-1
Governo federal estuda prorrogar auxílio, mas em 3 parcelas: R$ 500, R$ 400 e R$ 300

O governo federal estuda prorrogar o auxílio emergencial, pago a trabalhadores informais afetados pela pandemia do coronavírus, mas em valores decrescentes. A informação é do site Metrópoles.

Inicialmente, o benefício foi pensado para durar três meses, de abril a junho. Antes de encaminhar a proposta ao Congresso, a equipe econômica do governo queria que o valor fosse de R$ 200 a cada mês. Após pressão dos parlamentares, foi definido o valor de R$ 600.

 

Segundo interlocutores, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que vinha resistindo à ideia de prorrogar a ajuda com valores mais altos, e falava em apenas duas parcelas adicionais, agora estaria “sensível” à ideia de prorrogar o auxílio por mais três parcelas, da seguinte forma:

R$ 500 em julho; R$ 400 em agosto; e R$ 300 em setembro.

Em declarações recentes, Bolsonaro já disse que a União não tem condições de prorrogar o auxílio no valor de R$ 600.

No início do mês, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu que o governo mantenha o pagamento do auxílio emergencial no valor de R$ 600 por mais dois meses. Nessa hipótese, Bolsonaro já disse que pretende vetar a proposta, se assim for aprovada pelo Congresso.

LEIA também: Óbidos não cumpre lei sobre produtos da agricultura familiar na merenda escolar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *