No blog Espaço Aberto, de Paulo Bemerguy:

Greve nacional da categoria bancária entra nesta segunda-feira 24 no 7º dia e com 9.092 agências paradas no 4º dia, que foi a sexta-feira passada.

No Banpará, nesta segunda-feira a greve entra no 21º dia e a diretoria do banco enviou ofício ao Sindicato dos Bancários do Pará no final do dia da sexta-feira 21 para informar que apresentará proposta às entidades sindicais nesta segunda-feira, às 8h30.

Clique aqui para ler o ofício.

Ainda na sexta-feira 21, houve ato conjunto das categorias em greve, bancários e correios, ato promovido pela CUT-PA em conjunto com os trabalhadores. Foi feita uma bonita e vigorosa caminhada no corredor da avenida Presidente Vargas, com falas diante dos bancos e dos Correios. A caminhada foi encerrada diante da matriz do Basa.

A greve continua firme e forte nos bancos e também nos correios.

Até agora, o único banco a sair da greve foi o BRB – Banco Regional de Brasília, que aceitou a seguinte proposta do banco, em assembleia geral na sexta-feira 21.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

5 Comentários em: Bancários e Banpará negociam fim da greve

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Guilherme disse:

    No 8º dia de paralisação, mais de 300 agências em greve no Pará.
    Ter, 25 de Setembro de 2012 18:53 Geral

    8º dia de greve teve mais de 300 agências paralisadas no ParáA greve nacional da categoria bancária chegou ao seu 8º dia de paralisação nesta terça-feira (25), com 9.386 agências de bancos públicos e privados fortalecendo o movimento em todo país, mais de 300 dessas unidades são aqui do Pará, onde a greve no Banco do Estado completou hoje 22 dias, com a categoria convencida de que será através da luta que a Campanha Nacional 2012 trará vitórias aos trabalhadores.

    A força da greve da categoria bancária foi sentida pelos banqueiros, tanto que a FENABAN chamou o Comando Nacional dos trabalhadores para uma rodada de negociação na tarde de hoje em São Paulo. O diretor do Sindicato dos Bancários do Pará, Alberto Cunha está na capital paulista e acompanhou a negociação com a Federação dos bancos. Após a mesa da FENABAN, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal farão suas mesas específicas.

    Mobilização local

    Rosalina Amorim e Cristiano Moreno pelo Sindicato e Martinho Souza, presidente da CUT Pará, durante a mobilização de hoje no Banco da AmazôniaEm Belém, o dia foi novamente de manifestação em frente ao Banco da Amazônia, que até agora não sinalizou uma retomada da mesa específica de negociação. Durante a manifestação de hoje, tanto o Sindicato quanto a CUT Pará cobraram do banco mais responsabilidade e seriedade na condução das negociações em torno da minuta específica.

    A Contraf-CUT enviou nesta terça-feira ofício ao Banco da Amazônia cobrando formalmente a retomada da mesa específica e com apresentação de propostas para os empregados.

    Na Caixa, o dia hoje foi de mobilizações do Sindicato nas agências de Ananindeua na BR 316 e Cidade Nova, assim como na Superintendência Regional do Banco, em Belém. O secretário geral do Sindicato e empregado da Caixa, Alan Rodrigues informou que as adesões ao movimento de greve aumentaram nessas unidades.

    No Banco do Brasil os diretores do Sindicato Fábio Gian, Gilmar Santos e José Marcos, estiveram na agência da avenida Rui Barbosa, no centro de Belém, reunidos com os bancários para aumentar adesão ao movimento grevista.

    Hoje a tarde o Sindicato voltou a negociar com o Banpará, mas o banco reafirmou que aguardará o resultado da mesa da Fenaban para apresentar uma contraproposta à minuta do funcionalismo. Dessa forma, a greve por tempo indeterminado continua no Banpará e nos demais bancos nessa quarta-feira (26).

    Giro pelo interior

    Itaú Abaetetuba na greveNesta terça-feira o Sindicato esteve presente na cidade de Abaetetuba, fortalecendo a greve da categoria na região do Baixo Tocantins. O diretor Saulo Araújo esteve na cidade e ajudou na paralisação de todas as agências bancárias do local.

    Quem também segue com muita força na greve são os bancários e bancárias de Santarém, Marabá, Altamira, Bragança, Cametá, Parauapebas e Paragominas. A mobilização da categoria nessas localidades tem ajudado a irradiar o convencimento pela greve nas diversas regiões do Estado.

    Fonte: Bancários PA

  • Guilherme disse:

    Após reunião, servidores do Banpará continuam em greve
    Reunião que previa acordo não teve avanços
    25/09/2012 – 7:17: – Pará

    Após um dia inteiro de negociações, não houve acordo entre o Sindicato dos Bancários do Pará e Amapá e a presidência do Banco do Estado do Pará (Banpará). O diálogo será retomado hoje, na sede do banco, que é gerido em sociedade de capital misto. A contraproposta da instituição bancária foi baseada nas proposições da Federação Brasileira de Bancos (Fenabran). Mais informações sobre as discussões não foram reveladas, já que ainda não foi fechado um acordo. Ontem, a paralisação completou uma semana em bancos paraenses e de todo o País.

    A reunião de ontem foi das 9h às 17h30, com pausa para o almoço, segundo a diretora-presidente do sindicato dos bancários, Rosalina Amorim. Estiveram presentes, além do sindicato e de diretores do banco, a Associação de Servidores do Banpará, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) e a Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Centro Norte (Fetec-CN).

    Dentre as reivindicações dos trabalhadores, as principais são reajuste salarial de 10,25%, piso salarial de R$ 2.416,38, Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de três salários mínimos mais R$ 4.961,25, plano de cargos e salários para todos os bancários, investimento em segurança das agências e fim de metas abusivas e assédio moral.

    A pauta dos grevistas foi contraposta a partir da orientação da Fenabran, afirmou Rosalina Amorim. O Banpará propôs, por exemplo, reajuste de 6% sobre o vencimento-base, o que representa aumento real de 0,4%, considerando a inflação do período. Já no quesito piso salarial, a proposta do Banpará é de R$ 1.484,00, R$ 84,00 acima do atual piso. Hoje, além de retomar a mesa de negociações, às 9h, os grevistas manterão o piquete em frente a agências.

    Aposentados – Os terminais de autoatendimento das agências bancárias foram a opção para os aposentados receberem o pagamento liberado ontem pelo governo do Estado. Mas quem precisou resolver problemas diretamente na gerência dos bancos voltou para casa sem uma solução, após orientação para esperar pelo fim da greve.”

    Fonte: O Liberal

    1. Alrelice Alves disse:

      Concordo plenamente aos bancarios entrarem de greve, mais já esta com muitos dias, acho isso um disrespeito a população, muitas pessoas precisam resolver pentencias. E essa greve não acaba,

  • Anonimo disse:

    Banpará não apresenta proposta e negociação deve continuar amanhã
    Seg, 24 de Setembro de 2012 19:18

    Banpará não apresenta proposta para encerrar a greve e negociação deve continuar nessa terça (25)A reunião de negociação entre o Sindicato dos Bancários do Pará, a Contraf-CUT, a Fetec Centro Norte e a Afbepa com o Banpará realizada nesta segunda-feira (24) durou o dia todo, mas sem apresentação de uma proposta do banco capaz de encerrar a greve do funcionalismo que hoje chegou ao seu 21º dia de forte paralisação em todo o Estado. No início da noite a reunião foi suspensa com possibilidade de ser retomada amanhã (25).

    “Infelizmente, mais uma vez não tivemos avanços nas negociações com o Banpará. Aguardamos uma posição do banco para retomar a mesa com as entidades representativas dos trabalhadores amanhã. Orientamos o funcionalismo a seguir fortalecendo a greve por tempo indeterminado em todo Pará como forma de pressionar o banco a apresentar uma proposta digna à categoria”, destaca a presidenta do Sindicato, Rosalina Amorim.

    TODOS À ASSEMBLEIA DESSA TERÇA-FEIRA (25)

    O Sindicato convoca todos os bancários e bancárias do Banpará para a assembleia geral específica que será realizada nesta terça-feira, 25 de setembro, às 17 horas, na sede da entidade (Rua 28 de setembro nº 1210, entre Doca e Quintino, Reduto, Belém-PA), para avaliar a proposta do banco.

    Compareça, chame seus colegas de banco, a participação de todos e todas será fundamental nessa assembleia.

    As principais reivindicações do funcionalismo do Banpará são:

    . Piso do DIEESE (R$ 2.416,38) com reflexo no PCS, respeitando o percentual de 5% entre os níveis;
    . PLR linear para todos;
    . PCS não vinculado às metas;
    . Promoção para todos no PCS na data base;
    . Aumento de comissão para todos, inclusive caixas, coordenadores de caixa e coordenadores de PABs;
    . Valorização dos funcionários do SAC;
    . FIM do assédio moral;
    . Placas sobre pausa de 10 minutos e ginástica laboral

    Fonte: Bancários PA

  • Anonimo disse:

    A SAÍDA PARA A GREVE está nas mãos de quem a provocou: Banpará e governo Jatene, que, em respeito aos servidores públicos e aos demais clientes do Banco, devem se dignar a negociar com os bancários e bancárias que, com seu trabalho, estão fazendo do Banpará o melhor Banco estadual e o quinto melhor Banco do país, garantindo recordes de lucros crescentes a cada ano, dos quais, como dividendos, foram repassados ao governo estadual R$ 66 milhões em 2011 e R$ 10 milhões no primeiro trimestre de 2012.

    Que os servidores públicos e a sociedade em geral vejam a injustiça que está sendo cometida pelo governo estadual contra os bancários do Banpará, uma categoria que está adoecendo, vítima de metas abusivas, sobrecarga de trabalho e insegurança!

    Nossa greve é legal, legítima e justa, e está a cada dia mais forte! A adesão e a consciência dos bancários cresce na mesma medida do endurecimento e intransigência da direção do Banpará e do governo do Estado. Queremos valorização efetiva, mais salário no bolso, condições dignas de trabalho e de vida e por isso, como trabalhadores e trabalhadoras, estamos lutando. Haveremos de vencer!

    UNIDOS SOMOS FORTES!