Folha de S. Paulo

PT - logo - Blog do JesoO PT não irá se pronunciar oficialmente sobre a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de enviar o processo contra o ex-deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG), réu do mensalão tucano, para a Justiça de primeira instância em Minas Gerais.

Nos bastidores, no entanto, líderes do partido já ensaiam o discurso para rebater o caso.

Leia também:
STF manda mensalão do PSDB para Minas.

Petistas ouvidos pela Folha afirmam que o STF agiu corretamente do ponto de vista técnico, já que o tucano não tem foro privilegiado e, portanto, deve ser julgado em primeira instância.

Contestam, porém, o fato de a regra não ter sido aplicada ao ex-ministro José Dirceu, condenado no mensalão do PT, e outros que estão presos por envolvimento no esquema e que foram julgados pela corte mesmo sem ter o chamado foro privilegiado.

Em Brasília, parte dos congressistas do partido dizem que a resolução do STF confirma que a decisão sobre o mensalão do PT teve caráter político e que a corte faz uso de “dois pesos e duas medidas” nas suas deliberações, como afirmou o líder do PT no Senado Federal, Humberto Costa (PE).

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

11 Comentários em: “Decisão sobre mensalão do PSDB foi correta”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Maralice disse:

    O ministro Barbosa, é o ministro da diferença.Ainda bem, que ele foi relatou em caso de corrupção e aplicou os rigores da Lei como manda o bom Direito.Falem o que quiserem, continuo aplaudindo a coragem e a postura forte do ministro Barbosa contra a corrupção.Triste e desalentoso são as posturas de quem não tem coragem de combater e punir a corrupção que assola esse país.E na minha , simples opinião corrupção não tem tamanho e não precisa ser estratosfericamente fenomenal para ser combatida.

    1. Válber Almeida disse:

      rs…. Dona Maralice, acorde, a senhora continua vendo chifres em cabeça de cavalo. Faça uma autocrítica, olhe para a história como ela é, admita que foi enganada pelos seus heróis salvadores da pátria… já está na hora de acordar da hipnose catártica, ela não curou nem vai curar suas frustrações com a política.

      1. Maralice disse:

        Desculpe, acho que vc respondeu para pessoa errada, não escrevi nada para vc.Mas, na democracia fique a vontade para falar o que quiser……kkkkkkkkkkkk.Abraços de quem não compactua com a corrupção!!!

  • Bode do Lula disse:

    Precisa ser dito que o petismo nunca quis que fosse antes na primeira instância por achar que essa mais moleza, dado que, raramente em tal quando aparece mais dois no processo, deixa de cada um pegar uns 10 anos em regime fechado por formação de quadrinha. O bom é que em casos como esses e tendo recursos para pagar bons advogados, diga-se que não é lei criada por petista, mas desde da ditadura, pode levar uns 30 anos para decisão final, portanto, usar a papelada disto como papel higiênico. E num país de oportunidades maravilhosas nesse campo, o cara , além do azar de ser descoberto, nem sequer conseguiu recursos para isso, merece mesmo mofar na cadeia.

  • João de Deus disse:

    Ainda dizem que “O petróleo é nosso”. Tem gente que acredita nessa gente. O mensalão central continua:

    https://br.noticias.yahoo.com/petrobras-deu-convite-vip-genro-dilma-112000881.html

    Leia mais:
    Papéis da Petrobras chegaram adulterados a Imbassahy
    Serra diz que governo está “debilitado” e pode sofrer com CPI da Petrobras
    Ex-dirigentes usaram cartão corporativo em restaurantes

    Mantida em segredo pela gerência executiva de Comunicação Institucional da Petrobras, a lista foi obtida pelo Estado via Lei de Acesso à Informação. O cargo é ocupado desde 2003 por Wilson Santarosa, sindicalista amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O pedido de informações foi negado duas vezes, e só foi atendido por decisão da presidência da Petrobras.

    As cortesias dão direito a vista privilegiada da pista do Autódromo de Interlagos, além de acesso aos boxes das escuderias, hospedagem em hotel cinco estrelas e buffet de bebidas e comidas durante o GP. Estima-se que o custo unitário dos convites oferecidos pela Petrobras chegue a R$ 12 mil – o ingresso mais caro vendido ao público no ano passado, com benefícios semelhantes, valia R$ 11.200.

    Nota da Secretaria de Comunicação Social do governo enviada ontem (27) à noite ao Estado confirma que o genro da presidente “compareceu ao GP Brasil” a convite da Petrobras, desacompanhado da mulher, Paula Rousseff, e afirma que Dilma não sabia do convite. “A presidenta disse que, se tivesse sido (consultada), teria dito para ele não comparecer. Isso porque, embora não exista irregularidade, não vale o incômodo.”

    O genro de Dilma trabalha na área trabalhista do escritório de advocacia do sogro – o ex-marido da presidente, Carlos Araújo. Procurado, Cuvolo avisou pela secretária que “não tinha interesse em se manifestar”.>>Além do genro de Dilma, o secretário adjunto do gabinete de segurança da Presidência, coronel Artur José Solon Neto, foi convidado pela Petrobras. O oficial confirmou o convite, mas disse não saber por que foi escolhido.

    Pedido

    Dois filhos de Guido Mantega, que também é presidente do Conselho de Administração da Petrobras, estão na lista de convidados VIP da estatal, assim como um amigo deles. O pedido de ingressos para Carolina e Leonardo Mantega partiu do próprio ministro.

    Procurada, Carolina fez um pedido. “Por favor, eu gostaria que você não escrevesse essa matéria”, disse. Perguntada se ganhou o ingresso do pai, repetiu: “Eu não quero falar sobre isso”. Leonardo não foi localizado.

    Os filhos de Mantega levaram um amigo, Felipe Isola. “Eu fui convidado porque gosto de assistir à Fórmula 1. O camarote é minha posição preferida”, afirmou. Quando a reportagem o questionou se tinha algum negócio com a estatal que justificasse a cortesia, Isola disse que a pergunta deveria ser feita à Petrobras. “Não sou da empresa, mas conheço pessoas de lá”, afirmou, sem citar nomes para não ser “deselegante”.

    Em nota, Mantega afirmou que “os convites mencionados pela reportagem foram dados pela empresa devido ao fato de o ministro ser conselheiro da companhia, tratando-se de uma prática usual da Petrobras para com seus conselheiros”.

    Miriam Belchior é outra ministra e conselheira da Petrobras cujos parentes foram ao camarote. Irmã da ministra, Virgínia confirmou ao Estado ter recebido o ingresso, mas desligou o telefone ao ser perguntada sobre como ganhou o convite.

    Por meio de sua assessoria, a ministra afirmou que membros do Conselho de Administração constituem um dos diversos “públicos” de interesse da estatal. “Esse procedimento é praxe por parte de qualquer empresa pública ou privada que patrocina grandes eventos. Não infringe nenhuma norma estabelecida.”

    O marido da titular de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, o subtenente do Exército Jeferson da Silva Figueiredo, também foi convidado para o camarote VIP. A ministra recebeu o convite, mas afirmou não ter ido ao evento. Figueiredo não quis falar sobre o assunto.

    Base

    O ex-presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), também tem um parente na lista VIP da Petrobras. O neto do senador, João Fernando Sarney, não quis falar sobre o convite.

    O Estado identificou na lista nove deputados federais, um distrital e dois senadores aliados do governo, além de suas mulheres, irmãos, namoradas e filhos. Lá estão o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e o senador Gim Argello (PTB-DF), dois dos principais articuladores contra a CPI da Petrobras.

    O gabinete de Argello confirmou o uso da credencial, estendida ao irmão e à mulher, mas disse que “não utilizou o serviço de hospedagem a que tinha direito”. Chinaglia não quis comentar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

  • João de Deus disse:

    Tem que mudar esse time que está aí. É a casa da “Mãe Joana”.

    Lista inédita dos convidados VIP da Petrobras para assistir ao GP do Brasil de Fórmula 1, em novembro, revela que o agrado, originalmente usado pela estatal “para relacionamento com grandes clientes corporativos”, teve como beneficiados o genro da presidente Dilma Rousseff, Rafael Covolo; dois filhos do ministro da Fazenda, Guido Mantega; e a irmã, o cunhado e a sobrinha da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, além de parlamentares da base aliada e seus familiares.

    1. Milton Pelooso disse:

      OS SEUS COMENTÁRIOS NÃO SE SUSTENTAM POIS ESTÃO EIVADOS DE FUTILIDADES. O BLOG DO JESO NÃO É PARA ISSO E SIM PARA COISA SÉRIA.
      RESPEITE AS JOANAS, O QUE VC TEM CONTRA ELAS????

      1. João de Deus disse:

        Achar aue um prejuízo de mais de um bilhão e dólares da uma empresa que deveria estar beneficiando o país como um todo, achincalha o contribuinte patrocinando gente amiga do governo ou parentes de governantes é um assunto sem importância, deve viver num paraíso. Mesmo que tvesse algum vínculo com o lado do governo, não defenderia tamanha aberração.

        1. Milton Pelooso disse:

          Infelizmente vc só repete o que a GLOBO diz, a credibilidade de sua fala é enfraquecida por esse “fenômeno”. Pesquise outra fontes.

  • Milton Pelooso disse:

    69% dos 14 milhões assistidos pelo Mais Médicos consideram o atendimento ótimo
    27 mar 2014/0 Comentários/ destaque equipedoblog /Por Equipe do Blog
    Pesquisa Datafolha divulgada hoje revela o acerto e êxito do Mais Médicos lançado pela presidenta Dilma Rousseff e o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha a partir de setembro do ano passado: nos poucos meses de funcionamento da iniciativa, cerca de 14 milhões já foram atendidos por médicos estrangeiros que trabalham no programa.

