De Jerusalém, Romulo Canto:

Jeso,

Mais um dia de conflito aqui em Jerusalém. Não sei o quanto o mundo esta vendo isso, mas domingo passado houve uma grande confusão em Hebrom. Hoje novamente e aqui na cidade velha também.

Encontrei a notícia aqui em um jornal local e se fala de 15 policias feridos, mas ouvi nas ruas que houve mais de 30 jovens árabes feridos e que a polícia impediu a entrada de ambulâncias para atender.

Infelizmente não posso ir naquela direção, a polícia fechou tudo e precisaria ter uma credencial de imprensa para passar. Mas minha preocupação é que a cada dia esses conflitos se tornam mais violentos e quem sabe o que poderá acontecer mais a frente.

Se fala em uma nova intifada, mas por hora a polícia e o exército tem conseguido controlar… até quando?

Segue o link da noticia, se tiver dificuldade com o ingles, pode usar o google tradutor.

Jerusalem Post
https://www.jpost.com/Israel/Article.aspx?id=170314

Haaretz (O País)
https://www.jpost.com/Israel/Article.aspx?id=170314

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

2 Comentários em: Mortos, feridos e intifada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Armando S. Junior disse:

    Nessa historia não ha inocentes .

  • Tiberio Alloggio disse:

    O mundo está se lixando do que acontece na palestina ocupada. O mundo e a ONU fazem isso a décadas.

    Obama, mais um fracassado presidente prémio nobel da Paz, mantém os falcões israelianos no pescoço dos palestinos, ocupando suas terras e se expandindo aos poucos. E esses falcões (que possuem armas nucleares) o repagam ameaçando de bombardear as instalações nucleares do Irã.

    Não haverá saída se os israelianos não devolverem as terras aos palestinos. Não haverá saída se os dois povos não resolveremse aceitar reciprocamente, de par a par, claro.

    Tiberio Alloggio