Punido pelo TCE, tucano terá que devolver 100 mil

Ademar Baú

Ademar Baú, ex-prefeito tucano do município de Trairão.

Por irregularidades na prestação de contas de um convênio firmado em 2000 entre a Prefeitura de Trairão e a pasta estadual de Saúde (Sespa), o ex-prefeito trairense foi condenado pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) a devolver aos cofres públicos quase R$ 100 mil.

Neste total, estão incluídas duas multas – R$ 5 mil e R$ 400.

O montante sem as multas chega é de exatos R$ 86.127,53.

Ademar Baú é filiado ao PSDB.

Na eleição do ano passado, foi derrotado nas urnas pelo atual prefeito de Trairão, Danilo Miranda (PMDB).

Leia também:
Falecido, ex-prefeito é convocado pelo TCM.

Prefeito de Uruará eleito presidente da Amut

Novo prefeito de Uruará, o pedetista Banha (Everton Moreira) foi eleito, por aclamação na manhã de hoje (26), presidente da Amut (Associação dos Municípios das Rodovias Transamazônica, Santarém-Cuiabá e Oeste do Pará).

Ele herda o cargo do ex-prefeito Aparecido (Rurópolis).

O vice-presidente da entidade agora é Danilo Miranda (Trairão).

Leia também:
Fora de foco.

3 médicos vão custar R$ 1,5 milhão ao Trairão

A contratação de apenas 3 médicos pela Prefeitura de Trairão vai custar aos cofres públicos do município, no decorrer de 2013, quase R$ 1,5 milhão.

Os contratados pelo prefeito Danilo Miranda (PMDB) são:

- Valdir Simon (cirurgião geral): R$ 377.056,32/ano

- Alberto Junio (clínico geral): R$ 412.611,96/ano

- Myrian Patino Cuba (médica auditora): R$ 341.500,80

Em média, cada um receberá cerca de R$ 30 mil por mês.

Leia também:
Prefeitura coloca ações da Celpa à venda.
Prefeito altera capital social para licitação.

Trairão em dívida

A delegacia da Receita Federal do Brasil (RFB) em Santarém errou e, ato contínuo, corrigiu o erro.

Em outra palavras: a Prefeitura de Trairão conseguiu certidão positiva para efeito de débitos previdenciários junto à RBF, mas se descobriu depois que ela ainda possui dívida pendente.

Diante disso, Trairão teve a sua certidão positiva cancelada.

Leia também:
Menos torpedos para a ex-prefeita.

TSE mantém inelegibilidade de vereador do PSD

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) manteve a decisão do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Pará que cassou o registro do candidato à reeleição do vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Trairão Gilmar Baú (PSD), conhecido como Brizola, por inelegibilidade.

O acórdão, assinado pelo ministro Arnaldo Versiani foi publicado na terça-feira (30).

Baú foi impedido de se candidatar à reeleição porque teve contas reprovadas pelo TCM (Tribunal de Contas dos Municípios) de sua gestão como nº 1 do Legislativo trairense. Ele pagou subsídio aos seus pares acima do valor ficado em lei.

Leia também:
PSOL deve punir prefeito eleito de Macapá.

Trairão volta a falar pelo celular

Restabelecido, hoje de manhã (14), o sinal da telefonia celular (leia-se Vivo) no município de Trairão.

Leia também:
Vivo dá explicações sobre telefonia no Trairão.
Isolamento do Trairão.

Vivo dá explicações sobre telefonia no Trairão

Da Telefônica/Vivo, sobre o post Isolamento do Trairão:

A Vivo informa que, desde às 17h30 de terça-feira, dia 11, clientes da empresa em Trairão (área 93), no Pará, podem estar encontrando dificuldades na utilização dos serviços de voz e dados devido a uma falha no meio de transmissão alugado de terceiros.

Equipes técnicas já atuam para normalização da situação no menor prazo possível. A Vivo manterá seus usuários devidamente informados sobre o pleno restabelecimento dos serviços a partir dos reparos realizados pela empresa terceira.

Isolamento do Trairão

Desde segunda-feira (17), o município de Trairão, às margens da BR-163 (Santarém-Cuiabá), está isolado.

Ninguém que ali reside consegue falar ao celular.

A Vivo, a única que opera naquela área, não consegue solucionar o problema.

A chiadeira contra e empresa é ampla, geral e irrestrita.

Leia também:
Nota Fiscal Cidadã só vale em 6 cidades.

Emater entrega 1º lote de CAR no Trairão

Da Agência Pará

O escritório da Emater na cidade de Trairão entregou no dia 28 de junho o primeiro lote de Cadastro Ambiental Rural (CAR) do município, contemplando 80 agricultores familiares de 13 comunidades localizadas em vicinais da BR-163.

O processo de emissão do documento (que é elaborado a partir de pesquisa socioeconômica, georreferenciamento e visitas técnicas) em Trairão foi possível a partir de um convênio assinado ano passado entre a Emater e a prefeitura.

A meta é que, ainda em 2012, sejam concluídos pelo menos 320 outros lotes.

O próximo deve ser entregue até o início de setembro.

“Aí teremos cumprido a meta de 80% dos Cadastros Ambientais Rurais que ainda faltam em Trairão”, sinaliza o chefe do escritório local da Emater, o técnico em agropecuária Sérgio D’Oliveira Jr.

Atendidas pela Emater desde 2006, cada propriedade agora beneficiada tem em média 100 hectares. As principais atividades desenvolvidas nessas áreas são a pecuária leiteira e de corte e o plantio de banana, mandioca e cacau.

Leia mais em Emater entrega primeiro lote de CAR em Trairão.

Leia também:
Secretário flagrado com carne de tartaruga.

MPF quer proteção a morador de assentamento

Júnior José Guerra: jurado de morte

Júnior Guerra: jurado de morte e sem proteção

O MPF (Ministério Público Federal), através de procuradores que atuam em Santarém e Altamira, voltou a enviar ofícios com carimbo de urgente à Polícia Federal, para o Programa Estadual de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos do Pará (PEPDDH) e para a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

No documento, o MPF requisita força policial para proteger a vida de Júnior José Guerra, morador do Projeto de Assentamento Areia, em Trairão, e ameaçado de morte por denunciar madeireiros que atuam ilegalmente na região.

O PEPDDH já recusou proteção à Júnior Guerra no ano passado.

“Solicitamos uma reavaliação urgente do caso com base em novas provas”, diz o novo pedido do MPF, datado de 03 de fevereiro. As novas provas apresentadas foram atas de assembléias da associação dos assentados, que mostram a participação de Júnior como liderança.

Guerra não foi incluído no programa depois do primeiro pedido do MPF – em outubro de 2011 – porque ele não foi considerado como liderança do Assentamento Areia.

Para o MPF, essa conclusão é equivocada e ele deve receber a proteção do Pepddh. Enquanto isso não se resolve, no entanto, os procuradores da República que atuam no caso pediram que a Polícia Federal destaque agentes para fazer a segurança de Júnior Guerra.

Leia mais em MPF pede novamente proteção para Júnior Guerra, ameaçado por madeireiros em Trairão.

Leia também Eu recomendo, para entender o caso.

css.php