Polícia Federal prende Fuminho, líder do PCC, em megaoperação na África
Fuminho, braço direito de Marcola

A Polícia Federal prendeu nesta 2ª feira (13) o criminoso Gilberto Aparecido dos Santos, conhecido como Fuminho, em Moçambique, na África. Fuminho é apontado como um dos principais líderes da facção criminosa  PCC (Primeiro Comando da Capital) que estava em liberdade e  constava na lista de procurados do Ministério da Justiça.

Ele estava foragido há mais de 20 anos.

 

A ação que culminou na prisão de dos Santos contou com a participação do Itamaraty, da DEA (Drug Enforcement Administration), do Departamento de Justiça dos Estados Unidos e do Departamento de Polícia de Moçambique.

De acordo com as investigações, Fuminho era o maior fornecedor de cocaína do PCC, além de ser responsável pelo envio de toneladas da droga para diversos países do mundo.

Além disso, informações trocadas por órgãos policiais apontavam que o criminoso supostamente financiaria um plano de resgate de Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, nº 1 do PCC, que está preso em penitenciária federal em Brasília.

GLO no entorno da penitenciária

É por causa desse plano descoberto pelas autoridades que foi decretada GLO (Garantia da Lei e da Ordem) no perímetro da Penitenciária Federal de Brasília, em fevereiro de 2020.

Em nota, a Polícia Federal destacou que “investe fortemente no combate ao crime violento, capitaneado principalmente pelas facções criminosas”.

“Nesse sentido, mesmo diante da crise mundial de saúde pública que assola o planeta, os policiais federais continuam a cumprir seu dever constitucional de proteger a sociedade, pautados pelas diretrizes de prisão de líderes, cooperação internacional e descapitalização do crime organizado.”

Cocaína para Europa

Fuminho é apontado pela PF como o braço direito de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola , considerado o líder máximo do PCC (Primeiro Comando da Capital), preso na Penitenciária Federal de Brasília.

O criminoso foi acusado de ser o mandante das mortes de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e de Fabiano Alves de Souza, o Paca, assassinados a tiros em fevereiro de 2018 na região metropolitana de Fortaleza, no Ceará.

Ambos foram acusados de desviar dinheiro do PCC.
Segundo o MPE (Ministério Público do Estado de São Paulo), antes das mortes de Gegê do Mangue e de Paca, Fuminho transportava ao menos uma tonelada de cocaína para a Europa.

Com informações dos sites Poder360 e Ponte

— LEIA também: Governador de Pernambuco proíbe acesso às praias e calçadão na epidemia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *