Foto: Manuel Dutra

Motos em trânsito na avenida Barão do Rio Branco, em Santarém

* Faltam pouco mais de 600 motos para supera o número de carros

Santarém ultrapassou a marca dos 60 mil veículos em circulação pelas ruas  do município. Quase metade desse total (29.731) são motocicletas.

Os dados são do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), referente ao mês de janeiro deste ano.

No Pará, Santarém tem a 4ª maior frota. Está atrás de Belém (322.643 veículos), Ananindeua (81.115) e Marabá (65.928). Em todo o estado, a frota é de 1,12 milhões – a maior entre os estados da região Norte.

O município do oeste do Pará em 2º lugar no ranking de veículos é Altamira (29.092), seguido de Itaituba (19.230) e Monte Alegre (7.312).

Leia também:
Trânsito, um problema nacional de saúde pública: Belém, Santarém, Breu Branco…, de Manuel Dutra.
Lei recria as Ciretrans no Pará.

  • 1
    Share

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

11 Comentários em: Santarém: veículos batem marca de 60 mil

  • Ta explicado porque tanto acidente em Santarém.

    Com essa grande quantidade de moto rodando na cidade o resultado e esse muito acidente e muita morte no trânsito.

  • Quando visitei minha cidade ,percebi o quanto Santarém mudou. O volume de motos paradas e circulando é comparável às cidades italianas. Fui informado que ocorre cerca de 5 acidentes de motos por dia e que o hospital da cidade fica constantemente sobrecarregado com inúmeros feridos hospitalizados. Os ônibus são escassos em relação ao tamanho da cidade e isto levou a mais motos no trânsito inclusive moto-taxi, que se vê nas favelas de morros no Rio de Janeiro. Os taxis da cidade são uma desordem e cobram pela cara do passageiro. Ou seja, a cidade vai vivendo à própria sorte com um povo forte e destemido.

  • Esse é o resultado das cidades que não são providas o suficiente de transporte público, e de boa qualidade. Os empresários de empresas de venda de moto, visualizaram essa oportunidade de ganhar dinheiro, perceberam a oportunidade.

    Telma

  • Moro em Santarém há quase dois anos e meio e fico impressionado com o aumento exponencial do fluxo de motos neste pouco tempo. O pior de tudo é que os motoqueiros (não merecem o termo “motociclistas”) não conhecem as leis de trânsito mais elementares. A toda hora vê-se uma moto a 10 km/h na pista da esquerda da Rui Barbosa ou um moto-táxi imprudente cortando um carro pela direita. Fora a praga das “cinquentinhas”, que não exigem habilitação, nem emplacamento. E o poder público, o que faz? Nada, pois não quer perder os votos dos moto-táxis clandestinos ou do povão que utiliza os serviços destes na falta de um transporte público decente. Sim, pois Santarém recebe sucatas que não podem mais trafegar no sudeste. Já vi vários ônibus com placa de São Gonçalo ou Belford Roxo rodando pela cidade. Lá no Rio a frota não pode ter mais de sete anos de fabricação…

  • Jeso, colocar as motocicletas como responsáveis pelo caos no trânsito, como alguns insistem em comentar, é falácia de quem não conhece a realidade.
    As motocicletas são ferramentas que facilitam sobremaneira a vida dos cidadãos, principalmente das classes emergentes que, com muito sacrifício, sempre sonharam em conquistar sua liberdade.
    Em rápido estudo com base no CENSO 2010, veja que Santarém está muito aquém da quantidade de motos Per capita de todos os municípios que você citou, ÚLTIMO LUGAR, veja:

    Posição Município População Quant. Motos Moto/Per capita
    1 Belém 1392031 322643 0,23
    2 Ananindeua 471744 81115 0,17
    3 Santarém 294774 29731 0,10
    4 Marabá 233462 65928 0,28
    11 Altamira 105030 29092 0,28
    14 Itaituba 97343 19230 0,20

    Penso que o problema reside, especialmente, na estrutura viária que é uma das piores do Pará, associado a má educação de alguns condutores.
    Itaituba, possui o dobro de motocicletas de Santarém, se levarmos em conta a proporção de suas populações.

  • O problemas não as motos, mas sim os motoqueiros que são irresponsáveis e imprudentes, outro dia eu estava voltando de Alter do Chão e o cara vinha na moto sem capacete,com uma mulher no carona e uma garrafa de cachaça na mão!! Ai depois não sabe porque morre…. Em plena Cuiabá presenciei dois motoqueiros empinando a moto na via cheia de carros passando… Para mim o problema aqui e no resto do Brasil não é a quantidade de veículos mas sim as pessoas que os usam, por causa de alguns irresponsáveis pessoas inocentes morrem….

  • Antonio Carlos,

    Esses numeros não mudam o caos sentido e visto. Como pode a população recorrer a moto taxi para se deslocar, não no nivel que está! Só você não sente este Caos também pelas Motos.

    Telma

  • Jeso..ontem no face vi uma porção de postagens sôbre uma pobre moça .grávida.provavelmente c problemas mentais ,que perambula pela cidade tomando água de esgoto.comendo lixo.seminua.uma cena degradante.postei que o problema seria do conselho tutelar.já que êles se metem em tudo.incusive em situações acompanhados pelos pais.tentei acessar o site dêles mas não consegui.apelo p vc q tente colocar o problema a quem de direito(dever) para que uma situação degradante dessas pare de fazer parte da rotina da nossa bela(?) cidade. Um abraço.

  • Sou de maraba..nesse ano de 2013.a cidade passou de 100 mil veiculos automotores.a cidade tem 300 mil habitante..minha cidade ta comecando a criar forma de cidade grande..em 2011.foi eleita a cidade com maior frota de carro novo do brasil…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *