Réplica de Emanuel Júlio Leite o post Turismo sente falta de ação articulada, do leitor que se assina Paracelso:

www.youtube.com/emanueljulioleiteEssa conta mantida por mim, através da Conexão Oeste Produtora no YouTube, faz cair por terra toda a sua crítica.

São 140 vídeos sobre turismo, cultura e esporte. 90% do material é todo ele voltado ao turismo e à cultura de Santarém e Oeste do Pará. OESTE DO PARÁ. Nesse pacote entram Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Alenquer, Juruti, Santarém e Belterra.

O que você propõe através de idéias eu viabilizo de forma concreta através de vídeos que são postados em uma ferramenta que tem alcance mundial. Não é a toa que hoje essa conta no YouTube é referência sobre o turismo de Santarém nos quatro cantos do planeta.

Se você achar que estou exagerando estará remando contra a correnteza, já a aposta na tecnologia inclui ações desse tipo, ao utilizar, por exemplo, as redes sociais.

E tem mais: não me limito apenas a postar os vídeos. Através do Twitter, de posse da conta de agências de turismo, operadoras de ecoturismo e organismos de turismo, como o Ministério do Turismo, envio o material produzido para quem interessa ao turismo de Santarém e do Oeste do Pará. É só fazer uma pesquisa no meu Twitter.

Só para provar o que digo, anote aí o meu twitter: twitter.com/conexaoamazonia. Aliás, ele está entre os mais seguidos aqui de Santarém.

Faço porque acredito. Aposto na possibilidade de nossa região desenvolver. E para, também, desfrutar dos benefícios que a atividade turística pode promover. É lógico…

Mas saiba que lido com a indiferença dos poderes públicos municipais do Oeste do Pará. Tudo o que faço tiro dinheiro de meu próprio bolso. Como já fazia há quinze anos, quando fui divulgar Santarém entre as regiões sul e sudeste (o resultado dessa viagem redundou no livro Turistificando um Caminho da Amazônia – Editora Ícone – São Paulo). Por aqui as prefeituras desconhecem que a minha empresa é uma prestadora de serviços. E com especialidade em turismo.

Sou formado em administração de empresa, com especialização em marketing. Não sou leigo em relação ao turismo. Faço parte de uma equipe que nunca parou de se interessar por Santarém e pelas questões ligadas ao turismo. Quando falei nos programas desenvolvidos pelo governo federal, esqueci de dizer que sou alunos dessas turmas compostas em sua maioria por jovens esperançosos em um futuro melhor, e que também apostam no turismo.

Mas lá no meio deles estou em com os meus quase 50 anos, ainda ávido por informações que somente depois de 2003, quando o Ministério do Turismo foi criado, passaram a ser mais abundantes e de qualidade.

Acredito em capacitação de mão de obra. Para isso, começo por mim. Estou permanentemente atrás de informações para encarar um mercado altamente concorrido e disputado.

Oportunamente, fico muito preocupado quando sinto que o trade turístico de Santarém apresenta sinais de cansaço. Afinal, são muitos os anos em que promessas foram colocadas pela classe política. Alguns já deixaram o setor, enquanto outros encontram-se em dificuldades financeiras para continuar persistindo.

A preocupação é justificada. Se o governo federal entender que o trade local não está dando o devido valor é provavelmente que as atenções se voltem para outros destinos, com mais apoio dos cidadãos e dos envolvidos na atividade. Quer um exemplo? O curso Elaboração de Projetos e Captação de Recursos foi iniciado com mais de 20 participantes, tendo chegado ao final com somente 8 pessoas. Eu estava entre elas. O curso é dirigido pela ABETA (Associação Brasileira de Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura).

Concordo com você quanto ao fato de pessoas formadas em turismo assumirem cargos importantes no setor. Mas o que as coordenações de curso de turismo estão fazendo para ganhar representatividade junto ao setor? Que tipo de ações eles fazem junto ao poder público? Por que não deixam um pouco as salas de aula e lutam mais pelos direitos dos alunos? Do contrário, os formados aqui tomarão sempre o rumo de Manaus, que é para onde todo mundo vai assim que recebe o seu diploma de nível superior em Santarém.

Apesar de suas críticas vou continuar fazendo pelo turismo de Santarém.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Turismo regional: ação concreta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Lia disse:

    É verdade, se os próprios turismólogos não dão valor ao potencial turísco de Santarém, que conhece quais são, conhece a história, como surgiu e a população santarena não é muito interessada nos eventos; como que o turismo vai pra frente? se são poucos interessados no avanço turístico, sem custos financeiros é complicado o avanço, não é verdade?.