Produtor cultural santareno residente no Rio de Janeiro, Paulo Cidmil comenta o post Santarém na “Veja”:

Prezado amigo Jeso,

A Veja há muito não merece credibilidade. Tem pauta como essa das cidades exatamente para arrecadar junto aos municípios com dinheiro em caixa e precisando de uma boa notícia e visibilidade nacional. A Veja doura a pílula de quem oferecer boa contrapartida.

A notícia na Veja servirá de alavanca para ações de marketing local. Quanto às notícias negativas como saneamento, lixo e mortalidade infantil, a matéria bota o problema em evidência para ajudar a liberar recursos federais. Seria bom o município esclarecer antes o que fez com os recursos do programa Minha Casa, Minha Vida.

Com relação a violência, carro chefe da matéria, que você noticiou no texto acima, existe uma grande manipulação. Se o número de homicídios é pequeno, menor até do que os que lemos nos blogs e jornais do município, ficou de fora a estatística de assaltos, furtos, arrombamentos, brigas de gangues, que são bastante corriqueiros, com índice bastante elevado.

Lembre que há pouco tempo não se podia usar um laptop no Mirante ou na Orla sob risco de assalto. Isso foi notícia esse ano aqui no blog. No final de junho deste ano, fui assaltado, junto outros freqüentadores e a proprietária, dentro da sorveteria Nido da Orla, às 22:30 h, com revólveres na cabeça.

Melhor não levar a sério o que a Veja diz. Ela já esteve aí em outra ocasião fazendo matéria para elogiar a administração local. Essa pauta sobre cidades é tudo matéria paga, mesmo que não apareça a fatura.

Se fosse a Carta Capital ou a Piauí poderíamos dar algum crédito. São revistas, que mesmo tendo opção ideológica clara, primam pela ética e não se prestam a esse serviço.

A Veja, hoje, é uma moça de vida fácil de quinta. Se é que eu posso fazer essa maldade com essas profissionais, no meu ponto de vista, bem mais honestas que a revista Veja.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

20 Comentários em: "Veja" doura a pílula

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Marco disse:

    Gostaria de saber quem tem independência nesse país?
    Temos que ler , com um olhar crítico próprio, porque assim como tudo na vida a veja têm coisas boas e não tão boas.

  • PAI DE SANTO disse:

    muito bonito, qndo a veja noticiou fatos do sistema tapajos de comunicaçao era a melhor revista,agora n é para acreditar, sem credibilidade esta esse blog que muito mete fogo e nunca tem ideias para melhorias, nao to dizendo mesmo…porq esse blog nao noticia que no outro lado tambem pega fogo…..

  • joão disse:

    É por essas e outras que Santerám vai ser colônia sempre.

  • os dez piores destinos para se viajar no mundo : 1. má naus 2. várzea city 3. cuiabá 4. porto velho 5. nova iguaçu 6. macapá 7. calcoene 8. curralinho 9. curitiba 10. campo grande !!!!

  • jronaldo disse:

    Contrastando: ao mesmo tempo q. a Veja destaca Santarém em razão da segurança pública, ela rebaixa por outros aspectos também relevantes, como sujeira (lixão), mortalidade infantil e renda familiar mínima.

  • Alguem q leu disse:

    Um de voces leu a materia completa na revista? tbm nao concordo que santarem é a cidade mais pacata do BR, mas CONCORDO que santarem tem o pior saneamento basico e o pior investimento em saude, que esta na mesma materia da referida revista, se e comprada a materia eu tbm nao sei, mas que aqui estamos abandonados isso e CERTO

  • Márcio Gonsalves disse:

