Quadrilha dos diplomas falsos criou grupo no WhatsAPP para combinar versão

A associação criminosa (antes quadrilha) que fez derrame de diplomas falsos na Semed (Secretaria Municipal de Educação) em Santarém (PA) criou um grupo no WhatsAPP, aplicativo de mensagens instantâneas, para combinar versão do crime.

É o que consta na denúncia de 14 páginas do MPPA (Ministério Público do Pará) contra os 17 envolvidos no esquema e ajuizada em fevereiro deste ano na 2ª Vara Criminal. O Blog do Jeso teve acesso à cópia do documento.

 

O grupo As Amigas foi criado em outubro de 2017, logo após as primeiras informações sobre o esquema criminoso serem divulgadas na imprensa. A finalidade foi de alinhar a versão dos envolvidos nos depoimentos à polícia e MPPA.

Quem teria criado o grupo, de acordo com a denúncia, foi Salma Campos Teixeira, irmã de Sandra Eli, uma das vendedoras dos diplomas falsos e emprego na Semed. A outra vendedora era Andrea Vasconcelos. As duas se reportavam à líder da quadrilha, Flora Costa, que dirigia a Coordenadoria de Educação Infantil da Semed.

Uma versão alinhada nas conversas no WhatsAPP foi para que as compradoras dos diplomas não revelassem a participação de Sandra Eli e Andrea Vasconcelos no esquema.

Foi por causa dessas conversas, cujo conteúdo foi entregue ao MPPA e polícia por uma das compradoras de diploma falso, que Sandra, Salma e Andrea tiveram prisão decretada pela Justiça.

Elas foram presas na operação Apate, deflagrada em novembro de 2017.

LEIA também sobre o caso:

Veja o papel de cada acusado no organograma do esquema de diplomas falsos na Semed

Combo diploma falso e emprego na Semed era vendido por 3 mulheres

Derrame de diplomas falsos na Semed foi revelado pela sucessora de Flora Costa

Diplomas falsos na Semed: MP denuncia esposa do nº 2 do DEM e mais 16; veja os nomes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *