5 perguntas. O diretor reeleito do maior instituto da Ufopa  responde, Edilan Quaresma
Edilan Quaresma, doutor em Estatística. Há quase 26 anos de atuação acadêmica

Doutor em Estatística, Edilan Quaresma, 48 anos,  foi reeleito diretor do Iced (Instituto de Ciências da Educação), a maior unidade acadêmica da Ufopa (Universidade Federal do Oeste do Pará), em disputa eleitoral acirrada.

Bateu o candidato do reitor Hugo Diniz, professor José Aquino, com mais de 60% dos votos válidos.

Será ele e sua vice, Ana Maria Vieira, que estarão no comando do instituto nos próximos 4 anos — período que se anuncia tenebroso para as universidade brasileiras, por conta do mandato do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

“A [nossa] grande preocupação reside exatamente no contexto nacional de incertezas políticas, e de ataques à educação, provenientes de cortes orçamentários e de ameaças à autonomia universitária defendida pela Constituição Federal”, avalia Edilan, que respira ares acadêmicos há quase 26 anos.


1. Essa vitória à reeleição para Iced foi mais difícil que a anterior?

— Nas eleições anteriores, realizadas em 2014, logo após o meu retorno do doutorado, tivemos uma única chapa, composta por mim e pela professora doutora Raimunda Costa, e vencemos o pleito com 93% dos votos. Na “consulta” feita agora em 2018, tivemos duas chapas concorrendo, sendo que a chapa concorrente foi constituída por um grupo qualificado e que representa a força política que ocupa a gestão atual da universidade, mas vencemos, eu e professora doutora Ana Maria Vieira, o pleito com 61,3% dos votos válidos.

Não há dúvidas de que a vitória à reeleição para o Iced foi mais difícil que a anterior, mas vencer nas três categorias (discentes, docentes e técnicos) é reflexo da gestão que vem sendo desenvolvida no Instituto de Ciências da Educação, e caracteriza a aprovação da forma de gestão atual.


2. A sua vitória também traduziria um certo desgaste da nova gestão do reitor Hugo Diniz, já que o candidato apoiado por ele foi derrotado?

— A gestão superior atual esta no início do seu mandato, e vem apresentando um esforço significativo e que merece reconhecimento em prol da gestão da nossa instituição. A escolha feita pela comunidade do Iced, na “consulta” para diretor e vice-diretor, demonstra a maturidade da instituição em possibilitar diferentes formas de pensamentos sobre os caminhos da instituição. Nessa perspectiva, não há derrotas, há possibilidades de crescimento da universidade.

3. O sindicato dos professores da Ufopa fez críticas à “consulta” nos institutos, devendo o resultado ainda ser referendado pelo Consun (Conselho Universitário). O senhor comunga desse pensamento?

— O Estatuto da Ufopa prescreve que as eleições para diretor e vice-diretor de unidades acadêmicas deve ser realizado nas referidas unidades. Entretanto, as nossas unidades acadêmicas ainda não tiveram seus regimentos aprovados pelo conselho, o que ocasionou a responsabilização do Consun pelo pleito. Para este processo de “consulta”, há um comprometimento público feito pelo presidente do Consun de respeito à decisão feita pela comunidade de nomear os diretores eleitos.

4. Onde é possível avançar na sua nova gestão à frente do Iced considerando o quadro atual de vacas magras de recursos para as universidades federais?

— O Iced tem um gigantesco papel social na formação de profissionais da educação críticos, competentes, comprometidos e compromissados com a educação básica, e educação de qualidade. Há grandes desafios a serem superados na nova gestão do instituto, que contemplam desde questões de organização interna até a ampliação de possibilidades educacionais, como por exemplo, a oferta de novos cursos de graduação e pós-graduação, e o atendimento de regiões ainda não assistidas pela Ufopa.

A grande preocupação reside exatamente no contexto nacional de incertezas políticas, e de ataques à educação, provenientes de cortes orçamentários e de ameaças à autonomia universitária defendida pela Constituição Federal. Enquanto instituto que forma profissionais da educação, para além das “vacas magras”, precisamos nos manter fortes e resistentes à qualquer ação que ameace ou que represente um retrocesso nas políticas educacionais.

5. A Escola Sem Partido, proposta do governo Bolsonaro, tem força dentro do Iced?

— Absolutamente não. O Iced defende a livre forma de ensinar e aprender, e isso perpassa pelo pensamento crítico, por uma educação integral que valorize o ser humano com toda sua diversidade de pensar. Nesse sentido, a atuação do educador é fundamental como mediador entre o aluno as diferentes possibilidades de ler e compreender o mundo que os rodeia.

Leia também:
Santarém sediará workshop técnico “O Futuro da Minha Cidade”; dia 12

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: 5 perguntas. O diretor reeleito do maior instituto da Ufopa, o Iced, responde

  • Professor Edilan é o máximo, esperamos que façam uma excelente gestão, e que a Escola Sem Partidos do Jair Bolsonaro seja engavetada, pois ninguém merece esse retrocesso educacional.

  • Parabéns,por ter sido reeleito.por que a melhor proposta e a sua.dezejo a vc.melhor felicidade do mundo parabéns.

  • Parabéns e um bom trabalho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *