Fios do tempo

Eles já nem sempre estão conectados
À matriz de teus longevos pensamentos
E são diferentes dos belos fios emoldurados
Tal qual a realidade dos novos sentimentos

Porque os fios do tempo de outrora
Não deixarão de renascer do passado
Já que o que importa é tua outra hora
E não o fio de cabelo ensimesmado

Porque a beleza do breve instante
É a nobreza do sorriso que cativa
E se emoldura no belo semblante

Porque a certeza não é coisa passiva
Mas desabrocha do olhar radiante
Insistindo em estar sempre viva

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

J.Ninos_De Jota Ninos, poeta amazônico naturalizado tapajônico.

Leia também:
Eu caçado, de Floriano Cunha.
Láudano, de Jota Ninos.
Tempos, de Floriano Cunha.
Redoma, de Jota Ninos.
Tua calma, de Raimunda Monteiro.
Piracema, Kaveira.
Hora da Prece, de Emir Bemerguy.
Os astros íntimos, de Thiago de Melo.
Tédio, João de Jesus Paes Loureiro.
Soneto Ardiloso, de Jota Ninos

  • 1
    Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *