Jornalista elogia postagem do blog sobre gays e crítica 'ditadura heteronormativa'

Do jornalista Júlio César Antunes, sobre a matéria 10 paraenses gays com muito orgulho. Dia Internacional do Orgulho Gay:

Júlio Cesar

Conheço vários santarenos e santarenas que não podem dizer o que sentem. Homens que casam-se com mulher, mas tem relação com homens, a fim de buscar fôlego no mar de sofrimentos que mergulharam.

Garotos e garotas que vivem escondidos da família, amigos, escola e igreja. Forçados a aceitar a identidade que não o correspondem a sua essência.

Vivem aprisionados, escravos, reprimidos de seus sentimentos. Vivem em uma ditadura heteronormativa, imposta a partir de suas famílias. Se contarem, podem ser agredidos, expulsos de casa, mortos.

Por isso, muitos filhos/filhas correm risco de depressão, desvios de conduta, porque não tem a possibilidade de compartilhar, pedir ajuda a seus pais.

 

É preciso saber como lidar com sua homoafetividade, ou biafetividade, ou lesbiafetividade, ou trasafetividade…

Há uma linha bastante distante entre promiscuidade e afetividade. Ser LGBTQI+ não é “opção”, “safadeza”, “vergonha”, “desrespeito” como muitos pensam. É condição natural da vida, é respeito, é diversidade, é missão. É uma questão bio-físico-psicológica.

Pais, mães, perguntem a seus filhos, num diálogo possível, sobre a questão. Vocês são a base para ajudá-los. Salvará vidas.

Pais, mães, vocês podem ajudar seus filhos LGBTQI+ a serem pessoas brilhantes, com carreiras profissionais fantásticas, intelectuais e ter a oportunidade de viver uma vida feliz com a pessoa que ama e respeita, independente das condições de gênero e afetividade.

Não culpemos as famílias. E, aqui, é importante dizer que não sejamos contra a ideia de família. Muito pelo contrário, o papel da família é fundamental, como já exposto. Seja ela qual for o tipo: homem e mulher, mulher e mulher, homem e homem, mãe e filho, pai e filha, avó e neto, e tantas, e tantas mais.

Vamos atentar à ignorância humana. Por isso, vale ressaltar que quando não temos explicações plausíveis, concretas, procuremos informações, observar com respeito, entender, ter empatia, buscar, ajudar, estudar os casos cada vez mais. A vida possui diversos mistérios. Só assim teremos um mundo melhor: Liberdade, Equidade e Fraternidade.

 

É uma questão biológica, físico e mental. Muitos foram gerados a partir de relações heteroafetivas, mas ainda não há como explicar. Somos assim. Nascemos assim. Deus nos fez assim.

Parabéns pela postagem, Jeso. Posts como esses devem ser cada vez mais produzidos, divulgados e refletidos.

Observo no perfil das dez pessoas citadas nesse post grandes profissionais LGBTQI+, grandes seres humanos. Sugiro que faça os 10 LGBTQI+ com elevada expressão social em Santarém.

Forte abraço!

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Jornalista elogia postagem do blog sobre gays e critica ‘ditadura heteronormativa’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Lene disse:

    Tudo que ele escreve nessa reportagem e a realidades de muitos LGBTQI perante suas famílias. Eu sou mãe de gay com muito orgulho e faço esse trabalho de ir até às famílias pra ajudar os jovens que sofrem preconceitos dentro e fora de casa. E um trabalho de formiguinha, pois e árduo ir até a família pra ajudar um filho ou filhas querendo o respeito delas.
    Eu sou coordenadora do mães pela diversidade do Pará. Nosso trabalho e ajudar não só os nossos filhos mais também os filhos que nos procuram pedindo amor e respeito, pois foram humilhados dentro de sua própria casa.

    1. Júlio César Antunes disse:

      Oi, Lene! Você faz parte de um movimento? Qual seu número celular? Me dê um toque no WhatsApp? 93 98113 8260. Obrigado. Ass: Júlio César Antunes.