O post MPF entra com recurso contra Belo Monte suscitou o comentário a seguir, de Sebastião Imbiriba:

Já não se trata de defender o interesse público, função precípua do Ministério Público. Os procuradores agora atentam contra o próprio interesse nacional, rebuscando recursos nas raias da chicana tentando impedir a geração de um dos mais preciosos recursos de uma nação: abundância de energia limpa.

Enquanto isto, só não estamos em racionamento de energia porque usinas termoelétricas despejam milhões de toneladas de CO2 na atmosfera. Verdadeiro atentado contra o meio ambiente.

Para antever o futuro sem Belo Monte, basta imaginar como seria desgraçada nossa vida se não tivéssemos a energia de Tucuruí.

Acho que está na hora de pensar e agir estrategicamente, olhando o interesse nacional.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

3 Comentários em: Energia limpa e interesse nacional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Gil Serique disse:

    Pela amor de Deus vizinho.

  • Anônimo disse:

    Limitar o debate a argumentos do tipo “ou é Belo Monte ou Termoelétrica”, além de ser um discurso reducionista, é um discurso ‘ad terrorem’.
    O MPF trouxe fatos que demonstram que os estudos para a licença prévia não são suficientes. Querer dizer que o MPF atenta contra o interesse nacional é fugir do debate. O que deve ser contraposto são os argumentos trazidos na Ação Civil Pública e não a instituição Ministério Público.
    O argumento trazido pelo Imbiriba é o clássico “os fins justificam os meios”.
    Nós, da região do Tapajós, devemos ter ainda mais cuidado com essas colocações, pois em breve poderemos nos deparar com o seguinte funtamento: a produção de energia decorrente das hidrelétricas no rio Tapajós justifica a inundação de Alter-do-Chão.

  • Xinguara disse:

    Sebastião Imbiriba,
    A nossa vida já está desgraçada, você não sente? Não percebe? Essa realidade você vive, nós todos vivemos diariamente. A mãe Terra agoniza, os terremotos, as enchentes, o efeito estufa, as geleiras derretendo, deslizamentos de terra, muitas vidas que se vão a cada nova tragédia. A energia dessas usinas não é limpa, por que se fosse, não deixaria florestas apodrecendo embaixo d’água, não destruiria a natureza, não causaria tantos estragos, tanta sujeira. Grande parte da população de Altamira teme este projeto por que tem medo de suas consequências, pois já sabe que parte da cidade vai alagar, e ainda tem recente na lembrança a tragédia ocorrida no ano de 2009 com o estouro de barragens. Vitória do Xingu também será enormemente impactada, pois parte de seu território ficará submerso. Que Senador José Porfírio (adorável Sousel), banhado por um dos mais majestosos rios do mundo, o Rio Xingu, também sofrerá consequências, pois a seca irá castigar aquele povo humilde. E o que dizer dos povos indígenas que ficarão sem suas terras? O interesse do Ministério Público é acima de tudo público e isso é claro, cristalino, inconteste. Só não vê quem é caolho. Abstraio disso tudo, que ou você, na sua ignorância, defende os interesses do capitalismo, ou faz parte daquela pequena parcela que irá se beneficiar com a miséria da população e a destruição da natureza. BELO MONTE NÃO É INTERESSE NACIONAL, NUNCA FOI!