Farinhada

A lenha alimenta o fogo
Que aquece a chapa de aço
Deixando o forno bem quente
No ponto da farinhada.

Tem quem cuide da peneira
Um outro para embolar
A goma em grãos se transforma
Na farinha popular.

Vem o torrador com o balde
E inicia a torração
Mexe ele bem ligeiro
É a parte da escaldação.

Passado já algum tempo
É hora de controlar
O fogo e a temperatura
Pra farinha não queimar.

E quase seca a farinha
Começa então pipocar
São os vários grãos pulando
Chega a hora de tirar.

E sai enfim a farinha
Bem branquinha a tapioca
Então tudo recomeça
Até o dia acabar.

————————————————–

De José de Alencar Godinho Guimarães, poeta paraense residente na comunidade de Boa Esperança (Santarém).

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Poetas amazônicos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *