A puta

Quero conhecer a puta.
A puta da cidade. A única.
A fornecedora.
Na Rua de Baixo
onde é proibido passar.

Onde o ar é vidro ardendo
e labaredas torram a língua
de quem disser: Eu quero
a puta
quero a puta quero a puta.

Ela arreganha dentes largos
de longe. Na mata do cabelo
se abre toda, chupante
boca de mina amanteigada
quente. A puta quente.

É preciso crescer
esta noite a noite inteira sem parar
de crescer e querer
a puta que não sabe
o gosto do desejo do menino
o gosto menino
que nem o menino
sabe, e quer saber, querendo a puta.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

De Carlos Drummond de Andrade, poeta brasileiro nascido em Itabira (MG).

Leia também:
Parada cardíaca, de Paulo Leminsk.
Receita de Ano Novo, de Carlos Drummond de Andrade.
Esperança, de Mário Quintana.
Ancorado, de Antônio José e Carlos Randall.
Soneto, de Junqueira Freire.
Lágrima de Preta, de António Gedeão.
Aos olhos dele, de Florbela Espanca.
A ausente, de Vinícius de Moraes.
Recados, de Fabrício Carpinejar.

  • 1
    Share

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Poesia. Quero a puta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *