Greve das universidades federais chega ao fim após 69 dias

Publicado em por em Educação, Política, Ufopa

Greve das universidades federais chega ao fim após 69 dias
Campus da Universidade Federal do Oeste do Pará): greve encerrada após 69 dias de paralisação. Foto: Divulgação/Ufopa

 A greve dos professores das universidades federais chegou ao fim após 69 dias. Eles pediam reajuste salarial e recomposição do orçamento dos centros de ensino. Em assembleia realizada na noite deste domingo (23), o Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior) comunicou que a maioria de suas instituições filiadas optou pelo término da paralisação.

Os docentes acreditam que há uma “intransigência” do governo Lula  nas negociações e aceitaram reajuste salarial escalonado a partir do ano que vem.

Os institutos federais também aceitaram o acordo, que deve ser assinado na quarta-feira. Até 3 de julho, todas as instituições serão reabertas.

Ao longo da greve, o governo chegou a anunciar um PAC para as universidades federais e os hospitais universitários, prevendo R$ 5,5 bilhões em investimentos — mas esses valores já estavam no orçamento e foram somente adiantados. 

Camilo Santana, ministro da Educação, também anunciou um acréscimo de recursos para o custeio das instituições federais, em um total de R$ 400 milhões.

Mais democrática

O presidente Lula vinha reclamando da duração da greve. Na sexta-feira, num evento em São Luís, ele comparou sua relação com os docentes com a de Jair Bolsonaro.

“Vocês estão lembrados de um presidente que nunca recebeu um reitor na vida dele? Nunca recebeu um reitor.”

Ao brincar que não tem medo dos docentes, acrescentou: “E esse dedo que falta não foram eles [os reitores] que morderam. Esse dedo eu perdi numa fábrica“, disse. ”Quero ter uma relação mais democrática possível.”

Com informações do Meio, FSP e UOL

— O JC também está no Telegram. Siga-nos e leia notícias, veja vídeos e muito mais.


Publicado por:

Uma comentário para

  • leiam para entender o que leva o que deveria ser o referencial maior do trabalhador brasileiro, envolver-se no mais aberrante: ministérios de governo dito de esquerda ¨aceitar¨ dois sindicatos da mesma categoria.
    O Sindicato que a Ditadura Queria, Heliene Chaves Nagasava (Autor)– Edição padrão, 2018

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *