por Jota Ninos (*)

Hoje estou triste: Eriberto Santos, uma figura exemplar do radiojornalismo e da cultura de Santarém se foi em corpo, mas fica em espírito. Porque as amizades são eternas.

Tenho um carinho especial por essa figura humana, com a qual convivi por muitos anos, cruzando com ele em eventos culturais e, principalmente, nos bastidores do rádio, mundo ao qual ele foi o responsável pela minha iniciação.

Foram-se os vários Santos que Eriberto representou em vida e que eu conheci, incorporados na mesma alma.

O ERIBERTO DOS FESTIVAIS DA CANÇÃO. No último que ele organizou (1980), no Cine Olympia, quando fiz minha primeira tentativa de participação, aos 17 anos, e apesar de não ter nem passado na triagem ele me parabenizou nos bastidores dizendo que a letra era bonita e que eu não desistisse de participar.

Naquele momento nem imaginávamos que num futuro seríamos colegas de profissão. No final de 1987, depois de duas outras tentativas bem mais sucedidas em festivais, cheguei a compor uma música em que fazia uma homenagem à cidade de Santarém (Estrela Matutina), por estar de malas prontas para viajar a Grécia. Nela eu citava o Eriberto numa das estrofes, que agora não lembro. Acabei nem inscrevendo a música e ainda hoje continua inédita. Não segui o conselho do mestre…;

O ERIBERTO DO RADIOJORNALISMO, com o qual aprendi os primeiros passos desta bela profissão, ele na condição de meu chefe na Rádio Rural de Santarém. Minha estreia atrapalhada como repórter na emissora (narrada em meu blog: https://goo.gl/AZGRD), se tornou uma consagração pessoal porque ele acreditou em mim e abalizou minha contratação, há quase 29 anos;

O ERIBERTO DAS SERESTAS, com sua frase inimitável: “De coração para coração”. Era o programa imperdível de todos os sábados na Rádio Rural, onde Eriberto, um eterno apaixonado, abria o espaço para os seresteiros da cidade.

O ERIBERTO DA LITERATURA. Ao publicar seu primeiro livro (“Beiradão”), me deu um e pediu que eu fizesse uma crítica sincera, pois não queria bajulação. Fiz a crítica só a ele, demonstrando coisas que achei que poderiam ter sido escritas de outra forma. O grande mestre não disse nada. Pensei que o tinha magoado.

Pra minha surpresa, quando lançou seu segundo livro em 2010 (“Neogaia”), me entregou uma edição autografada e pediu novamente que eu lesse e fizesse uma crítica, dizendo que eu estava certo no que disse a ele sobre o primeiro livro e que “tentei melhorar no segundo, se não estiver bom, pode me dizer, pois acredito na tua avaliação”. Fiquei emocionado, mas por conta de minha ocupações até hoje não terminei de ler a edição, para apresentar humildemente minha crítica a um cara de tanta pureza no coração.

Na última vez que nos encontramos, nos bastidores de uma sessão da ALAS, fiquei feliz de vê-lo recuperado dos problemas de saúde que vinham tirando um pouco de seu brilho. Mas mesmo com todas as limitações, mantinha o mesmo sorriso com o qual aprendemos a admirar este ser humano ímpar.

Aos familiares do meu amigo Eriberto Santos, meus sentimentos. Ao Helvécio, com o qual tenho me encontrado quase que só virtualmente, um abraço sincero, de um pupilo deste grande profissional.

Ao Eriberto Santos, de coração para coração…

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

* É jornalista.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: De coração para coração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • paulo Paixão disse:

    Um poema para Santarém de Eriberto Santos

    Santarém é cantada em dois momentos:
    Quando era jovem – ou mais antiga – e
    A Santarém moderna da linda orla e dos
    Controversos avanços do progresso.
    Fico com a Santarém mais jovem por que
    A namorei ainda na sua puberdade, quando
    Conservara o viço e pureza da sua idade.
    Então o Tapajós azul era mais azul; suas
    Praias eram mais alvas e nelas subiam
    As pitius… e fazia-se piracaia…
    Seus igarapés eram gelados, límpidos,
    E saudáveis… Saudoso? Eis ai o igarapé
    Do Irurá que minha geração quando o vê, agora,
    Põe-se, copiosamente, a chorar…
    Mas, a Santarém dos dias atuais tem seus
    Encantos que o escritor e radialista Eriberto Santos
    Tanto, tanto enalteceu e viveu até quando sua voz
    Emudeceu… Mas ficou gravado na memória
    E no coração de Santarém o seu clamor ou o seu louvor,
    Através dos seus escritos e de sua fala radiofônica
    Ao seu reconhecido e imensurável amor tapajônico!
    Paulo Paixão

    1. Samuel Pantoja Lima disse:

      Poeta,

      Simplesmente maravilhosa homenagem ao mestre Eriberto Santos, mano. Um beijo no teu coração,

      Samuca

  • R Vinholte disse:

    Eriberto Santos era simples, inteligente, sensível e justo… Em 1995 ele recebeu o grau de Bacharel em Direito, integrante da primeira turma do ISES, hoje FIT – FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS, ocasião em que foi fartamente homenageado por ter obtido a maior média de notas durante a totalidade do curso. Exemplar! Estudioso! Lutador! Agora descansando junto ao amado PAI.