Enfim, a Cargill protocolou junto à Sema (Secretaria de Estado de Meio Ambiente) o Eia-Rima (Estudo e Relatório de Impacto Ambiental) referente ao terminal graneleiro que a multinacional construiu em Santarém.

De acordo com a lei ambiental paraense, a contar de ontem (30) a empresa tem 45 dias para solicitar da Sema a realização de audiência pública com propósito de debater os impactos ambientais do porto.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

7 Comentários em: Porto da Cargill: Eia-Rima na Sema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • bonitão disse:

    quem estaria pelos bastidores para que santarem não cresça vcs ja obesevaram que toda as vezes que santarem quer decolar para o desenvolvimento sempre tem pessoas que atrapalham, e uma cidade que vive de ciclo: ciclo da borracha, ouro, juta, madeira, soja, agora qual vc o proximo ciclo o ciclo da bandidagem.

  • JOSÉ MARCOS disse:

    CDP, SHELL, FOGÁS, EQUADOR, BERTOLINI, FRIGORIFICO RIBEIRO E TODA ORLA DE SANTARÉM TEM EIA-RIMA? PORQUÊ VCS OLHAM SÓ A CARGILL COMO PROBLEMA? ALGUÉM PODERIA ME RESPONDER? SE UM TEM QUE CUMPRI A LEI TODOS TAMBÉM TEM CUMPRIR.

  • marcio disse:

    Engraçado, todo mundo mete o pau contra a CARGILL, mas na época quando a CDP autorizou a instalação da Cargil nas Docas, estava tudo conforme as leis ambientais. Todos nós deveriamos dar uma olhadinha nos esgotos que são despejados diretamente nas águas do Tapajós,. Isso ninguém vê!?? E a água “Potavel” que a COSANPA distribui!?? Isso também ninguém reclama…Ou ainda mais, os burracos que todos dias estão engolindo a cidade???Ai ninguém fala nada!! Se cair um grão de soja no rio, garanto que os Peixes vão agradecer,.. O depósito de embalagem como o nosso amigo citou, está praticamente saindo do papel, problema que agora inventaram uma tal de “Zona de amortecimento” em tornno da FLONA (10 Km da reserva),. Isso está prejudicando a insatalação desa central em Belterra.. E quanto aos agortóxicos, eles são aplicados com muita tecnologia e cuidado, com recomendação técnica, e orientação de pessoas credenciadas… Até a Seletto está com problema sério, pois ela está saindo de Santarém e se instalando no Km 45 da BR 163, com isso não se sabe mais se ela realmente poderá dar continuidade a sua conclusão;.
    Acho que é melhor fechar logo a seletto, a Cargill, e todas as madereiras, e mandar todos que querem trabalhar embora….Assim santarém poderá voltar a viver de pesça e farinha!

  • Pedro disse:

    Sairá pq eles vão pagar pra sair…. É sempre assim!!! A única forma de mudar isso é com a cobranca da própria populacão pois se esperamos pelos órgãos competentes a Cargil continuará fazendo o que bem entende na região…

  • SEU MANO disse:

    ” É como pisar em ovos”. Com certeza, esse EIA-RIMA tem que passar por um filtro de “carbono ativo”, pra ser aprovado.

    ATENÇÃO: Os ambientalistas, comunidades em geral, principalmente os que moram nas proximidades dos projetos de plantios, devem se fazer presente nesta audiência pública de grande importância para Santarém-PA, isso vai mudar, e muito, a qualidade de vida dos santarenos. É sério, os resíduos que são gerados pelos beneficiamentos da Cargill dependendo dos níveis, são altamente prejudiciais à população.
    Professor Jeso, não sou contra a Cargill, só que a empresa deve está em dia com suas responsabilidades sócio-meio-ambiental, mas a população deve ser avisada em massa dessa audiência, afinal de conta, os prejudicados somos nós mesmos.

  • Tiberio Alloggio disse:

    Aleluia!!

    Tinerio Alloggio

  • Experulito disse:

    Caro Jeso!!

    Esse Eia-Rima não pode ser aprovado por um detalhe que até hj ninguém tinha pensado, para se produzir grãos para Cargill são necessário uma grande quantidade de agrotóxicos. Esses produtos depois de utililizados deixam para tras as sua embalagens que novivasao meio ambiente. O problema que Santarém e Região não possui local adequado para destinação final destas embalagens. Diante disto dificilmente esse Eia-Rima saia.