    É um direito seu como é o de qualquer um achar que a revista VEJA não tem credibilidade, porém não atropele os fatos e a lógica. A revista VEJA é no seu seguimento uma das mais conceituadas, respeitadas e vendidas no mundo, é a mais vendida no Brasil, possui vários anunciantes de peso sendo na sua grande maioria empresas privadas não precisando se sujeitar aos caprichos de quem está no poder seja ele do partido A ou B. E é essa independência que incomoda quem está no poder, e só por isso não precisam das esmolas dos governos para sobreviver ou ter lucro. Sou assinante da revista VEJA há 25 anos e lembro-me de diversas matérias na qual a publicação apontou desvios e casos de corrupção na esfera politica passando pelas épocas em que José Sarney foi presidente, no impeachment de Fernando Collor, na era tucana e por fim os vários desvios e mutretagens do petismo. Para quem é muito novo ou já tem certa idade e faz questão de se esquecer do passado recente vale lembrar que muitos petistas já foram “colaboradores” de VEJA, inclusive José Dirceu o chefe de quadrilha segundo afirma o ministério público federal, um dia esse “gigante da moralidade” até homenageou a revista no congresso nacional por denuncias feitas durante o governo tucano, e lembro bem que na época não houve acusações de golpismo ou de imprensa golpista, era apenas a imprensa usando da tal liberdade de imprensa. O sr. Paulo Cidmil não se atentou que os dados noticiados não são de pesquisas realizadas por VEJA e sim por um instituto chamado Sangari em parceria com o ministério da justiça e é tido como de muita credibilidade. Não posso falar da revista PIaui nunca li, mais da carta capital posso. A alguns anos atrás incentivado por um amigo assinei a dita revista por um ano, mais não passei do terceiro mês. Primeiro estranhei o grande número de propagandas do governo nas suas paginas nunca vi nada igual, 90% dos anúncios são de empresas do governo, o resto são de sócios ligados ao petismo. Segundo, os seus jornalistas e comentaristas são historicamente ligados ao petismo. E vejam só, todo petista filiado tem direito a 50% de desconto na assinatura da revista isso não é uma beleza? E não por acaso no site do PT tem um link direto para o da revista. A verdade é que se essa revista dependesse das suas tiragens semanais e dos assinantes ela não sobreviveria um único mês, e por isso dependem do governo, acho que para o bom entendedor basta né. Paulo nos diga que raio de ética é essa usada pela Carta Capital que durante todos os escândalos envolvendo o petismo e seus aliados ao invés de informar e expor os fatos só deturpou os mesmos chegando a embasar a defesa fajuta e ridícula do PT e do governo afirmando que o caso mensalão nunca existiu e não passou de uma armação de adversários políticos e de uma parte da imprensa que seria golpista? E o mais interessante é que apesar de VEJA não te credibilidade e ética como você afirma quando a policia entra nos casos denunciados pela revista e passam a investigar, os resultados na sua grande maioria das vezes dão razão à revista.

    1. Chico Corrêa disse:

      O senhor é tão “bem” informado por sua “revista” Veja que não sabe o que se passa ao seu redor. Quem diz hoje que não houve menslão é o proprio denunciante, leia a defesa dela no supremo, Carta Capital apenas fez jornalismo, quem acredita em canalha é a Veja.

  • mirika disse:

    Santarém é tranquila, maravilhosa terra pra se viver sempre com qualidade de vida!!! Quem é daqui sabe disso, fartura de comida, de água , de beleza e outras dezenas de coisas mais…
    As pessoas que não gostam daqui, só lembrando que tem avião e barcos saindo todos os dias para outros lugares…

  • PIÃO DO MAU VIVER - Agora? disse:

    Isso é papo de burraldo derrotado… Comparada com outras cidades do mesmo nível populacional, Santarém é terra de PAZ, de HARMONIA e do BOM VIVER. Que ele fique pra lá… Hum! Cidmilhões nele!

  • Carlos Alfredo disse:

    Antes de ficar “viajando” em possibilidades, em credibilidade de “A” ou “B”, é importante que tenhamos o pé no chão e possamos avaliar o momento (é absurdo e falsa as informações da VEJA?) . ´Será que tudo isso vem para solidificar nosso anseio para o SIM!, já que demonstra claramente o descaso estatal para com as regiões norte/nordeste/sul do Pará?.
    Oportunistas de plantão…..teremos sempre……

  • Antônio disse:

    Nem tudo que sai na veja é matéria comprada.
    Afinal ela também tem seus próprios interesses. Hoje o maior deles é tirar o Lula e o PT de circulação. Daí que nunca faz matéria a respeito de corrupção do PSDB e ordinariamente ataca o Lula.
    De certa forma faz sentido a frase: “Revista inVEJA, Se comprar, não abra. Se abrir, não leia. Se ler, não acredite. Se acreditar, RELINCHE!!!!”

