frase do dia, de bernardo mello franco

aspas… é preocupante porque sugere que o novo regime está disposto a barrar estudos que contrariem suas teses”

Bernardo Mello Franco, colunista da Folha de S. Paulo, em artigo hoje, 16, sobre censura imposta pelo presidente do Ipea, Ernesto Lozardo, a um estudo que aponta perdas potenciais de R$ 743 bilhões para a Saúde, caso a PEC 241 seja aprovada.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Frase o dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Paulo Láunner disse:

    Estudo fajuto que já foi prontamente descartado pelo próprio IPEA. O “estudo” realizado por petistas que ainda estão por lá, mas por pouco tempo, não leva em conta a possibilidade de crescimento do país nem os investimentos internos e externos que virão ao montes $$$$. Duvido muito que essa canalha trate as finanças pessoas do jeito que trata as finanças públicas quando governam.

  • José Francisco Guimarães Corrêa (Chico Corrêa) disse:

    “Estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) estima perda até de R$ 743 bilhões no sistema de saúde, durante a vigência do teto. O presidente do instituto, Ernesto Lozardo, tratou de emitir uma nota antiética para dizer aos de cima que o Ipea é a favor do teto. Mas não é, nem contra, por ser instituição apenas de pesquisa, não de política econômica. Ainda assim, Fabíola Sulpino Vieira, economista co-autora da pesquisa, deixa seu cargo no Ipea.

    Se a violência não tem estudo, outra preocupação nacional aumenta o alarme: a Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara –a Conof dos melhores técnicos da Casa em questões orçamentárias– concluiu que a educação perderá R$ 20 bilhões por ano, R$ 480 bilhões na pretendida vigência do teto”
    Jânio de Freitas, em sua coluna no mesmo jornal
    .