    A pesquisa foi divulgada nesta 4ª feira (ontem) durante o Fórum a Saúde do Brasil, o segundo seminário da série promovida pela Folha para discutir problemas que marcam o cotidiano dos brasileiros. O Mais Médicos é um programa implantado pelo governo federal com o propósito de levar profissionais da área às regiões do país carentes de profissionais, a cidades carentes distantes e aos bairros da periferia das grandes cidades, nas quais médicos brasileiros não estejam trabalhando. O programa conta, atualmente com 9.501 médicos (87% estrangeiros).

    E o melhor desta pesquisa: entre os brasileiros atendidos pelos médicos estrangeiros, 69% consideram que o atendimento foi ótimo ou bom e 27% acharam regular, ruim ou péssimo. Questionados sobre a vinda de profissionais estrangeiros para trabalhar no programa em regiões remotas do país com falta desses profissionais, 67% dos entrevistados manifestaram-se favoráveis à medida.

    O aperfeiçoamento do SUS

    De acordo com a pesquisa, a maior aceitação registra-se na região Nordeste, com 72% de aprovação, seguida da região Norte e Centro-Oeste, juntas, com 68%. A região com menor índice de aprovação é a Sul (64%). A pesquisa Datafolha, feita em parceria com a Interfarma, entidade representativa da indústria farmacêutica, entrevistou 2.109 pessoas em 140 municípios.

    O fórum da Folha contou com a presença, ontem, do ministro da Saúde, Arthur Chioro. Em sua exposição, o ministro fez uma avaliação do sistema público de saúde do país, o SUS, considerando que entre os desafios apresentados pelo sistema, um dos principais é a consolidação dos serviços de atenção básica e de redes integrais de saúde, que deem continuidade ao tratamento médico.

    Para melhorar o financiamento da saúde, Chioro propôs uma interação mais adequada entre os sistemas de saúde público e privado.” “Meu sonho é que o SUS legal cada vez mais se aproxime do SUS real, aquele que possa fazer o brasileiro dizer: Estou satisfeito.” Chioro defende, também, uma reforma no modelo de gestão do SUS. “Hoje é uma grande dificuldade para gestores públicos: é OS, é Oscip, é fundação, é fundação privada, é empresa. Nenhum desses modelos dá estabilidade e capacidade para o processo de gestão de que nós precisamos”, disse.

  • Válber Almeida disse:

    “Tudo deve mudar para que nada mude”, diria o Lampedusa. Eu havia antecipado, aqui mesmo neste blog, o resultado deste julgamento, dado que o movimento da Grande Imprensa foi exatamente para mandar que o STF mandasse o processo do Azeredo para a primeira instância.

    Isto é, os juízes do STF somente aplicaram as sentenças dos verdadeiros juízes que mandam naquela pocilga: a Globo, a Veja, o Estadão e a Folha de São Paulo.

    Por mais que tenha sido uma atitude reconhecidamente técnica, o fato mesmo de ter sido reconhecido como um procedimento técnico é a prova incontestável do critério político utilizado contra os políticos do PT. Os ingênuos úteis, aqueles que se deixam usar pelos espetáculos de catarse promovidos pelo Grande Irmão, e que acreditaram no papinho veiculado pelo linchamento midiático contra o PT de que, finalmente, a justiça começava a reagir contra os criminosos poderosos no Brasil, devem estar confusos com o que aconteceu.

    Mas eu vos digo: “nada de novo no fronte”, apenas “tudo mudou para que nada mudasse”. E olha que as maracutaias cometidas pelos tucanos mineiros e paulistas neste caso são estratosfericamente mais graves do que as que foram cometidas, supostamente, pelos políticos do “mensalão petista”, e tudo documentado.

    É claro que os ingênuos úteis continuarão a pensar de modo seletivo, pois não conseguem raciocinar de modo contextual, para além das viseiras impostas pelo filtro ideológico da grande imprensa golpista, e entender os jogos de poder que comandam a lógica da mídia e do judiciário brasileiro, do qual a pocilga do STF é, hoje, a versão mais escrachada de tribunal subordinado à politicagem mais podre do solo pátrio. Devem estar se perguntando: “o que aconteceu?”, “Onde estão nossos heróis?”, “cadê as declarações inflamadas, conclamando a nação à revolução, do nosso heróis maior, o Batman, o menino negro e pobre que mudou o Brasil?”, “onde estão os editoriais indignados dos grandes jornais contra a patifaria da corrupção que assola o judiciário e os grandes partidos no Brasil?”, “não sobrou nada de catarse par nós desta vez?”.

    Enfim, garantismo jurídico, Direito da melhor espécie, justiça civilizada, moderna, apenas para os nossos, os senhores de engenho, os donos do poder real de Pindorama. Para aqueles que ousam contestar os nossos senhores, a chibata, o tronco, o linchamento, o suplício em praça pública para que o povão entenda de uma vez por todas quem manda neste feudo.