  • Jr Silva disse:

    Sr. Cidmil,

    Acredito que foi comprado mesmo, mas comprado foi o seu comentário por essa oposição fajuta que quer voltar ao poder a qualquer custo, utilizando pessoas alienadas como o senhor. A nossa sorte é que vocês fazem parte da minoria.

    Jr Silva

  • Otávio Luis disse:

    Pior que tentar desqualificar VEJA sem argumentos sólidos e criveis é tomar como exemplo positivo e ético a revista Carta Capital de MIno Carta. Pensei que o sr. Paulo Cidmil fosse sério. Quem quiser entender melhor como funciona a relação carta capital, PT e governo federal basta acessar o site http://www.cartacapital.com.br se ser ético é ser como eles honestamente não sei o que é ser ético, acredito que a mentira não seja um valor ético.

  • Paulo Andre disse:

    O Sr. Cidmil é uma pessoa muito pessimista, vem pra nossa cidade e só vê o lado negativo, talvez seja por isso que fatos como o que aconteceu com ele na Sorveteria Nido esteja na parte baixa das estartisticas. Adoro Santarém, amo essa cidade de paixão, não troco a tranquilidade e o conforto de uma boa rede no Arariá por Copacabana.
    Meu nome é Paulo, sou Santareno, uso tablet na Orla, curto boite e ando tranquilo no meu bairro anoite sem ser oportunado.

  • Nazareno Lima disse:

    Paulo Cidmil,

    Pefeito seu texto. Só foste injusto com as moças.

  • TriploX disse:

    Na minha modesta opinião, é provável que as informações sejam verídicas, afinal é notório a sensação de segurança que os santarenos tem em nossa cidade. A polícia local, tradicionalmente, procura agir com rigor e eficácia principalmente nos casos de maior repercussão para servir de exemplo que o “crime não compensa” aos bandidos. Contudo, tenho a impressão de que a calmaria em santarém é fruto da falta de atividade econômica forte no nosso município. Empregos so se encontram no serviço público, no comércio, algumas madeireiras e beneficiários do INSS. Isso obriga os demais conterrâneos a alçarem vôo em outras cidades, especialmente Manaus, e nessa levada os criminosos também emigram para lá

  • Eu Vejo disse:

    Gostei das indagações do Anonimo. Tem gente que prefere olhar a vida, o mundo, a cidade… pela ótica da desgraça. O único item positivo da pesquisa nacional o Sr. Cidmil resolve desqualificar. Por acaso, o sr. Cidmil leu a reportagem? conseguiu identificar o que significa Santarém nesta pesquisa? Para um bom leitor a cidade está entre as 106 com mais de 200 mil habitantes que nos últimos anos dinamizaram o recente ciclo de crescimento economico e bem estar. E olhe seu Cidmil, a Veja que o sr. diz ser comprada, não citou nossos indices na educaçao, esporte e lazer, cultura e turismo que fazem de nossa cidade um ambiente de oportunidades principalmente para os jovens. É por isso que o indice de satisfção das pessoas que aqui vivem é muito alto. Algo errado acontece com vossa pessoa. Procure ler um livro de auto ajuda.

  • Cristiano Santa Cruz disse:

    Matéria paga ou não Santarém oferece qualidade de vida, concordo com o jornalista da veja em quase todos os pontos da produção do texto, uma foi dizer que a maioria dos crimes são descobertos pela polícia, tbm concordo. Só a fotografia diz tudo “Qualidade de vida”.
    Santarém foi lá pra cima com a puta dessa matéria numa puta de uma revista, num puto de País.
    Aperte 77

  • Anônimo disse:

    Cabe algumas indagações para o Sr. Cidmil ou a própria revista responder:

    1) O que a Veja escreve deve ser descartado? É sempre inservível e mentiroso?

    2) Se inservível, todos que lêem a Veja são muito ingênuos, alienados e desinformados?

    3) Os ministros do governo atual que foram denunciados pela revista e afastados foram vítimas de difamação da Veja? Todos eram homens probos.

    4) Aliás, pelo fato de ser uma revista desalinhada do governo não deveria existir?