Na Folha de S. Paulo

O Andes, entidade de maior representação dos professores de universidades federais, anunciou ontem [16] o fim da maior greve da história da categoria, iniciada em maio.

Até semana passada, ao menos 39 universidades já haviam encerrado o movimento, das 57 que entraram em greve.

Segundo o sindicato, a decisão da “suspensão unificada” foi tomada “após criteriosa avaliação do quadro das assembleias gerais”.

Leia também:
Reitor dá fôlego à greve da Ufopa.

Em nota publicada ontem, o sindicato diz ainda que continuará “a mobilização da categoria no enfrentamento dos ataques à educação pública federal”. Eles citam especificamente o projeto de lei enviado pelo governo que detalha o reajuste aos docentes.

Os professores encerram a greve após conseguirem um aumento maior que a média oferecida pelo governo a outras categorias, que seguiram os docentes em paralisações no país inteiro.

Aos professores, o governo ofereceu reajuste entre 25% e 40% divididos nos próximos três anos, enquanto outras categorias encerraram a greve após aumento médio de 15,8%, no mesmo prazo.

Essa foi a maior greve da história das universidades federais, superando os 112 dias de paralisação em 2005.

Com os quatro meses de greve, o calendário acadêmico das universidades deverá ser esticado até o primeiro semestre de 2013.

A proposta oferecida pelo governo foi maior que a inicial, recusada pelos professores. Antes, o reajuste mais baixo dado era de 12%, e não 25%. No total, o impacto orçamentário será de R$ 4,18 bilhões, distribuídos nos próximos três anos.

Na mesa de negociação, os professores conseguiram reduzir o número degraus para se chegar ao topo da carreira: de 17 para 13.

O sindicato pleiteava que todos os professores pudessem chegar ao topo, independente de titulação acadêmica. Esse pedido foi recusado pelo governo no projeto de lei enviado ao Congresso, alvo de críticas da categoria.

Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Site Jeso Carneiro, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Um comentário em: Greve das universidades chega ao fim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • João Guilherme disse:

    Chamada em rádio do Rio de Janeiro:
    “Enquanto tivermos políticos caros e professores baratos este país não dá certo”.
    O político tem verba para despesa com correios, telefone, cafezinho,….
    As escolas mínguam em tudo.