do dia

Clovis Rossi  Entrevista  118

“Na guerra de Gaza, estão morrendo bem mais palestinos que israelenses, mas, não obstante, Israel parece estar perdendo o combate paralelo, que é pela opinião pública global”

Clóvis Rossi, jornalista, sobre o mais novo e sangrento conflito entre os históricos inimigos. Hoje (22), em sua coluna na Folha de S. Paulo.

Frase do dia

guzzo

“É bobagem tentar esconder ou inventar desculpas: muito melhor dizer logo de cara que a imprensa de alcance nacional pecou de novo, e pecou feio, ao prever durante meses seguidos que a Copa de 2014 ia ser um desastre sem limites”

José Roberto Guzzo, jornalista e executivo da Veja, sobre o apocalipse previsto por parte da imprensa brasileira, entre as quais a revista na qual ele trabalha, para a Copa 2014 no país.

O Brasil acabou?

por Joaquim Onésimo F. Barbosa (*)

Joaquim BarbosaA comparar pelas notícias que se tecem sobre o País, sim. O Brasil acabou. Resta-lhe um velório regado editoriais melancólicos e previsões estapafúrdias, com fundo sonoro a la “Vai com Deus”, nas vozes dos que citarei a seguir. É assim que, certamente, desejam os “brasileiros” que se dizem envergonhados com o Brasil.

Na trilha dos que mataram o Brasil, caminha Diogo Mainardi, o brasileiro que prefere dizer que mora em Veneza e, em um desses programas capitaneados pela Globo, o Manhattan Connection, disse que o Brasil não interessa a país algum, ninguém fala do Brasil lá fora.

Leia também dele:
Direitos não só apenas para os da sala.

Talvez por querer falar mais de Veneza do que do Brasil, Mainardi deixou de existir para o Brasil. (Quem ainda lê Mainardi? Alguém sentiu falta de suas colunas nas páginas da Veja?).

Reinaldo Azevedo, articulista da Veja e de alguns outros jornais (que apoiaram a ditadura – e a quem Reinaldo faz apologia, a quem endeusa – duvido de que, se escrevesse na época do fogo e do ferro, ele faria a festa com suas ofensas a la jagunço), respira ódio e cospe ofensa em quem se atreve a se opor ao que escreve e ao que pensa sobre o Brasil – diga-se de passagem o governo brasileiro.

E pior, ele mora no Brasil, mas vive como se fosse o inimigo número 1 do Brasil.

Brasil

Arnaldo Jabor é outro para quem o Brasil morreu. E faz questão de mostrar o pior das vísceras rasgadas, invisíveis a muitos, mas latentes aos olhos do ex-cineasta. Jabor cospe fogo contra o Brasil.

Para ele, o Brasil voltou à idade das trevas e somente um deus com asas regadas a algo que inebria pode trazer as luzes ao País. Pode. Para Jabor o Brasil tem raiva de si mesmo.

(mais…)

Ditadura. Major Curió usava carteira da Globo

Identidade-falsa-que-a-Rede-Globo-forneceu-ao-torturador-Sebastião-Curió-do-livro-Mata-de-Leonencio-Nossa-347x258

O major Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, um dos protagonistas da repressão da ditadura militar, usou identificação falsa, fornecida pela Rede Globo de Televisão, na sua sanha sanguinária contra opositores do regime militar.

Major Curió se passava como o repórter Marco Antônio Luchinni, da unidade de reportagem volante do Departamento de Telejornalismo da emissora.

A identificação tinha validade até 31/12/1980, no auge da repressão da ditadura militar instalada no Brasil em 1964.

A Rede Globo de Televisão, que é uma concessão estatal, nos tempos da ditadura – assim como outros veículos de comunicação -, apoiaram e até colaboraram abertamente com os governos militares e suas ações repressoras, que tiraram a vida de muitas pessoas, entre elas o jornalista Wladimir Herzog, o deputado cassado Rubens Paiva, entre outros.

A emissora dos Marinho de mãos dada com a ditadura!

Leia mais em Major Curió usava crachá da Rede Globo, no site da Gazeta de Santarém.

Leia também:
Novo corregedor regional da Polícia Civil.

Frase do dia

Mário Sérgio Conti

“Pensei que era realmente o Scolari, achei todas as respostas dele sensatas”

Mario Sergio Conti, jornalista, ao tentar explicar a entrevista que fez com um sósia de Luiz Felipe Scolari, e publicada na Folha de S. Paulo e O Globo como se fosse o próprio treinador da seleção brasileira de futebol.

Jornalistas vão à rua contra reajuste salarial de 5,5%

caminhada dos jornalista 2014

Profissionais de comunicação em Santarém (rádio e TV) realizaram hoje uma caminhada rara pelas ruas centrais da cidade.

De cara limpa, foram externar repúdio ao percentual de reajuste que as empresas do setor acabam de conceder à categoria: míseros 5,5%.

Em média, o salário pago aos que atuam nessa área é de R$ 788.

Os indignados se concentraram na Praça do Mirante, na avenida Adriano Pimentel, de onde partiram para a caminhada em várias ruas do centro comercial.

Não estão descartadas represálias trabalhistas contra os que participaram do protesto.

A cobertura midiática do protesto, por questões óbvias, não foi levado ao ar pelas emissoras de televisão.

caminhada dos jornalista 2014

Atualizado às 18h57

Leia também:
Entra em vigor o piso salarial de agente de saúde.

Crítico do prefeito sofre novo atentado em Juruti

Janicelio Souza - JurutiJanicélio Souza (foto) sofreu hoje (18) um novo atentado em Juruti, onde reside.

Ele é uma das 21 pessoas ameaçadas de morte no país, conforme relatório anual da ONG internacional Artigo 19 denominado “Violações à Liberdade de Expressão”, relativo ao ano passado.

O ataque a Janicélio ocorreu na madrugada de hoje, por volta das 3h30.

Ele escapou ileso.

Nas últimas semanas, Janicélio tem feito críticas e denúncias contra vereadores e o prefeito de Juruti, Marquinho Dolzane (PSD).

“Paulista”, como também é conhecido, usa a rede social Facebook para amplificar a sua opinião.

Detalhes sobre o atentado ainda hoje neste blog.

Xingamento à Dilma vira “limonada”

dilma_blatter-aberturacopadomundo-rib-2

Dilma Rousseff, de verde, jogo de abertura da Copa de 2014

Coluna de Mônica Bergamo, hoje (18) na Folha de S. Paulo:

O PT enviou à coordenação da campanha de Dilma levantamento que mostra que os xingamentos acabaram tendo efeito positivo para ela na internet.

Até o Mundial, havia uma média de 30 mil citações diárias à presidente, dois terços negativas, puxadas pela campanha #NãoVaiTerCopa.

Com a reação geral às vaias e o sucesso das partidas, o jogo virou: 60% de menções positivas em um universo de 300 mil posts no Twitter, Facebook e Instagram.

Leia também:
De gente burra, só quero vaias.

Página 1 de 5512345...Última »
css.php