Poética

Esse gosto de barro nos meus versos
Esse travo mascavo
Essa língua original lambendo a cria no poema
Esse gosto de limo
Entre os dentes da sílaba grudados
Esse pretérito futuro em cada estrofe
O cipoal entranhando em consoantes
A farta piracema das metáforas
Tantos signos que vem maré montante
Tudo isso recolho nas tarrafas
De som e de sentido.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – –

João de Jesus Paes LoureiroDe João de Jesus Paes Loureiro, poeta paraense nascido em Abaetetuba.

Leia também:
Soneto, de Raul de Leoni.
Amostra sem valor, de Antonio Gedeão.
Há uma Gota de Sangue no Cartão Postal, de Cacaso.
Canção para uma valsa lenta, de Mário Quintana.
Virgens Mortas, de Olavo Bilac.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *